Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

01
Ago21

Tudo ao molho e fé em Deus

O leão voltou a rugir


Pedro Azevedo

O Carvalhal já não pode ver o Sporting pela frente. Vai daí, é natural que comece a procurar outras opções que não o Braga para a sua carreira. Ontem, por exemplo, estreou uma indumentária que o candidata a próximo treinador português da selecção de futebol da Venezuela, a célebre Vinotinto. Estou aliás convencido de que nesta altura da sua carreira até pode ser palhete, o Carlos já só quer é que o tirem dali e lhe acabem com o sofrimento. (Cada vez que defronta o Amorim é como se o Comissário Dreyfus avistasse o Inspector Clouseau.)

 

Na verdade, o homem pouco mais pode fazer na Pedreira: estuda bem o adversário, condiciona-o uma boa parte do tempo, joga com critério, mas no final o resultado é sempre o mesmo. É coisa para deixar qualquer um sem norte... Em Aveiro, durante 20/25 minutos o Braga não deixou o Sporting sair do seu meio-campo. O segredo esteve na pressão que Al Musrati e Fransergio exerceram sobre Palhinha e Matheus Nunes, não os deixando receber a bola e virarem-se para o jogo. Só que o Sporting tem outros recursos e um passe de meia distância de Nuno Mendes a corresponder à desmarcação de Jovane acabou por matar os braguistas e a estratégia do seu treinador. Como se não bastasse, pouco depois o Pote marcou um golo do outro mundo. Um golo que poderia ter sido marcado à Bélgica, se o Engenheiro não o tivesse condenado a umas férias ainda assim bem remuneradas no centro da Europa. É o que dá ter uma lâmpada mágica ali bem ao pé, no banco, e nunca passar-lhe a mão para deixar sair o génio...

 

O segundo tempo teria sido um deleite para a nossa vista caso não existisse no futebol o objectivo de meter a bola dentro de uma baliza. Tivemos por isso nota artística, mas faltou a nota técnica de remate para uma exibição muito conseguida. O Pote, o Nuno Mendes e o Matheus Nunes estiveram muito bem e durante 35 minutos o Braga nem cheirou a bola. Só nos últimos 10 minutos é que os braguistas puseram a cabeça de fora, mais por consequência da troca do trio da frente Sportinguista do que por outra coisa. Substituindo quem segurava a bola por jogadores com características de exploração do espaço para transição, Rúben Amorim deixou de ter bola no meio campo do Braga e expôs-se de alguma forma a uma última investida dos minhotos. Mas o nosso meio-campo, mesmo amarelado, e a nossa defesa estiveram impecáveis, e tudo não passaria de umas tímidas tentativas de criação de perigo através da bolas paradas sacadas por competentes mergulhadores braguistas. Uma nota para o labor e inteligência do duo central do nosso meio-campo, muito cedo condicionado com admoestação por João Pinheiro, o mesmo árbitro que olimpicamente ignorou uma biqueirada por trás de Paulo Oliveira nos gémeos de um atacante Sportinguista que se procurava isolar. Mas esqueçamos o Pinheiro e olhemos, sim, para a floresta: este Sporting deixa água na boca. Ontem, duas ou três combinações colectivas de altíssimo nível fizeram-nos sonhar. Assim haja eficácia! 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Pote 

supertaça 2022.jpg

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes