Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

21
Mar22

Tudo ao molho e fé em Deus

Reviver o passado no Condado Portucalense


Pedro Azevedo

Ir ao Afonso Henriques ver o Sporting é tarefa que requer um kit medieval de protecção pessoal e uma fleuma britânica (por oposição à ira "brutânica" que se vai encontrar) a condizer. Os preparativos para tão grande empreendimento deixam qualquer um exaurido, envolvendo indispensáveis decisões sobre a elasticidade da malha de ferro que se irá utilizar para proteger o corpo, tipo de armadura e escudo de defesa contra pedras e/ou cadeiras, além da complexa escolha entre Prozac, Lexotan, Xanax ou Valium como garantia de imunidade e total impassibilidade perante as circunstâncias. Há ainda que pensar num Plano B que obrigue à tão indesejável acção como último recurso de sobrevivência pessoal, o que conduz ao extenuante esforço de esfregar as meninges à procura de soluções do tipo de como fazer passar uma espada, de 5 kg (semelhante à usada pelo Fundador), de lâmina bem afiada pela segurança das instalações com a mesma facilidade com que se de um petardo de tratasse. Provavelmente devido a todo o desgaste físico e emocional prévio à deslocação, só lá fui por duas vezes na minha vida. A primeira, o meu baptismo de fogo, ocorreu em 80, era eu um menino. Levado pelo meu querido Pai, viajei no Combóio Verde rumo ao título nacional.  A segunda deu-se em 87, na jornada a seguir aos célebres 7-1 com que desasámos as águias em Alvalade. Dessa vez fui de véspera, num combóio regular, com pernoita antecipada no Porto para visitar família e amigos de infância. Recordo-me que nos fizeram a cama, perdão, N'Kama, e tudo. N'Kama (golo de meio campo), mas também N'Dinga, Basaúla, Roldão, Basílio, Miguel e as estrelas Ademir e Paulinho Cascavel, este último que viria a ser nosso mais tarde. E um guarda-redes pequenino e muito elástico que dava pelo nome de Jesus. Com o Marinho Peres no banco e o Autuori como adjunto, e o Veiga Trigo como o circunstancial reforço dessa tarde invernosa que fez vista grossa a um penálti do tamanho do Castelo de Guimarães sobre o Silvinho que nos daria o momentâneo 2-0 (acabámos por perder por 1-3). Nunca tinha pensado maduramente no assunto, mas anteontem dei-me conta de que esta associação das deslocações a Guimarães a combóios era tudo menos inocente. Pelo menos a avaliar pelo facto de que sem o Alfa (Semedo) dificilmente teríamos saído de lá com a vitória. Foi no que deu ser pendular, ainda que para tal tenha tido de usar os braços como equilíbrio para se manter na linha. Mas a surpresa da noite consistiu na constatação de que afinal há um André Almeida que joga à bola e não à canela, o que num cenário bélico não deixou de ser reconfortante. Pelo menos enquanto houve jogo, até porque às tantas o zelo em excesso do Veríssimo levou à expulsão de tantos treinadores e adjuntos do Vitória que eu penso que o massagista assumiu o controlo da equipa. Deve ter sido isso mesmo, porque a partir daí os vimaranenses só conseguiram fazer cócegas e massajar o ego aos nossos jogadores. E num reflexo o Edwards matou o jogo. 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Pedro Gonçalves ("Pote"). Quando Amorim compreendeu que ao ponta de lança faltava apoio frontal, mais do que lateral, o jogo mudou de cara. Excelente exibição também de Adán. E o Paulinho marcou o golo da reviravolta, de Letra (C), ainda que para tal primeiro tenha tido de desperdiçar as oportunidades de letras A e B só com o guarda-redes pela frente.

