Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

08
Nov21

Tudo ao molho e fé em Deus

Existência vs essência


Pedro Azevedo

Os jogos do Sporting são férteis em confrontos ontológicos entre leões. De um lado temos os adeptos de Sartre, que afirmam a existência preceder a essência do indivíduo. De outro, emergem os defensores de Platão, convencidos do seu contrário. Tudo acaba por resvalar para o campo da metafísica: o que é afinal a realidade? Bom, eu posso conceber que o Paulinho exista sem que a sua essência goleadora esteja definida. Ou, simplesmente, posso determinar que, sendo um ponta de lança, sem uma essência goleadora ele não exista. Aqui estou mais com Sartre, ele existe e ponto, aliás 3 pontos. E assim o Sporting ganha. Quanto à essência do Paulinho... Bom, ela ainda está por definir e pode vir a ser mutante. O não ser goleador no presente não determina em Absolut (NA: a manutenção desta dúvida obriga a uma razoável predisposição etílica disfarçada sob a forma de um pretenso neologismo inteligente) que não venha a sê-lo no futuro, e o reconhecimento dessa competência específica variará consoante a sua produtividade. Recorra-se então à epistemologia e ao método da dialética hegeliana como forma de compreensão do mundo leonino, fragmentando-a em 3 momentos: tese, antítese e síntese. No nosso exemplo, consideremos como tese a contratação de Rúben Amorim. A antítese foi o terror subsequente - técnico sem suficientes provas dadas, muito oneroso para os nossos já debilitados cofres, etc... -  , contudo a síntese disto tudo consistiu em 3 troféus ganhos (campeonato nacional incluído) e numa aposta na Formação que dá garantias em termos de sustentabilidade do projecto desportivo, ou seja, de existência. Porque existindo podemos sempre alterar a nossa essência. Ou descobrir que, afinal, a nossa essência até é relevante para um todo.  Como a do Paulinho...

 

Das essências goleadoras de Coates e Pote é que ninguém duvida. E se o uruguaio desta vez não marcou (mas assistiu para o primeiro golo), o interior facturou como sempre, com um passe à baliza, premissa de um silogismo aristotélico inspirado nas fontes de  Vidago, em que cada vez que o cântaro lá vai é golo (ou gole), logo cada passe à baliza acaba no fundo das redes. Por conseguinte, golos que deviam também contar como assistências, como passes. O que nos leva ao seguinte debate filosófico: o Pote marca como assiste, ou assiste como marca? O que precede o quê? Por falar em preceder, Porto e Sporting precedem o Benfica na classificação geral, cumprido que está um terço do campeonato. Mesmo sabendo que a classificação final são contas de outro rosário (que aliás é composto por três terços), para já a nossa existência (em primeiro) sobrepõe-se à essência (de JJ). Por muito que a goleada ao Braga tenha eventualmente contribuído para uma relação platónica deste com os benfiquistas. Bom, mas agora vêm aí as selecções, um tempo para pôr de lado a filosofia e ir buscar o terço. Acreditando que Deus dita a nossa essência, claro. O Sartre que me desculpe, é a fé. E o Fernando Santos convoca-a. Ai se convoca...(À fé, não ao Pote.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Reis

paulinho7.jpg

16
Fev21

Tudo ao molho e fé em Deus

O Phi do Amorim


Pedro Azevedo

Caro Leitor, quando esta semana um amigo me telefonou para saber se eu tinha conhecimento de um "fee" relacionado com o Rúben Amorim confesso que a coisa me soou a falta de assunto. Ainda assim, como agora está na moda a clarificação, procurei com disciplina esclarecer a situação, concluindo tudo não ter passado de uma daquelas situações de "lost in translation", embora sem a Scarlett Johansson  para abrilhantar. É que aquilo a que o meu amigo se referia era afinal ao homófono Phi de Rúben Amorim. Na verdade, eu já andava a cismar com o assunto, mas hoje descobri que as iniciais RA escondem a Razão Áurea que o arquitecto Rúben Amorim trouxe para Alvalade. Vou passar a explicar: Razão Áurea, ou Divina Proporção, é uma constante real algébrica que se pode observar na natureza. Crê-se até que foi primeiro utilizada por Phídeas, um escultor da antiguidade grega de cuja obra apenas resta a 1ª reedificação (pós devastação pelos persas) do famoso Partenon, situado na Acrópole de Atenas, em homenagem de quem a constante (1,618) ganhou o nome de "Phi".  A sua aplicação é recorrente na pintura, arquitectura, música e até nos mercados financeiros. Também é visível no corpo humano, onde por exemplo a distância do ombro à ponta dos dedos da mão é 1,618 vezes superior à medida entre o cotovelo e a ponta dos dedos da mão, bem como a altura de um indíviduo é 1,618 vezes superior à distância entre o seu umbigo e a planta dos seus pés. (Este último não é válido para treinadores d'arrasar, cujo umbigo presume-se estar ao nível, ou mesmo acima, da sua cabeça.) 

 

Por esta altura legitimamente perguntarão os Leitores: mas aonde é que está a ligação com o Sporting? Eu passo a explicar: no início desta época os especialistas davam-nos hipóteses O de discutir o campeonato, o nosso jogo nº 1 foi adiado devido a um surto de Covid que dizimou o plantel e, apesar de tudo isto, já dentro da segunda volta estamos na posição 1. Adicionalmente, por puro desespero, há quem sonhe em penalizar-nos com 2 pontos que acrescerão a outros 3 pontos correspondentes a derrota no jogo com o Benfica (ganhámos no campo, mas isso no futebol português nunca é uma verdade absoluta) por alegada utilização irregular do jogador Palhinha, sendo que esses dois pontos podem ainda ir até 5, segundo os regulamentos. Entretanto, à entrada desta jornada, o Porto estava a 8 pontos de distância e à saída o Benfica está a 13. Em Janeiro reforçámo-nos com o "21" (Paulinho) e vamos jogo a jogo até à última jornada (34). Finalmente, o Sporting leva 55 golos marcados em todas as competições nacionais. Ora, seguindo a ordem dos números, o que é que temos? O, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34 e 55, uma sequência de Fibonacci!!! [Fibonacci criou uma sequência em que cada número é equivalente à soma dos dois números anteriores e simultaneamente 1,618 vezes (o Phi) superior ao número anterior (à medida que vai tendendo para "n").]

 

Se Leonardo Da Vinci usou estas proporções em O Homem Vitruviano, Rúben Amorim é o homem que tornou "virtus" Viana e o arquitecto da Divina Proporção que reconstruiu um futebol leonino onde até as medidas ideais do relvado (110x68m) obedecem ao Phi. Com ele, as vitórias são uma constante. O sofrimento por vezes também, embora com o tempo tenhamos vindo a perceber que o objectivo é testar o bom funcionamento do desfibrilador e no fim ganhamos sempre. Outras vezes, como hoje, é um descanso e ficamos a pensar por que raio sofremos tanto de ansiedade após os empates dos nossos rivais. É que o jogo a jogo que o Rúben recomenda é só válido para os nossos jogos, e a este Paços já havíamos despachado por dois-a-zero na Capital do Móvel e por três-a-zero para a Taça. Lá está, a constante. Como constante é o uso de adágios populares que ilustram a nossa campanha esta época, desde o "não há duas sem três" até ao "candeia que vai à frente alumia duas vezes", este último capaz de arrasar quem pensou abrir caminho com(o) os lampiões e agora tem de ver pirilampos a triplicar no Seixal. (Jesus bem  foi pregando que desta vez é que era, mas os cónegos não pareceram estar de acordo.)

 

Jogo a jogo, passo a Paços, lá vamos ganhando e distanciando-nos dos nossos rivais. Além de isso nos alegrar, também ajuda a clarificar situações. Uma coisa a que aliás o Benfica se tem mostrado muito sensível, querendo por exemplo clarificar o caso Palhinha. Sempre disponível para quaisquer esclarecimentos, o Palhinha ontem deu o pontapé de saída para essa clarificação. E de uma forma que eu diria que só por pura ingratidão o nosso rival não reconhecerá, tal o importante contributo do nosso médio para a manutenção do seu quarto lugar. E assim terminou um jogo tranquilo que não me provocou picos de tensão. A única contrariedade foi mesmo aquele zumbido persistente nos meus ouvidos que ainda perdurava esta manhã, tantas foram as vezes que o árbitro meteu o apito à boca durante o jogo. Um tipo de dano colateral nada negligenciável quando se tem um Narciso a arbitrar um jogo de futebol...

 

Tenor "Tudo ao molho...": João Palhinha

palhinha3.jpg

12
Dez20

Tudo ao molho e fé em Deus

Um móvel TT feito à medida do Paços de Ferreira


Pedro Azevedo

Muito se fala no futebolês em adaptação ao adversário e ontem a esmagadora maioria dos nossos adeptos deu o exemplo. Vai daí, se de um lado vem o clube da capital do móvel, do outro a gente recebe-os no sofá, assim homenageando o mobiliário e fazendo deste jogo aquele porventura com um maior sentido em tempo de pandemia. Diga-se de passagem que no relvado cada um dos intervenientes também se procurou adequar ao momento: o Paços trouxe Castanheira, a arbitragem fez-se representar por um Pinheiro e o Adán deu umas madeiradas na bola. Houve ainda uma centena de adeptos que louvavelmente foi dar um empurrãozinho até à entrada no estádio, o que não surpreendeu porque já se sabe que nas mudanças requeridas (edifício do futebol português) quando há móveis envolvidos dá sempre jeito uns Urbanos. 

 

Também não foi preciso VAR para se observar que o Sporting é de longe a equipa que melhor futebol pratica em Portugal. Bem sei, não sou o Jorge Jesus e por isso não estou dentro do que é a moda. Ainda assim, não preciso de nuances para constatar o óbvio: dá imenso gozo ver esta equipa jogar. Deste modo, podemos não jogar o triplo, mas ganhamos pelo triplo. É que o jogo de Famalicão ensinou-nos que para evitar azares nada como bater três vezes na madeira...

 

E por falar em madeira, ontem o primeiro golo pareceu Snooker às três tabelas: tacada de Coates para Nuno Santos, carambola deste para Tiago Tomás e bola na rede (caçapa). O segundo já foi mais artístico, com Bruno Tabata a fazer rodar a bola com efeito e caprichosamente a colocá-la no canto oposto. E o terceiro, em "free style", começou no taco de João Mário e teve de passar por um(a) Palhinha até ver a rede. 

 

Durante o resto do tempo, ao melhor estilo da Beatriz Costa em "ai chega, chega, chega, chega, chega ó minha agulha, afasta, afasta, afasta, afasta o meu dedal", o Sporting foi dando a ilusão aos pacenses de que poderiam lá chegar para assim melhor poder coser o avental à sua volta e no fim tudo acabar com a mesma (des)ventura para os pupilos de Pêpa. Impotentes para contrariar a superioridade leonina, estes ainda foram distribuindo alguma lenha com a ajuda de um Pinheiro ali à mão. Mas nada pôde obstaculizar a superioridade dos leões no marcador, naquela que foi a exibição mais uniformemente conseguida da equipa nesta época e que como tal mereceu que o seu treinador a ela assistisse de camarote com o beneplácito de Luis Godinho. Com a noite chuvosa que estava, é de esperar nas próximas horas um comunicado do Sporting a agradecer a gentileza.

