Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

03
Mar22

Tudo ao molho e fé em Deus

Haja fé no Amorinismo!


Pedro Azevedo

Há fenómenos que por contrariarem as leis naturais que regem o cotidiano não se enquadram à luz dos conhecimentos existentes. Foi o caso do título nacional conquistado pelo Sporting em 2021, 19 anos depois do último campeonato ganho e 68 anos após o derradeiro triunfo em ano ímpar na principal competição nacional. Carecendo de explicação científica, estes fenómenos tendem a enquadrar-se no sobrenatural. Aparece assim a expressão milagre, geralmente associada pelos teístas a Deus. Acreditando que Deus teria ligeiramente mais do que se preocupar do que com o mundo do ludopédio, tal como no caso dos antigos gregos ou romanos a essa omnipotência divina ter-se-ia de atribuir um deus dessa religião pagã que atrai tantas fiéis em comunhão que se convencionou designar por Futebol. E assim aconteceu, sendo que para os Sportinguistas essa divindade ganhou o nome de Rúben Amorim, que se consagrou após ter vencido os fariseus das sinagogas da bola e interrompido a actividade dos vendilhões do templo na contratação de jogadores. Nasceu assim o Amorinismo. Expandindo-se por todo o mundo Sportinguista (e não só), o Amorinismo foi conquistando um sem número de fiéis, atraindo inclusivé os agora descrentes do profeta (Jorge) Jesus caído em desgraça e algumas testemunhas de Janelá, aquele que inspirava as "escrituras" (e o comportamento padrão em programas televisivos).

 

Não é que esta época a fé no Amorinismo esteja em crise, mas já há quem diga que o deus Amorim é afinal um homem como nós. Eu não creio que o seja. Todavia, é preciso não esconder que começou a caça a alguns dos seus profetas, nomeadamente ao Pedro (Gonçalves) e ao Matheus (Nunes). E se o primeiro desta vez passou incólume devido a ausência, o segundo voltou a ser contestado pela turba revoltada que inconscientemente alinha nesta carneirada orquestrada pelos Pep Rápidos da má língua do costume que não perdoam não terem sido capazes de o valorizar atempadamente. Quer dizer, o homem passou a primeira parte a evangelizar, estando no cerne das 3 melhores acções leoninas nesse período (em duas delas chegando lá após sprints de 50 metros), combinou com Porro e condicionou a acção dos portistas no nosso maior momento de celebração e comunhão, e é agora contestado desta forma apenas porque em inferioridade numérica clara nem sempre conseguiu passar a sua mensagem? Valha-nos Deus, ou valha-nos o deus Amorim! A mim, sinceramente, o que me preocupa são os 3 que vão à frente, que não deram uma para a caixa. Quer dizer, na verdade o Sarabia até deu uma, uma só(!), para a caixa, mas os outros foram uma completa nulidade. O mesmo se aplicando ao Edwards. E nenhum conjunto se aguenta homogéneo e articulado quando há quem não dê continuidade às suas acções e assim exponha o grupo à contestação. 

 

Há ainda que considerar os erros. Houve muito poucos erros na época passada. Mas esta temporada as distrações e acções irreflectidas têm sido mais do que muitas. Como aconteceu com o Esgaio nos Açores, o Nuno Santos na Madeira ou o Porro ontem à noite, por exemplo. É que ir importunar um tipo com nome de pregador evangélico (Evanilson) justamente quando este se afastava do centro da oração não lembra ao diabo, mas o Porro fê-lo. E levou troco, claro. Com direito a apito e tudo. O desacreditar e falta de confiança na palavra de deus Amorim que se lhe seguiu é que não foi bonito. Na incerteza de atacar com uma linha de quatro ou de três atrás, a mensagem não passou e o dia acabou sem glória. Ora, é dos livros que não pode haver Amorinismo sem glorificação do deus que o inspirou. Têm a palavra os seus profetas.

 

P.S. Uma vergonha o sucessivo lançamento de tochas para o relvado por parte de uma claque do Sporting, lesando o clube financeiramente, em termos de imagem e mesmo desportivamente por assim ajudar a quebrar ainda mais o ritmo do jogo. 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Sarabia marcou 1 golo mas não fez mais nada de relevante. Matheus, melhor do Sporting na primeira parte, e Porro, igualmebnte bem nesse período, caíram muito no segundo tempo. Neto salvou um golo certo mas não ajudou à saída de bola. Assim sendo, ninguém se mostrou à altura da menção. 

sportingporto15.jpg

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Apesar de nunca ter sentido o Adán confortável a j...

  • LEONINO

    Adan regressou prematuramente , um mês antes , dum...

  • Pedro Azevedo

    Caro Manuel Joaquim, seja bem-vindo!Se comunicamos...

  • Manuel Joaquim

    Compreendo o raciocínio mas discordo. Acho que nos...

  • Pedro Azevedo

    Tenho do Adán a imagem de um bom e íntegro profiss...