Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

07
Fev19

Tudo ao molho e fé em Deus - Anjos e demónios


Pedro Azevedo

A primeira constatação a fazer é que a lã de vidro do Estádio da Luz não cedeu, o jogo não foi adiado umas horas e assim Ristovski não pôde jogar. Quem também não cedeu foi o Conselho de Disciplina, que andou a enrolar o recurso do Sporting e quando acabou o novelo (ou será novela?) já era tarde de mais. Com tanta lanzeira, a despenalização de 1 jogo teve o efeito prático da manutenção da penalização de (mais) 1 jogo para o macedónio. Confusos? Perguntem ao Dr. Meirim, que deu ao tema um tratamento de lana-caprina. O futebol português no seu melhor...

 

De amarelo (sorriso) comecei o jogo. O Ilori também, ainda a procissão ia no adro. Uma questão de intensidade sobre o Félix, aparentemente. Do sopro...

O Rui Pedro Rocha também começou mal, mostrando desconhecer as regras do lançamento lateral: - "Pisou a linha" - , disse ele. E eu concordo que pisou! O Rocha, obviamente. Adiante...

Ao quarto-de-hora, tudo falhou: Gudelj a intercepção, Borja a falta, Gaspar a marcação, Jovane a compensação, Renan a defesa. O Benfica adiantava-se no marcador após uma impressionante cavalgada de Sálvio que desequilibrou a defesa leonina, com a bola depois a variar de flanco até chegar a Gabriel, jogador com nome de anjo mas pouca vontade de redimir pecados alheios. 

 

O golo madrugador deixou os leões expostos aos seus demónios e a equipa tardou em recompor-se. Demorou outro quarto-de-hora até que Bruno Fernandes desse um primeiro sinal de vida, após assistência de Jovane. A bola acabou nas mãos de Svilar. Até ao final da primeira parte, de registar a saída de Jardel. Bruno Lage estava como o aço e não quis inventar como central um Petrovic lá do sítio: entrou o Ferro. 

 

Na segunda parte, "Muttley" Acuña, o melhor leão esta noite, continuou a ser o único a conseguir segurar, cruzar e passar a bola com qualidade. Num desses lances isolou Wendel. O brasileiro deixou-nos a todos com os olhos em bico, quando de bico chutou ao lado. No futebol há aquela velha máxima de que quem não mata, morre, e tal voltou a verificar-se: cruzamento para a área, Ilori - displicente como há seis anos atrás - vê a bola ali ao pé de si e deixa-a seguir, Borja permite que Félix o ultrapasse e o resto soube-se logo que traria água no bico (anos e anos de uma história de desventuras dão-nos estas epifanias). Logo a seguir, o Phellype preparou a bola para o Wendel, mas o remate voltou a sair ao lado. 

 

Com os deuses da fortuna contra nós, entrou o Diaby (saiu o Jovane). Entretanto, Bruno Fernandes foi contra o mundo até sacar uma falta em zona central. Na conversão do livre, o nosso maestro deixou o guardião benfiquista com vontade de consultar um bruxo em (S)vilar das Perdizes. É que o Diaby andava ali ao lado, e numa jogada pela direita quase ganhou um castigo máximo. De seguida, o Dost chocou com o Svilar fora da pequena área, mas o árbitro marcou falta. Infelizmente, o Bino da SportTV - aquele nosso ex-jogador e comentador do último BragaXSporting a contar para a Taça da Liga -  desta vez não estava lá para dizer "se fosse em Inglaterra". Quem lá estava era o Rui Pedro Rocha que não parou de intimar o comentador Ricardo até que este dissesse que era falta. Pudera, com o lance do Luisão atravessado na garganta...

 

E assim terminou um jogo em que no final todos pareceram estar satisfeitos: o Benfica porque voltou a ganhar, o Sporting porque evitou uma humilhação semelhante à registada em Alvalade e ficou com a eliminatória em aberto. Tudo está bem, quando acaba bem...

 

Tenor "Tudo ao molho...": Marcos Acuña (se é para brincar aos campeonatos vendam-no). Bruno Fernandes sacrificou-se como "8" e ainda teve tempo para marcar um grande golo numa das poucas oportunidades que teve de aplicar o seu remate. Uma nota para a capacidade de luta de Luíz Phellype, que muito se desgastou sem bola. 

 

P.S. Ponham a jogar urgentemente o Idrissa e dêem minutos ao Matheus Nunes (na minha humilde opinião, as melhores contratações de Inverno). Ou então, chamem o Tiririca: pior do que está não fica! 

benficasportingtaça.jpg

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Caro Miguel, o mérito não é do cervejeiro, mas sim...

  • Anónimo

    Boa noite Pedro:O intenso trabalho próprio desta a...

  • Pedro Azevedo

    Queira desculpar a troca de nomes. Sei perfeitamen...

  • Pedro Azevedo

    O cabaz de jogadores traz-me dois problemas: aumen...

  • Pedro Azevedo

    Sobre os Estatutos concordo consigo. Sobre a limit...