 

 Tenor do "Tudo ao molho...": TT. Palhinha, uma espécie de abafador do jogo de berlindes, seria uma excelente alternativa. 

TT.jpg

28
Set20

Tudo ao molho e fé em Deus

Cartão amarelo


Pedro Azevedo

Não sei qual o espanto da generalidade dos comentadores, mas se durante todo o fim de semana só se ouviu falar em cartão amarelo a propósito da actualidade do Sporting teria sido muito difícil isso escapar aos ouvidos do Fábio Veríssimo, não é verdade? É que estas coisas sempre influenciam um bocadinho. Outra coisa: desde o Rui Costa, os árbitros vão todos àqueles cabeleireiros onde lhes fazem um penteado à voleibolista americano dos anos 80 e 90 e à saída começam logo a ouvir piadinhas fáceis do tipo de "sim, senhor, bonito serviço, merece um cartão amarelo!". De seguida vão até Paços, cidade conhecida por o clube da terra ser um submarino amarelo daqueles à portuguesa que já não submerge e anda sempre na linha de água. Como um árbitro gosta sempre de dar nas vistas, um amarelo aos pacenses quase nem se nota, não faz contraste. Vai daí, aponta para o lado, que no caso é verde e branco. Só assim se explica que quem comete 18 faltas escape com 2 amarelos e quem infringe a regra uma dúzia de vezes apanhe com meia-dúzia de admoestações de tom icterícia. É  a mesma razão que justifica o Benfica raramente vêr cartões vermelhos. A excepção só está ao alcance de árbitros daltónicos. E o daltonismo no futebol português não costuma augurar grandes vôos...

 

Por falar em amarelo, quem não se deixou levar em cantigas foi o Ruben Amorim. Sabendo que os eslovenos andam habitualmente de camisola amarela (Tour), não quis arriscar colocar de início o Sporar contra o Paços para não ficar em inferioridade numérica. Perspicaz, o nosso treinador! Assim, o Tiago Tomás foi titular. E não se deu mal. Se é verdade que a abrir falhou um golo cantado, de seguida engendrou uma sofisticada carambola bilharistica que aprendeu com o Theriaga numa daquelas acções de "team-building" leoninas e levou a bola por fim a embater na mão de um incauto pacense que cometeu a ingenuidade de pensar que se podia usar os braços mesmo fora do enquadramento da baliza. O Totói, do União de Tomar dos anos 70, neste futebol actual seria um craque...

 

Quem passa o tempo a esbracejar é o Neto. Já sem o avô (Mathieu) em campo, entretanto reformado, o único que o atura é o Coates. É que o homem, de cada vez que tem a bola nos pés, pensa em 1906 coisas ao mesmo tempo, tempo mais do que suficiente para um adepto em casa sobreaquecer as sinapses antes do nosso defensor acabar por despachar a bola à queima. E, quando não tem bola, geralmente fica a contemplar a sua trajectória, esperando que o pronto-socorro uruguaio faça o resto. Em todo o caso, não há lance por si protagonizado que não acabe em recriminação a alguém. Menos a ele próprio, claro. Dizem que é sintoma de liderança...

 

Anda por aí muito boa gente a embirrar com o Matheus Nunes. Coitado do rapaz, já provou nos sub-23 o que pode fazer com a bola nos pés. Acontece que não é isso que o Ruben lhe pede nos seniores. E ele lá vai fazendo o que lhe é pedido, o que não será o melhor para ele, mas será certamente o que fará mais sentido à equipa na ideia do Ruben Amorim. E, como este não o tira, admitamos que se calhar está a fazê-lo bem. Ontem pelo menos correu o campo todo. Ele e o Wendel. Ambos sem o brilhantismo de um Porro ou de um Nuno Mendes, há que dizê-lo, mas com grande utilidade para uma equipa onde na tracção atrás o Vietto não engrena a marcha. 

