Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

17
Out22

Tudo ao molho e fé em Deus

A (des)culpa


Pedro Azevedo

Este fim de semana foi por mim vivido por entre paradoxos vários: ainda mal-refeito de assistir a uma abençoadíssima cerimónia de casamento católico realizada em Meca (freguesia) que se prolongou pelo Sábado adentro, acabei o Domingo a ver o nosso ponta de lança a dar razão a quem defende ser mais um armador de jogo e a assistir para golo... do adversário. No entretanto, li que o responsável pela venda do Matheus Nunes considera que não há sucesso financeiro sem sucesso desportivo, o que me deixou muito mais aliviado. E ouvi o Rúben Amorim dizer que lá para o fim do ano vamos voltar a cantar as janeiras, pré-anunciando a boa-nova da retoma da aposta na Formação (aquela que ao ler o jornal do regime eu julgava já estar a acontecer, com tantos novos "colchoneros" a aparecerem devido aos belos relvados e outra propaganda assim).

 

A minha presença na igreja não deixou de ser aproveitada para reflectir sobre a culpa, essa reminiscência da educação judaico-cristã (e da ética, para quem a pratique mais do que a apregoe) com que crescemos. Por isso, não deixei de achar curioso que na conclusão do fim-de-semana o Rúben Amorim tenha dito que a culpa não vai morrer solteira. Ora, sabendo eu que o Rúben está casado com o Sporting, vi isto como estranho, logo questionando-me sobre o regime de convenção nupcial: terá sido este de comunhão total de bens, de comunhão de adquiridos ou de separação total? É que me parece que no tal jornal do regime anda para aí uma campanha que é capaz de estar a desgastar e desenfocar um bocadinho o treinador, ao ponto de a coisa poder acabar em divórcio. 

 

Por entre o mal-estar causado após o duelo com um clube do terceiro escalão realizado em campo neutro, sobrou uma boa notícia: é que o Paulinho vai ser poupado nos jogos da Taça de Portugal até ao final da época. Entretanto, o presidente falou. E veio dar razão aos que teriam preferido que não tivesse falado. É que sempre que Frederico Varandas fala, algo acontece que imediatamente desactualiza aquilo que deixou expresso, como o facto de não ter dúvidas de irmos lutar até ao fim pela vitória em todas as competições, nós que acabámos de ser eliminados ao "primeiro round" da prova-rainha do futebol português. Por isso, Varandas fala pouco, para não ter de falar ao quadrado ou ao cubo - afinal, o Sporting é uma potência, não é verdade? - para rectificar as afirmações anteriores, o que só demonstra a sua clarividência e a da equipa que o assessoria (as pessoas podem não querer entender, mas é mesmo assim...). 

 

Dizem que o karma é tramado e lembrei-me dessa expressão aquando do golo e especialmente depois do Jovane ter entrado em campo. Principalmente aquando da marcação de um livre directo a nosso favor, nos últimos instantes da partida. Aí o Rúben Amorim levantou-se e disse, alto e a bom som: "Marca o Jovane, o Jovane...". Com a câmara a apanhá-lo nesse flagrante, foi como se a tão proclamada ansiedade do nosso patinho feio se tivesse transferido para a face do nosso treinador e este, ironia do destino, estivesse a apostar todas as fichas no nosso cabo-verdiano, uma espécie de redenção amorinesca em forma de justiça poética. Mas o Jovane não marcou, que esta coisa de arma secreta não resulta tão bem quando já não é secreta, a pólvora está ocasionalmente seca ou o tempo escasseia, e se calhar o melhor é lançá-lo mesmo de início para ver se se põe fim a este tricô-traque que implode mais do que explode com os adversários. 

 

Segundo o que ouvi no final, agora é levantar a cabeça. Espero que o Trincão também tenha ouvido... (Não sei bem porquê, mas desconfio que talvez de cabeça levantada possa observar melhor onde andam os companheiros no campo.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Nuno Santos

varzim.jpg

19
Nov21

Tudo ao molho e fé em Deus

Pote 2 na Taça


Pedro Azevedo

O Sporting sentiu muitas dificuldades em contrariar a excelente exibição dos fungos (e, bate na madeira, térmitas) ontem em Alvalade, ao ponto de Jovane ter mesmo literalmente visto o chão a fugir-lhe debaixo dos pés. Dada esta condicionante, e não desvalorizando o Rúben Amorim como extraordinário treinador que é, para vencer em nossa casa talvez fosse mais aconselhável ter no banco a Nancy Botwin (Mary-Louise Parker) do Weeds, uma renomada especialista em erva. Fica a ideia, até porque sempre se poderia aproveitar a coisa para fins medicinais que não envolvessem propriamente entorses e cirurgias aos ligamentos dos joelhos...

 

Para além dos fungos, as fobias também dominaram o jogo. Por exemplo, a fobia de Paulinho em acudir ao primeiro poste, preferindo esconder-se ao segundo na esperança de que um "alien" amigo subitamente fizesse desaparecer toda a equipa da Póvoa da face da Terra e a bola sobrasse para ele. Só que o alienígena tem andado ocupado no outro lado da Segunda Circular a fazer desaparecer membros dos orgãos sociais do Vieira e faltou à chamada, e o Paulinho voltou a ficar a zeros. Aliás, nem se viu, o que me leva a intuir que, como muitos dizem, defendeu muito bem... o relvado. 


Mas nem só de fungos e de fobias foi feito o jogo, houve também tempo para destruir alguns mitos. O de Bragança como médio defensivo, ou o de Esgaio como potencial central pela direita, neste sistema de Amorim, por exemplo. Não admira assim que Palhinha e Inácio tenham sido ausentes omnipresentes, assim como o grande capitão Coates e o fio de prumo com que orienta a linha de fora de jogo. Também o Nuno Santos agitou muito durante todo o jogo, mas para não variar a classe do Sarabia é que fez a diferença em pouco tempo. 

No fim, valeu o Pedro Gonçalves, o que não é propriamente uma novidade, que marcou dois golos em apenas trinta e dois minutos. Pondo-nos assim no sorteio dos oitavos-de-final. Ainda que lá chegando no Pote 2 (o Pote 1 não foi suficiente). 

Tenor "Tudo ao molho...": Pote 

jovanelesao2.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Aboím

    O nome que me faltava era Duarte e o pai dele tinh...

  • Aboím

    Sou de facto do Norte (nascido em Trás os Montes) ...

  • Pedro Azevedo

    E eu a pensar que os holandeses sonhavam com tulip...

  • Pedro Azevedo

    Caríssimo Aboím, ganhámos!!! Mas podíamos ter poup...

  • Aboím

    Num comentário anterior eu deveria ter escrito (co...