guimaraessporting4.jpg

06
Mar22

Tudo ao molho e fé em Deus

A Vida Natural e a unanimidade de Slimani


Pedro Azevedo

David Attenborough orienta o seu cameraman para captar a acção de um mamífero da família dos Pepus Sanguíneus. Nesse preciso momento, o predador ataca um Casquero em plena savana. Usando as suas patas posteriores, primeiro pontapeia-o, depois, com este já imobilizado no chão, pisa-o barbaramente ao longo da coluna vertebral, finalizando a sua acção com um golpe desferido pelas suas patas anteriores na nuca da presa. É um episódio fulcral da galardoado série "Life in Cold Blood" do consagrado realizador britânico, estrela do canal televisivo BBC. Anos mais tarde, Sir David regressa à savana de Castela, mas o Pepus Sanguínius já migrou para Norte. Incansável, segue o seu trilho até o encontrar. E descobre-o, constatando uma notável evolução da espécie. É que o Pepus é agora um animal domesticado cujas incursões no solo substituíram a imobilização das presas pela captura de bolas de golfe. Um verdadeiro "menino do coro". Nómada, o Pepus por vezes migra até ao sul. E a sua última aparição pública dá-se na pretérita quarta-feira em Alvalade. Simultaneamente nostálgico e entusiasmado, Sir David não resiste e interroga: ficaremos felizes em supor que os nossos netos nunca conseguirão ver um Pepus, excepto no Clube Estela ou em vídeos evocativos do comportamento do Homem de Neandertal? Surpreendentemente, ou talvez não, os avós Sportinguistas respondem que sim...

 

Bom, mas isto foi na quarta-feira. Como a vida não é só história natural, no Sábado o Sporting recebeu o Arouca em mais uma jornada da Primeira Liga, competição outrora também designada por Lampionato e que nos dias de hoje pretende glorificar uma espécie mitológica a que se dá o nome de Dragão (o nosso Campeonato é em si próprio uma figura da mitologia contemporânea). Foi dia de eleições em Alvalade e o mínimo que se pode dizer é que Islam Slimani - os futebolistas quando passam a dirigentes ganham sempre mais um nome - recolheu a unanimidade. Primeiro com cabeça, depois com os membros inferiores (a ausência de partes do corpo humano faz habitualmente a retórica do discurso dos presidentes do clube), Slimani conquistou definitivamente a exigente massa associativa leonina. Mostrando que não só os ponta de lança marcam golos (ah, espera...). Já agora, dizem-me que o Matheus Nunes jogou qualquer coisita, mas ainda não consegui confirmá-lo nas minhas leituras habituais. Será que estão com a cabeça no lugar? Ah, e o Essugo estreou-se a titular aos 16 anos. Uma história natural para os jovens enquanto Amorim estiver ao leme. Das boas, não é Sir David? 

21
Fev22

Tudo ao molho e fé em Deus

A 18ª regra


Pedro Azevedo

Segundo o International Board, um jogo de futebol tem só dezassete regras. Soa a pouco. Assim sobra muito espaço para as recomendações. Como a da Lei da Vantagem, que o Malheiro tanto desprezou em Alvalade. Não sendo tal ainda suficiente, há então margem para a criatividade. Pululam assim coisas que não são regras mas se praticam em estádios por todo o país. Como a Lei do Mais Forte, que o Luís Godinho mostrou venerar em Moreira de Cónegos ao preferir ver o que não foi nítido e assim poder deixar de vêr o penálti e expulsão (segundo amarelo) a Uribe que se impunham, expulsão essa que mesmo assumindo o penálti já iria aliás perdoar. Essa lei não consta em nenhum manual oficial. Mas acaba por implicitamente se constituir como a 18ª regra do manual de regras do futebol português, o "Pinto da Costa (A)Board" sobre um jogo de futebol. "All aboard? The night train"... (E tudo começou na noite daquele acidental choque do Godinho contra o combóio em movimento que se chamava Danilo.)

 

Na antecâmara do jogo, o Rúben Amorim abraçou efusivamente o Bruno Pinheiro do Estoril. Por momentos, temi que o venerasse tanto quanto ao Guardiola. Mas não, e o Sporting embalou para uma exibição competente e personalizada. Com boas movimentações e trocas de bolas, o Sporting foi-se envolvendo na área onde o Estoril tinha o autocarro estacionado. E o golo finalmente surgiu, com o Pote a aproveitar o facto de o referido autocarro estar mal travado. E depois houve ainda o alegórico Momento Zidane, de passagem de testemunho no casino que também é o futebol, em que o ex-estorilista Matheus Nunes deu à roleta à frente de um croupier Geraldes que muito prometeu dar cartas no passado mas agora precisa que o levantem do chão como no título do livro do Saramago. 