 

Mas o Homem do Jogo foi o Coates. Poemas homéricos deveriam ser elaborados sobre a exibição do uruguaio ontem na cidade do móvel. Em tempo de pandemia que recomenda o uso de máscara, o homem parece viver sob o efeito do Mask do Jim Carey, transfigurando-se, com elasticidade desdobrando-se à esquerda e à direita consoante as desatenções dos homens que lhe colocaram ao lado. Na ausência de um ponta de lança, investindo-se ele dessa qualidade. E é verde, obviamente. E grande capitão! Se há quem tenha beneficiado do sistema de 3 centrais para dar um salto de qualidade, esse jogador é Sebastián Coates, El Patrón! 

 

Como o futebol não é só luta e é também arte em movimento, deixem-me destacar para o fim o Daniel Bragança. Pobre do Eustáquio, que ainda deve estar a perceber "o que passou-se" quando o menino lhe passou a bola por cima da cabeça e foi buscá-la mais à frente. Passo a passo, ou paço(s) a paço(s), o miúdo vai mostrando o valor de quem habita a nobre residência leonina sita em Alcochete. E, no entretanto, evidenciando que a celebérrima teoria do "gap" da Formação foi um passo no caminho para o abismo que nos fez ingloriamente perder 1 ano (e muitos jogadores que poderiam estar aqui). 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Sebastián Coates. Vamos!

CoatesLUSA.jpg

28
Set20

Para a imortalidade


Pedro Azevedo

Se o épico combate travado por "El Patrón" Sebastián Coates em Paços de Ferreira deveria inspirar os poetas homéricos, o lençol protagonizado por Daniel Bragança sobre Eustáquio (o da Tessalónica foi grande estudioso de Homero) mereceria passar à imortalidade num tríptico em pintura a óleo e têmpera sobre madeira (o jogo foi na capital do móvel). 

CoatesLUSA.jpg

bragança.jpg

13
Jun20

Tudo ao molho e fé em Deus

“Jovanotti”, o rap(az) da Formação a dar música em Alvalade


Pedro Azevedo

Três meses depois, o Sporting voltou a apresentar-se em Alvalade. Ou àquilo que as televisões garantiram ser Alvalade, podendo perfeitamente ter sido um estúdio na Venda do Pinheiro, que isto dos Reality Shows que apresentam a banalidade do quotidiano só precisa de um cenário a condizer. Com o suposto regresso a casa, retornou também a ladainha da inexperiência e juventude dos jogadores como causa próxima de uma exibição menos conseguida, reminiscência daquelas conferências de imprensa de Silas em que ele encontrava sempre uma boa justificação para a derrota na utilização de jovens da Formação. O problema destas coisas é termos memória e a alternativa aos jovens da Academia remeter-nos sempre para aqueles "gloriosos" meses vividos anteriormente com as cantorias de Jesé, os tropeções na bola de Bolasie e a enfermaria de Fernando. Aquilo é que (não) era! Para quem já se esqueceu, nada como o momento revivalista que consistiu na troca do jovem Matheus Nunes pelo Eduardo Pés de Barro, esse personagem tão vítima da sua própria inocência que mais parece saído de um filme de Tim Burton (Batman, o argentino, hoje não actuou) com enredo baseado num sonho do rei Nabucodonosor da Babilónia (*). Foi elucidativo!

 

(Verdade seja dita que pelo menos Ruben Amorim tem o mérito de ser consistente nas suas apostas, não desistindo dos jovens à primeira contrariedade e dando-lhes estabilidade e confiança para desempenharem o seu papel da melhor forma.) 

 

O Departamento da Defesa do Sporting voltou a ter a sua sede no Pentágono, realidade que só por si já faz de Ruben Amorim um líder NATO (ou será 'nato'?) em tempo de Guerra Fria em Alvalade. Hoje a missão era passo a Paços destruir o submarino amarelo. O Pentágono, como já se sabe, é compreendido por três centrais e dois trincos que jogam tão perto uns dos outros que o objectivo será certamente entre eles existir um "Ground Zero". Para complicar um pouco mais a tarefa, Mathieu, o Ministro da Defesa e aquele que tem mais saída de bola, não jogou. Valeu então a maior desinibição de Matheus Nunes face ao jogo de Guimarães e o regresso após lesão de Wendel para que o Sporting conseguisse ter algum jogo interior de aproximação à área adversária. Ainda assim, a circulação fez-se essencialmente em zonas muito recuadas do terreno, entrecortada por chutões para a frente (ou atrasos para Max) quando a pressão pacense era mais eficaz e deixava a nu a falta de saída com bola de Coates e Borja. Apesar do controlo geral das operações, os leões na primeira parte só conseguiram criar perigo numa desmarcação subtil de Vietto para Sporar que o esloveno desperdiçou em frente da baliza. Com esta acção, a sua única digna de registo, Vietto deu por terminada a participação no jogo, pois pouco depois sofreu o que pareceu ser uma luxação num ombro. Entrou Plata, e o Geraldes lá ficou a fazer contas aos 10 minutos da ordem que lhe haveriam de caber quando o jogo estivesse em desordem e a bola só andasse pelo ar. No fundo, àquilo que os especialistas designam de uma oportunidade perdida...

 

Regressados do balneário, os leões voltaram a ter em Jovane um dinamitador do jogo. Logo a abrir, o cabo-verdiano entrou em aceleração pela esquerda, driblou dois pacenses sem passo para o acompanhar e serviu um desmarcado Sporar para um golo que teria sido fácil caso o esloveno não tivesse tentado antecipar a jogada dando um passo a mais. Não conseguindo assistir, Jovane procurou resolver por ele próprio: chamado a cobrar um livre directo à entrada da área, o avançado arrancou um míssil indefensável que bateu na quina da barra e ressaltou para dentro da baliza. Matheus Nunes ainda recargou para golo, mas, como a transmissão televisiva esclareceu, a bola já tinha entrado. O Sporting apanhou-se merecidamente na frente do marcador, mas nos últimos 20 minutos, com a substituição de Matheus por Eduardo, acabaria por perder o controlo das operações a meio-campo. Os pacenses começaram a explorar debilidades nossas, como a falta de velocidade de Coates, o deficiente posicionamento de Borja, ou as perdas constantes de bola de Camacho - Quaresma foi de longe o nosso defesa mais competente - , e tiveram uma óptima oportunidade nos pés de João Amaral. Max esteve à altura e defendeu, mas Rui Costa apitou penálti por alegada falta cometida pelo colombiano Borja. O VAR acabou por aconselhar a mudança de decisão e nos lares Sportinguistas por todo o mundo respirou-se de alívio. Até ao final do jogo, os leões não conseguiram segurar a bola, com Plata a ligar o complicómetro vezes de mais para o pobre coração de um adepto, pelo que o resultado esteve sempre incerto. Acuña, fora de forma, saiu e deu lugar a mais uma estreia a assinalar, a do jovem Nuno Mendes. Max, por duas vezes, voltou a evitar o pior na melhor fase do Paços de Ferreira. No entanto, o jogo não terminaria sem que mais uma magistral arrancada de Jovane criasse sensação de golo. Infelizmente, a bola estrelou na barra, tal a fervura aplicada no remate.

 

Enfim, ganhámos! E à falta de nota artística (por exemplo, Benfica e Porto têm sido de uma pobreza franciscana), três pontos e sete jovens da Formação lançados (não considero Camacho, que custou 5,6 milhões de euros e saiu da Academia com, creio, 13 anos) merecem uma boa nota técnica. Só espero é que a necessidade de "nota" para pagar tantas contratações cirúrgicas (ouro, prata, bronze, ferro e... barro, muito barro) não leve a que alguns saiam prematuramente, não concretizando o seu potencial desportivo connosco. Em especial o Jovane, o mal-amado de que tanto gosto.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Jovane Cabral (2º jogo consecutivo). Menções honrosas para Eduardo Quaresma, Max, Wendel e Matheus Nunes. Pela negativa destacaram-se Camacho, Borja, Plata e Eduardo. Os restantes estiveram num nível mediano.  

