Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

12
Mai21

Tudo ao molho e fé em Deus

Ser grande e estar campeão


Pedro Azevedo

Por vezes a vida não nos faz justiça, aquilo que estamos não se enquadra com o que somos. Porém, é exactamente nesses momentos que vemos quem está ao nosso lado, não nos deixa cair ou nos ajuda a levantar, nos ama incondicionalmente. Então, descobrimos e redescobrimos forças onde outros julgavam ver fraquezas, mostramos a nossa raça, ultrapassamos os obstáculos, superamo-nos. Esta foi a história do Sporting (e dos Sportinguistas) dos últimos 19 anos, uma lenda de resistência, de resiliência de uma tribo leonina que de tanto amar o clube por vezes quase o sufocou, mas nunca o abandonou.

 

Martin Luther King disse um dia que a verdadeira medida do Homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto, mas sim em como se mantém em tempos desafiantes. Se isto é válido para o Homem, também o é para as instituições. E o Sporting, ao longos destes anos, soube no essencial manter a sua matriz de integridade e mostrar uma cultura desportiva assente em valores de respeito pelas competições e concorrentes, tudo alicerçado no esforço, dedicação e devoção que constituem o seu lema. Atingindo agora a tão ansiada glória, o que finalmente lhe fez justiça. Voltando a mostrar, a quem é de modas e não respeita o passado - o que também é uma forma de não se respeitar a si próprio, ou não ter identidade - , que é um grande clube. 

 

Em "Alice's Adventures in Wonderland" há uma frase que me ficou na cabeça em gaiato: "a única forma de chegar ao impossível é acreditar que é possível". Foi isso que Rúben Amorim trouxe para o Sporting, pegando no slogan "impossible is nothing" da Adidas e fraccionando a gigantesca tarefa que tinha pela frente em pequenos segmentos, jogo a jogo. Emocionalmente muitíssimo inteligente, Amorim percebeu que a melhor maneira de lidar com um problema grande é dividi-lo por partes, partindo um pedregulho em um conjunto de pedras de menor dimensão que pudessem ser trabalhadas. Tal só foi porém possível pela sua correcta perspectiva das coisas: se eu tiver um pedregulho à minha frente, provavelmente não conseguirei ver mais nada. Todavia, se recuar dez passos, já irei ver qualquer coisa à volta. E se me afastar mais, então esse pedregulho será apenas uma pedrinha e eu obterei uma visão perfeita sobre tudo o que está em seu redor. Foi aliás essa visão que permitiu abrir as portas a Alcochete na equipa principal do Sporting, vendo soluções onde treinadores mais reconhecidos outrora viram mais problemas e transformando ameaças em oportunidades. 

 

Tal como um golo de bico de Jovane havia sido decisivo na conquista da Taça da Liga, a canela da perna direita de Paulinho põs um ponto final na discussão do título de campeão nacional: dois momentos paradigmáticos de um Sporting de processos práticos e mais focado nos conteúdos que levava para o campo do que na forma. Privilegiando muitas vezes o ataque rápido e a transição, reagrupando-se sempre celeramente aquando da perda de bola. Uma equipa solidária, mais de transpiração do que de inspiração, mas muitíssimo difícil de bater devido à extrema solidariedade entre todos os seus jogadores e ao sistema táctico engendrado e trabalhado por Amorim. Mais do que jogar bonito, o Sporting procurou jogar bem, estar equilibrado no campo, não se desunir. A verdade é que, consciente ou inconscientemente, tal alegoricamente acabou por passar para os adeptos. Também estes se foram unindo por detrás das vitórias, reduzindo-se assim quase a pó o maniqueísmo que ameaçava o clube, como se um compromisso à volta da possibilidade de conquista de algo grandioso se tivesse sobreposto às diferenças. Assim sempre deveria ser. 

 

Sobre o jogo pouco haverá a dizer: domínio total do Sporting com sucessivas oportunidades de golo desperdiçadas. Nesse particular destacar-se-ia Paulinho, que tanto tentou de pé esquerdo, direito e com a cabeça e acabou por encontrar na canela o condimento ideal para deixar a sua marca na partida. Os nossos corações reagiram em consonância, a cada novo falhanço acelerando até ao limite dos limites, o chamado ataque rápido. Em resumo, as coisas poderiam ter sido mais fáceis, mas não saberiam igual. Nem pareceria bem, no jogo do título, estar agora a facilitar a vida aos adeptos e poupá-los às taquicardias que marcaram a nossa epopeia. 

 

A festa foi bonita e correu mundo mesmo em tempo de pandemia. Agora é preciso evitar que este título venha a ser um caso isolado. Existe uma base, é preciso mantê-la no sentido de se criar uma nova era. É que o Sporting está de volta, mas queremos que tenha vindo definitivamente para ficar. Para nunca mais estar diferente daquilo que é: enorme.

 

P.S. Parabéns a Rúben Amorim, jogadores e, naturalmente, a Frederico Varandas e Hugo Viana. Varandas fez uma jogada muito arriscada, mas ganhou. Merece por isso crédito. E finalmente estamos a ver a Formação integrada no plantel principal, o que é uma forma de também ganhar o nosso futuro, a nossa sustentabilidade, sendo esse provavelmente o triunfo maior. 

 

"Tudo ao molho...": Nuno Santos

campeões.jpg

22 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Os meus agradecimentos pela nota que nos deixa. E ...

  • Pedro Azevedo

    Sporar, TT e Pote, em casa; Coates, em Barcelos. S...

  • HY

    Vou confessar uma coisa: foram tantos os jogos em ...

  • Pedro Azevedo

    Caro HY, de facto o jogo da Choupana mostrou um Sp...

  • HY

    Concordo com a análise dos momentos escolhidos. Pa...