Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

24
Mai21

Ironias do destino


Pedro Azevedo

Benfica: prometeram jogar o triplo e acabaram a rasar o solo. Baixinho, muito baixinho, fugindo assim ao radar dos títulos. Entretanto, conseguiram a proeza de evitar o Sporting na Supertaça. Menos uma dor de cabeça para JJ.

 

Sporar e Borja: justamente criticados, como quem não quer a coisa ganharam o triplete. Campeonato, Taça de Portugal, Taça da Liga, a estes papa-títulos não houve competição que lhes fugisse. 

20
Dez19

Quarteto Brega contra a Quadriga Mafiosa


Pedro Azevedo

Amanhã, pelas 17h30, em Doha, no Qatar, Flamengo e Liverpool defrontar-se-ão para apurar o campeão mundial de clubes. Jesus confia na sua principal arma, o quarteto formado por Bruno Henrique, Evandro Ribeiro, Gabigol e Arrascaeta; Klopp aposta nos puro-sangue da frente do ataque: Mané, Firmino, Origi (suplente que faz muitos golos) e Salah. Quarteto BR-E-G-A contra Quadriga MA-FI-O-SA, no fim quem será mais intratável (ou mostrará piores "maneiras")?  

liverpoolflamengo.jpg

(Montagem: alma-lusa.blogs.sapo.pt)

10
Fev19

The Good, the Bad and the Ugly, um filme de Leão


Pedro Azevedo

O filme caracteriza-se pela permanente tensão que envolve os três treinadores: Jorge Jesus, o "Mau", José Peseiro, o "Feio", e Marcel Keizer, o "Bom". Todos perseguem o pote de ouro debaixo do arco-iris, a conquista do campeonato nacional, perante uma massa associativa sedenta de vitórias e um enquadramento desfavorável no futebol português.

 

Jesus aparece em Alvalade como o treinador mais caro da história do clube e por larga margem, o homem que encerraria em si conhecimentos que, supostamente, o tornariam mais valioso do que uma Estrutura. Sempre hábil a chamar para si os louros nos momentos das vitórias no clube rival, logo no seu primeiro ano no novo clube (que viria a revelar-se a sua melhor época) duplica o orçamento que Leonardo Jardim e Marco Silva tiverem disponível. Não ficaria por aqui, pois no seu terceiro e último ano a conta de exploração chegaria a apresentar o triplo dos custos (com pessoal) face aos seus predecessores. "Pistoleiro" sempre pronto a esvaziar o carregador, vai exaurindo os cofres do clube com as suas renovadas exigencias, obrigando a sucessivas contratações de jogadores, muitos deles rapidamente abandonados pelo treinador e caídos em desgraça. Enquanto isso, a aposta em novos jogadores da Formação é praticamente abandonada, registando-se apenas o lançamento de Gelson Martins e de Ruben Semedo (Leonardo dera oportunidade consistente a Adrien, William, Cedric, Mané, Wilson Eduardo e André Martins, Marco reforçara-a no que respeita aos 3 primeiros e apostara convictamente em João Mário). A sua amizade com o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, incomoda, mas é a ausência de títulos e a extrema tensão superveniente que acaba por o empurrar para a porta de saída. Com ele, e embora o clube tenha aumentado os seus proveitos ordinários - fruto essencialmente do crescimento da bilhética, das receitas da Champions e do contrato de DireitosTV celebrado com a NOS - , o Sporting torna-se novamente dependente da venda de jogadores (a seu favor, as maiores vendas da história do clube) para cobrir o défice operacional, algo que inverte dramaticamente a estratégia seguida nos dois primeiros anos da gestão do então presidente Bruno Carvalho.

 

Envolto num clima de forte tensão política no clube, eis que chega Peseiro. Treinador mal-amado em Alvalade, devido ao campeonato e Liga Europa ingloriamente perdidos na temporada 2004/05, o coruchense procura redimir-se junto da massa associativa leonina. Desde os primeiros tempos, é notório que a proposta de futebol positivo da sua primeira passagem evoluiu agora para um cinismo mais próprio da escola italiana. O jogo agora é feio e chega a contemplar a figura dos três tristes trincos no meio-campo. Apesar disso, a equipa mantém-se próxima dos lugares da frente. No entanto, tudo se desmorona após uma inesperada derrota caseira contra um clube dos escalões secundários, a contar para a Taça da Liga. Sob pressão dos associados, o treinador não resiste e é despedido.   

