Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

14
Dez20

Tudo ao molho e fé em Deus

O Sporting-Benfica dos 7-1 (faz hoje 34 anos)


Pedro Azevedo

João Rocha abandonara a presidência do Sporting e havia sido substituído por Amado de Freitas. Apanhando o clube numa fase instável, Manuel José avançara para o estágio de pré-época com apenas 13 jogadores. Obviamente, o campeonato não começa bem. A 14 de Dezembro, dia da recepção ao Benfica (14ª jornada), o Sporting está já atrasado na corrida pelo título após as três derrotas e os dois empates registados em jogos anteriores.

 

Nos dias anteriores ao derby, os jornais multiplicam-se em previsões todas elas desfavoráveis ao clube de Alvalade. Incautos, não terão percebido a tempo que todos os aparentes contratempos se circunscreviam a uma elaborada estratégia de dissimulação leonina com vista a estabelecer o recorde da maior vitória de sempre em confrontos entre os dois rivais. Nesse sentido, a primeira parte ainda foi a esconder o jogo. O Meade falhou propositadamente dois golos cantados. Tudo para não dar nas vistas. Azarado, o Mário Jorge chutou contra o chão com o seu pior pé, mas a bola caprichosamente fez um ricochete que ultrapassou o corpo do Silvino e entrou dentro da baliza encarnada. O Sporting apanhava-se na frente, mas havia ainda muito tempo de jogo pela frente. Demasiado, dir-se-ia. Não fosse a malapata do açoriano e os lampiões nem teriam tempo ao intervalo de antecipar o que viria a seguir. Preocupados, os leões regressaram ao balneário. Só que, no reatamento, o Manuel Fernandes apareceu ao primeiro poste e desviou com sucesso de cabeça um canto marcado pelo Zinho. Por essa altura provavelmente a mostarda já teria chegado ao nariz de Mortimore, o que conhecendo a chaveta do treinador britânico é coisa para ter deixado instantaneamente multi-milionárias a Heinz, a Maille e a cidade de Dijon todas de uma vez só. Vai daí, tira o Shéu e lança o Nunes, um tipo proveniente do sado com um penteado aerodinâmico assim meio alado como algumas coroas de louros romanas que recriavam uma biga. E, como por arte de magia, logo reduz pelo Wando. "I wonder" o que se terá passado na cabeça de Mortimore nesse momento, mas o mais certo é que tenha pensado que ia dar a volta à coisa. Durante cerca de 5 ou 6 minutos o estádio inteiro matutou o mesmo. Até que o Mário Jorge marcou um canto, o pequeno Litos desviou ao primeiro poste e o Meade apareceu ao segundo a dar uma raquetada de cima para baixo ("smash") na direcção da baliza deserta. Uma coisa particular entre os ingleses envolvidos no confronto (Meade e Mortimore), ou não tivessem os súbditos de Sua Majestade inventado o ténis. Seja como for, com esse golo o Sporting tinha match-point. A partir daí não sei explicar muito bem o que se passou. Recorro por isso a José Régio e ao seu Cântico Negro quando diz que foi um vendaval que se soltou, uma onda que se alevantou, um átomo a mais que se animou. Em consonância, o Litos marca um livre, três jogadores do Sporting falham sucessivamente o desvio, o Silvino sacode como pode e o Mário Jorge, agora com o pé esquerdo que isto é tempo de mostrar o jogo todo, pumba lá para dentro. O Benfica estava à nora e mais água meteu quando o Litos faz uma jogada à Platini culminada com um centro de régua e esquadro à maneira do Manuel Fernandes em salto de peixe marcar o quinto. Já que era para o naufrágio, o Mortimore tira o diamante(*) e mete o César Brito, um rapaz que começou no Barco e assim estava bom de ver que era o mais adequado para o naufrágio colectivo ficar completo. No meio de tanta água, eis então que se gera um maremoto quando o Oceano investe contra o mundo benfiquista, a todos derrubando até deixar o Manuel Fernandes de novo na cara do golo. Era o sexto. O Oceano estava imparável e agora era o Meade que tinha tudo para facturar. Mas a bola bateu-lhe num dos tijolos que tinha nos pés, consequência inata do seu ser e próxima dos despojos do tsunami, saltou metro e meio e dificultou-lhe o remate. O pobre do Silvino, que por essa altura só se benzia no desejo de não estar perante o Armagedão, ainda defendeu. Mas o Manuel Fernandes lá voltou a aparecer, desta vez para encerrar a conta. 

 

Bem sei que hoje é que se perfazem 34 anos desta inesquecível efeméride. Mas lembrei-me muito deste jogo este fim de semana quando um amigo benfiquista se veio gabar a mim de a sua equipa de voleibol ter ganho por três set(e)s a zero ao meu Sporting. Sorri e apenas lhe disse que realmente eles eram especialistas em set(e)s. E relembrei-lhe os sete-a-zero de Vigo e os sete-a-um que hoje com gosto aqui recordo convosco.

 

(*) Diamantino, bom jogador, de visão abrangente, por essa altura uma espécie de Medeiros Ferrreira do mundo da bola.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Manuel Fernandes (um póquer)

manuel fernandes.jpeg

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes