Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

20
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

Coates alargou o outrora Estreito


Pedro Azevedo

O Bósforo é um estreito que divide os continentes europeu e asiático. Segundo reza a mitologia grega, o seu nome significa "passagem da vaca", em alusão a Io, sacerdotisa de Hera, que o atravessou a nado depois de Zeus, que por si se enamorou, a ter transformado numa novilha a fim de esconder a sua forma humana de Hera. Talvez o primeiro golo do Sporting possa ser atribuído à "vaca", dado ter contrariado a forte corrente até aí dominante, mas creio que nesta coisa de mitologias para a história prevalecerá a Sportinguista, que sempre associará esta passagem pelo Bósforo ao capitão Coates, o deus cujos super-poderes alargaram o Estreito e permitiram à comitiva leonina concluir com sucesso a sua expedição por terras turcas. (Doravante, chamar Estreito de Coates ao Bósforo seria uma bonita homenagem Sportinguista a este seu feito heróico, se estreito não constituísse uma contradição nos termos face ao a todos os títulos gigante uruguaio.)

 

Sendo certo que na alvorada do jogo o Paulinho até poderia ter adiantado o Sporting no marcador, a verdade é que os leões passaram um mau bocado nos primeiros 15 minutos. Durante algum tempo foi otomanos contra "oito manos", dado que os dois Matheus e Palhinha estiveram nesse período completamente fora do jogo. Depois, o golo de Coates acalmou um pouco a equipa, e mesmo o tento irregular dos turcos não a disturbou o suficiente porque El Patrón logo se encarregou de bisar como se de uma fotocópia se tratasse. E seria uma vez mais o uruguaio a cavar diferenças quando, novamente de bola parada, assinou uma sentença de morte para o keeper turco, pena temporariamente comutada pela mão de quem quis dar Vida aos otomanos. Desta vez sem remelas nos olhos, o tribunal videoarbitral presente em Istambul decidiu pelo castigo máximo. Em sequência, Sarabia executou a decisão de forma competente. Até ao intervalo haveria um novo susto, mas o fio da vida com que o deus Coates exemplarmente conduziu durante todo o jogo a linha de fora de jogo fez com que a brilhante execução do brasileiro Alex Teixeira de nada valesse ao Besiktas. Íamos assim para o intervalo com a sorte do jogo, que é como quem diz com a importância de ter Coates. 

 

O segundo tempo foi completamente diferente. Não fora as dificuldades de comunicação entre os 3 homens da frente e as más decisões no momento da finalização dir-se-ia até que o marcador final poderia ter assumido proporções bíblicas para uns turcos certamente nada interessados em ficar ligados a algo de cariz religioso que não tivesse a ver com o Corão. O nosso domínio assentou então na entrada em jogo de Palhinha e de Matheus Nunes, que acertaram as marcações e conseguiram finalmente minorar os efeitos da inferioridade numérica no meio campo, uma realidade já anteriormente vista nesta Champions e que ontem só não produziu resultados mais nocivos por o adversário ter a dinâmica mas não ter a qualidade de um Ajax. E quando o treinador turco tirou o médio Alex Teixeira e substituiu-o por mais um avançado (Karaman), então o mar negro ficou definitivamente para trás e os leões puderam enfim chegar a bom porto. Ainda houve tempo para o Paulinho fazer uma gracinha, ele que ameaça especializar-se em marcar os golos mais difíceis e em falhar os mais fáceis. Sobre esse tema, estou convencido que o que está errado na avaliação deste jogador é vê-lo como um goleador. Quem assim pensa vai cumprir várias etapas de frustração, lance após lance vendo o transporte da bola até Paulinho condenado a um provável trabalho de Sísifo. Porém, se olharmos para o que labora dentro do campo e a forma inteligente como liga o jogo da equipa, então o nosso sentimento de afeição crescerá bastante em relação a ele. Pensem nisso! (Alternativamente, podem pedir ao Vosso médico de família para Vos receitar o Prozac, que a discussão entre prosaicos e "prozaques" não ficará por aqui.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Coates (who else?). Adán esteve excelente na mancha e Palhinha enorme na recuperação de bola no segundo tempo. Porro mostrou a garra de leão do costume. 

coates turquia.jpg

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Não joga o Palhinha, jogará outro. Por alguma razã...

  • Pedro Azevedo

    Num exercício meramente especulativo, imagino que ...

  • Pedro Azevedo

    Penso que jogará o Ugarte, que é tanto 6 como 8. O...

  • Verde Protector

    Estou bastante preocupado com esta ausência do Pal...

  • Pedro Manso

    Caro Pedro,Depois das declarações do ... president...