 

O segundo tempo trouxe-nos a expulsão de Raúl Silva e a confirmação de Slimani. Bem sei que esta coisa de um jogador primeiro tocar na bola e depois isso servir de álibi para poder pôr o seu próximo a fazer tijolo no Cemitério dos Prazeres deve ser um caso muito interessante do ponto de vista de um advogado de defesa, mas o bom senso diz-me que, tal como no caso do Bragança, o jogador foi bem expulso. Quanto ao Slimani, para quem dizia que o homem estava velho, corcunda e já nem corria, aquele sprint de costa a costa, com a bola colada ao pé, deve ter emudecido muito boa gente. Além disso, combinou bem com o resto da equipa, participando na elaboração dos segundo e terceiro golos. Só lhe faltou o golo, mas isso ficará certamente para uma próxima oportunidade. Com um homem a mais, o Sporting dominou ainda mais o jogo. E marcou belos golos, o segundo depois de um toque de magia de Paulinho que isolou Matheus Reis, o terceiro num momento de inspiração de Pablo Sarabia.  

 

Temo que este campeonato se vá definir nos detalhes. O detalhe do penálti marcado a Matheus Reis contra o Braga, o detalhe do penálti e expulsão (a Uribe) perdoados ontem em Moreira (e ainda houve uma mão suspeita de Mbemba), já para não falar no detalhe do golo anulado ao Estoril contra o Porto que nem visionamento do detalhista VAR teve (por ter sido imediatamente anulado pelo árbitro). São já muitos detalhes (pouco ou nada nítidos, daqueles que não caberia ao VAR julgar) a depender dos mesmos, pelo que se calhar os mesmos poder-se-iam entregar a actividades que requeressem esse tipo de rigor, como ourivesaria ou mesmo rendas de bilros. Uma coisa é certa, o futebol ficaria mais rico. (E sempre seriam boas alternativas à consultoria informática, que a vida não é só ciberinsegurança ou empresas alegadamente "cibermulas" do dinheiro.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Reis

matheusreis7.jpg

13
Fev22

Tudo ao molho e fé em Deus

No Reino dos Visigodos


Pedro Azevedo

Os grandes jogos de futebol lusos são também importantes lições de história, um pretexto para melhor se ficar a conhecer a evolução das comunidades humanas no território que hoje se denomina Portugal. Assim, enquanto a influência romana em Portugal pode ser observada pelo latim que se gasta após os jogos, o legado das invasões bárbaras é continuamente renovado a cada clássico no Dragão. Nesse particular, o líder visigodo, Pinto da Costa (e o engenheiro "visigordo" que é seu lugar-tenente), mostra o quão teme os "mouros", especialmente os que vêm de Lisboa, recorrendo por isso frequentemente a ancestrais tácticas de guerrilha que tanto podem envolver a utilização de reagentes anti-sépticos como de agentes da (des)ordem. Tudo em vão, porque, se a história nos ensina algo, ainda vai acabar a andar à nora... (Já a influência castelhana neste território ficou registada com os olés com que cada Sportinguista em casa mentalmente acompanhou a genial jogada do nosso segundo golo.)

 

Continuando a percorrer a história de Portugal, estes jogos trazem sempre à liça as memórias intemporais dos bárbaros Fernando Couto, Paulinho Santos, Jorge Costa ou Secretário, todos eles anos a fio a gozarem (com a alegada excepção do Secretário) connosco. Era um tempo em que os homens voavam sob a influência dos pitons dos visigodos portistas. Voavam, e por voar acabavam expulsos como o beato Ouattara ou o santo Juskowiak, ambos mártires da Areosa. Mas estava tudo bem, com mais ou menos quinhentinhos, fruta ou chocolate, que de apitos ainda não se conhecia o dourado. A coisa julgava-se já ultrapassada, mas eis senão quando regressou em força na última sexta-feira. Porém, se é verdade que a história frequentemente se repete, não deixa também de ser verídico que sempre adquire cambiantes diferentes. Assim, tanto foi possível observarem-se reminiscências de um outro tempo, do tipo do Matheus Nunes voar após cada nova entrada insuficientemente admoestada pelas costas, como nuances modernaças em que quem voa é o prevaricador - no caso um (A)ladino iraniano que para o efeito deve ter um daqueles tapetes persas das mil e uma noites - e "quem se lixa é o mexilhão" (o importado e importante Coates). Tudo sob o olhar inegavelmente assustado de um Pinheiro, mansinho para os portistas e bravo para os Sportinguistas, provavelmente desejoso de sair dali sem que lhe dessem na pinha. (Ainda assim, a vantagem de ser Pinheiro é que se cria raizes, outros como o Pratas até corriam na hora em que os visigodos levantavam o sobrolho na sua direcção.)

 

No final roubaram-nos: subjectivamente, dois pontos; objectivamente, uma carteira e um telemóvel. Não sei como há quem defenda isto (para além obviamente do Baía, que tem de fazer pela vida e afinal até era guarda-redes), mas há tradições que são difíceis de erradicar. Todavia, que me desculpe o PAN: tourada por tourada, eu prefiro a de Barrancos, que é nossa e não produto da cultura latino-americana. (E quem lidera toma o touro pelos cornos.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Nunes

 

P.S. Ah, e os dois golos que ainda assim conseguimos marcar no Dragão foram tirados a papel químico: variação súbita do centro de jogo (da direita para a esquerda e o seu contrário), bola para o meio e golo. À semelhança de tentos obtidos de igual forma na época passada. Isto também é laboratório.

nunosantos7.jpg

10
Fev22

He-Man ou Sli-Man(i)?


Pedro Azevedo

O jornal A Bola diz que Fábio Vieira tem "hímen nos seus pés", algo que assumido literalmente constituirá um inesquecível fenómeno de género que certamente irá ser aprofundado tendo em vista uma melhor ilustração das nóveis aulas de Cidadania. Mas poderá ser também uma notável figura de estilo, que nos revela o quão a bola deve ser tratada com carinho, afagada mesmo, desde o impacto da sua recepção até ao momento em que sai (na ponta) do... pé. Neste sentido, outras metáforas homófonas poderiam ter sido esboçadas à volta do pé do Fábio, por exemplo envolvendo o íman (ou ímã) ou mesmo o He-Man. Esta última seria certamente a mais prazerosa para os portistas, que decerto não enjeitariam ver o alter-ego do Príncipe Adam (Adán, em espanhol) subjugado nos pés ou, mais propriamente, aos pés de Fábio Vieira. Mas, atenção(!), de Alvalade para além do He-Man vem também o guerreiro Sli-Man(i). É que seis golos em oito jogos com os portistas devem ser um suficiente cartão de visita para augurar ir dar água pela barba (o do hímen fica automaticamente livre disso) aos comandados de Sérgio Conceição. Ou não?

he-man2.jpg

slimani.jpg

27
Jan22

Tudo ao molho e fé em Deus

Flying Circus


Pedro Azevedo

Sem Coates, voltou a ser um central sul-americano a fazer o papel de Paulinho. Chama-se Villanueva, um venezuelano provavelmente mais habilitado a defender a sua baliza a sete Chavez, e até agora ainda não tinha mostrado dotes goleadores especialmente relevantes. Mas desta feita fez um golo com um disparo indefensável efectuado a 1 metro da baliza, marca de onde Paulinho mais tarde miraculosamente despachou para canto um golo cantado. Tudo está bem quando acaba bem, mesmo que o guião do jogo se tenha assemelhado ao de um filme dos Monty Python. (Pensando bem, nem o John Cleese se lembraria de uma coisa assim.)

Paulinhosantaclara.jpg

23
Jan22

Tudo ao molho e fé em Deus

O Pinheiro do Paulo Sérgio


Pedro Azevedo

Nos jogos do Sporting há regras específicas para a marcação de grandes penalidades. Pegando no adágio popular que diz que um é pouco, dois é bom e três é demais, se um jogador der duas cambalhotas após um ligeiro encosto então os senhores do apito marcarão o castigo máximo. Foi o que aconteceu ontem com Galeno. Todavia, se um futebolista ousar triplicar o número de reboladelas no chão, como aliás o Paulinho amiúde faz, então o árbitro será tentado a deixar seguir. Quer dizer, a vontade de dissimular é igual, em ambos os casos os jogadores teatralizando a morte iminente na esperança de que o padre de serviço avance com a extrema unção, mas o resultado final marcará toda a diferença. Nem que para tal tudo tenha de ser ungido com a benção e alto magistério do VAR de plantão, claro, ou não tivesse já há muitos anos o Paulo Sérgio diagnosticado correctamente o nosso problema: falta-nos um Pinheiro, é o que é, ontem como hoje. Especialmente um daqueles que não seja manso, como tal originário de um certo velho mundo, de casca grossa e raízes profundas e tentaculares. Tudo o resto, não sendo de todo negligenciável, é uma treta. Como a questão dos erros individuais ou a do... ponta de lança. (Pensando bem, ganhar assim seria, isso sim, uma grandíssima treta.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Nunes 

braga.jpg

23
Dez21

Tudo ao molho e fé em Deus

Faroeste lusitano


Pedro Azevedo

No Lucky Luke, imortalizado pelo Morris, o mau da fita geralmente terminava coberto de alcatrão e penas. Mas isso era o faroeste americano, por onde o "poor lonesone cowboy" vagabundeava. Nós por cá, felizmente, somos civilizados e não fomentamos essas práticas indecorosas. Caso contrário, poderíamos ser tentados a pensar que o mundo da bola tuga também é um faroeste, o que com um árbitro com muitos Km de estrada de Primeira Liga num jogo que envolvia uns gansos certamente não auguraria nada de bom.  

O Sporting começou por dar avanço aos casapianos, histórico clube dos internacionais Roquete, que era da PIDE, e de Cândido de Oliveira, mais tarde nosso treinador no tempo dos 5 Violinos, que reza a lenda foi preso pelo primeiro. Presos ao chão pareceram os nossos na alvorada do jogo, e Jota voou para colocar o Casa Pia em vantagem. O golo não mudou a letargia geral dos nossos, e durante um período o futebol foi incaracterístico. Tempo então para Daniel Bragança entrar no jogo e todos deslumbrar com o seu toque fino, acelerações com bola e, imagine-se, até com recuperações de bola aéreas(!!). Porém, seria por intervenção do laboratório de bolas paradas que Amorim montou em Alcochete que o Sporting voltaria e equilibrar a contenda: para não variar, o capitão Coates foi lá à frente fazer a diferença.

Após o intervalo o Sporting entrou com Paulinho no lugar de Nazinho. Quer dizer, mais do que uma substituição de diminutivos houve uma  efectiva troca de posições, com Tabata a recuar para o lugar do muito jovem lateral/ala esquerdo e o Sporting a ganhar finalmente quem fosse capaz de pensar o jogo de cabeça levantada, o que como se sabe ajuda a perceber melhor o que se passa em redor (o Tabata geralmente concentra mais os seus olhos na relva, o que até poderá vir a revelar-se útil no combate a térmitas e fungos que vêm afectando o estado do nosso terreno). 