 

Eis que chega então Marcel Keizer. Sem currículo apreciável - destaca-se apenas uma passagem de meia dúzia de meses pela equipa principal do Ajax - o treinador começa por conquistar os exigentes adeptos dos leões. Sete vitórias em outros tantos jogos e um saldo de golos favorável de 22 (30 golos marcados e 8 sofridos) encantam o povo, subitamente desperto para uma radical mudança de paradigma. Keizer afirma-se aos olhos dos adeptos como o "Bom", um produto de uma escola idealista de futebol positivo, que vai vencendo barreiras levemente xenófobas e conquistando os sportinguistas e os amantes de futebol em geral. Neste período, o treinador holandês acaba com o excesso de trincos e promove um jogo posicional assente em trocas de bola a 1/2 toques, movimentos constantes de aproximação à bola, início de construção pelos centrais, laterais simultaneamente subidos, movimentos interiores dos alas e recuperação de bola em 5 segundos. Tudo isto num sistema táctico de 4x3x3. Para além disso, parece apostar em jovens. Num jogo a contar para a Liga Europa lança Thierry Correia. No seguinte, de uma assentada reforça a confiança no lateral direito e dá também oportunidades a Bruno Paz e a Pedro Marques. Os adeptos leoninos estão em delírio. 

 

Chega então o fatídico jogo de Guimarães. Começa a sentir-se o cansaço em certos jogadores nucleares, os movimentos perdem a fluidez original. Para além disso, há erros individuais que impedem a equipa de carburar. O treinador mantém Diaby em campo os 90 minutos, ele que faz um jogo desastrado, tanto na ligação com os colegas como no momento da concretização. Exibição que viria a repetir em Tondela, novamente com consequências desastrosas. Paira agora a dúvida. Alguns dos iniciais resistentes ao treinador, que já se preparavam para meter a viola no saco, ganham um suplemento de alma. Regressa o discurso da desadaptação de Keizer, da fraqueza da sua transição defensiva, da sua exposição aos ardilosos treinadores tugas. Keizer passa num instante a ser o "Mau" e as suas convicções parecem estar a ceder perante a necessidade imediata de resultados.

 

Aproxima-se a Final Four da Taça da Liga e Keizer é agora um treinador mais pragmático. O Sporting sobrevive quase miraculosamente a um jogo em que foi inferior (Braga) e está na final contra o todo-poderoso Porto. No jogo decisivo, a equipa faz uma bela primeira parte, mas circunstâncias diversas adversas acabam por a empurrar para um pragmatismo assente na resiliência face a sucessivas vagas do adversário. Quando finalmente em desvantagem, consegue voltar ao jogo e acaba por vencer a competição. Keizer é agora o "Feio" - comparações são imediatamente feitas com Peseiro - , mas consegue levar para Alvalade o troféu. 

 

Segue-se uma partida em Setúbal que faz a equipa desgastar-se em demasia, obrigada a superar-se em desvantagem numérica e no marcador. É a antecâmara da recepção ao Benfica. Entre lesões, castigos e impedimentos vários, o Sporting é batido sem apelo nem agravo. Mais do que a derrota, a imagem que fica é de uma total impotência face ao seu adversário. Uma humilhação! O ciclo ainda não terminou e há ainda uma partida para disputar na Luz, a contar para a Taça de Portugal. Teme-se nova debacle, as circunstâncias do jogo não ajudam, mas a equipa não cede, mostra que está com o treinador, e consegue voltar ao jogo e à eliminatória. 

 

O próximo ciclo de jogos permitirá perceber melhor quem é Keizer. O treinador dos 7 primeiros jogos, a que acrescentarei os dois na Feira para as taças e a primeira parte da final da Taça da Liga com o Porto, é o "Bom". Gosto da sua ideia de futebol positivo, da fleuma com que atura jornalistas e as circunstâncias nem sempre favoráveis em que está envolta a sua profissão. Recorrendo por vezes ao sentido de humor e evitando a desculpabilização tão própria dos seus antecessores. Pode ser que este novo ciclo permita uma maior rotatividade ao plantel, que Geraldes e Idrissa possam ser convenientemente testados, que Acuña, Miguel Luís ou Montero estejam totalmente disponíveis, que jovens como Thierry possam ter finalmente uma oportunidade consistente. Está tudo nas mãos de Keizer e na sua fidelidade às suas ideias e convicções. (Ou, pelo menos, espero que não haja restrições de cima que o impeçam de escolher os melhores.) E eu espero que estas vençam. Um treinador que criou tão grande ilusão entre os sportinguistas não pode sair pela porta pequena. 

keizer6.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Os meus agradecimentos pela nota que nos deixa. E ...

  • Pedro Azevedo

    Sporar, TT e Pote, em casa; Coates, em Barcelos. S...

  • HY

    Vou confessar uma coisa: foram tantos os jogos em ...

  • Pedro Azevedo

    Caro HY, de facto o jogo da Choupana mostrou um Sp...

  • HY

    Concordo com a análise dos momentos escolhidos. Pa...