 

(*) O sonho de Nabuconodosor continha uma estátua de um homem imóvel (de ouro, prata, bronze, ferro e barro), que seria a interpretação da manutenção do seu império até ao final dos tempos. Mas, devido à fragilidade do barro, bastaria uma pedra para destruir o sonho do rei e 24 anos após a sua morte a Babilónia haveria de ser conquistada pelos persas de Ciro, o Grande. 

jovanefestejopacos.jpg

31
Out19

Tudo ao molho e fé em Deus - Shark Tanque


Pedro Azevedo

Um grupo de empreendedores leões liderado por Silas deslocou-se para um "pitch" na Capital do Móvel. O objectivo era promover as possibilidades do Sporting no jogo. Poucos tubarões estiveram presentes, nem sequer uns cações que a terra é sim de capões e estes não cantam de galo. Ainda assim houve Shark Tanque, embora este tenha tentado empatar o mais possível a apresentação leonina enquanto lhe descobria as vulnerabilidades. 

 

Nos primeiros 30 minutos os apresentadores mostraram-se muito confiantes. Não se estranhou portanto que rapidamente tenham atingido o seu primeiro objectivo: captar a atenção dos seus interlocutores. Consoante Felipe usava da palavra, Bruno preparava-lhe o terreno. A audiência não ficou indiferente. No entanto, com o passar do tempo começaram a escassear fôlego e ideias. A possibilidade de rejeição aumentou significativamente na segunda parte quando o tubarão Douglas sentenciou brutalmente o guardião e restantes defensores da nossa proposta.

 

A atmosfera ficou pesada, a tensão pairou sobre a arena. Tudo parecia perdido. Eis senão quando reparo num pequeno pormenor: todos os membros do júri usavam meias rosa, a cor nossa talismã (4 vitórias em outros tantos "pitches"). E assim, num último rasgo, aproveitando uma mãozinha de um elemento do painel, lá selámos o nosso grande objectivo com um aperto de mão.

 

Se bem que tenha funcionado desta vez, o conceito, o produto e, mais importante, o modelo de negócio não pareceram totalmente satisfatórios. Teme-se, portanto, que à medida que vão surgindo concorrentes mais apetrechados não consigamos ter sucesso. Mas isso teremos de ver num futuro mais longínquo, para já há que lidar com o curto-prazo. E este, passo a Paços, lá se vai construindo. Esta noite até aconteceram duas coisas curiosas com a nossa delegação: incorporou-se um colaborador macedónio que trouxe mais argumentos à discussão e um par de funcionários médios finalmente abriu a boca. Ainda não é muito, mas pelo menos já é um princípio de alguma coisa.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bruno Fernandes. De destacar também o mérito de Mathieu e Acuña, a reintegração de Ristovski e a melhoria da dupla Doumbia/Eduardo. Uma última nota: fiél à noite de bruxas, Silas não desperdiçou a oportunidade de assombrar os adeptos da causa do leão com as entradas em cena de Borja e Ilori. Só foi pena não irem de volta com a vassoura... Feliz Halloween para todos!   

BrunoFernandesPacos.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Não joga o Palhinha, jogará outro. Por alguma razã...

  • Pedro Azevedo

    Num exercício meramente especulativo, imagino que ...

  • Pedro Azevedo

    Penso que jogará o Ugarte, que é tanto 6 como 8. O...

  • Verde Protector

    Estou bastante preocupado com esta ausência do Pal...

  • Pedro Manso

    Caro Pedro,Depois das declarações do ... president...