Com melhor dinâmica, fomos então dominando o jogo. O Pote, às voltas com o mau-olhado, até voltou a passar à baliza, coisa que, já se sabe, o tornou letal. Mas o poste ou o guardião dos Gansos conseguiram adiar o golo. Até que o Sarabia arrancou um remate que fez a bola bater na trave, ressaltar para dentro da baliza e voltar a tocar na trave antes de sair para fora da baliza. Ora, quem perceba um pouco de geometria percebeu logo que a bola só podia ter entrado, mas Rui Costa e companhia não terão sido assíduos nas aulas de matemática e mandaram seguir. Salvou-nos o VAR, como em tantas outras vezes, que em tempos natalício bem merece um "Hosana ao VAR". Ele é o caminho, a verdade e a vida, pelo menos para nós que com os meios de antigamente já estaríamos remetidos ao "nosso lugar" de sempre. É verdade, o VAR para nós é como um profeta que nos ilumina o caminho e nos mostra que afinal não somos filhos de um Deus menor. Pena é que sempre que há margem para a invenção o assistente vídeoarbitral não cumpra o seu papel: ontem, por exemplo, o Tabata viu-se expulso quando tentava fugir a um tackle deslizante perpetrado por um jogador do Casa Pia. Em inferioridade numérica, o que nos valeu foi a sagacidade do Amorim, que de uma penada refrescou todo o meio campo e meteu ainda o Homem Prevenido (aquele que vale por dois). 

Bom, chegámos ao Natal, barreira que noutros tempos era vista com um pessimismo digno de uma profecia de Nostradamus. E estamos em todas as competições: primeiros, ex-aequo, no Campeonato; nos quartos-de-final da Taça de Portugal; na "Final Four" da Taça da Liga; nos oitavos-de-final da Champions. Agora é pensar em trinchar o peru e continuar a encher a pança, sabendo de antemão que a azia ficará para um dos nossos rivais que se degladiarão hoje a partir das 20H45. Feliz Natal para todos os Sportinguistas. (E para todos os outros também, que são igualmente filhos de Deus pese embora o Jesus de Carnide ande a deixar os fiéis em brasa com o namoro com o Flemengo.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Daniel Bragança 

14
Dez21

Tudo ao molho e fé em Deus

No sorteio da UEFA(?)


Pedro Azevedo

De manhã começa o dia a aviarmos a Juventus para a Champions. De tal forma que à tarde já estamos no Campeonato do Mundo, a jogar contra o campeão dos Emirados Árabes Unidos. Ad(e)mirados? É esta a inebriante vida de um grande clube, o Sporting Clube de Portugal. E contra o Manchester City, que como o nome indica é uma agremiação do Abu Dhabi, marcharemos. Com a Ala dos Namorados, a Padeira Brites, o Quadrado e a Táctica do nosso Condestável (que nunca contestável) Dom Rúben Nuno Álvares Pereira Amorim. Mas também com a Ínclita Geração, os infantes Porro, Inácio, Matheus, Ugarte e Pedro, este último o das Sete Partidas (as necessárias até ao final), um homem tão à frente do seu tempo que tanto redige uma carta de Bruges como é bem capaz de despachar um Manifesto de Manchester enquanto o diabo esfrega um olho. Acompanhados pelos mais experientes, mas nada Velhos do Restelo, que são Adán, Coates, Feddal, Neto, Palhinha, Sarabia, Paulinho e companhia. O City, pois, que se ponha a pau, que da ocidental praia lusitana vem uma gente que não torce e tem a ambição de vencer. Mesmo que do outro lado esteja o mestre do trique-traque, ou tique-taque, ou lá o que é, até porque, não havendo uma segunda oportunidade de deixar uma primeira boa impressão, teremos de "matá-los" logo à primeira oportunidade. Portanto, eles que fiquem com a posse e nós com o passe. O passe social para o sorteio da próxima eliminatória. Que bem poderá passar por de manhã nos calhar uma equipa alemã e de tarde outra de Omã (ou do Qatar). Senhores da UEFA, vós Paris com cada sorteio... Já vos havia falado dos Jogos repetidos com informação incompleta , para aquilo que não vos preparei foi para sorteios repetidos com informação incompleta (não sei se não seria aqui de invocar o João das Regras...). Mas a UEFA educa, oh se educa...

 

P.S.1. Nestas coisas de David contra Golias há que sempre contar com a fisga, quiçá reforçada com a tão aguardada bazuca. Aguardemos então...

 

P.S.2. Os sorteios de ontem foram paradigmáticos destes novos tempos: da Vecchia Signora para os novos-ricos europeus há toda uma nova ordem do futebol a passar-nos pelos olhos. 

sorteio.jpeg

29
Nov21

Tudo ao molho e fé em Deus

À margem do Lampionato Nacional


Pedro Azevedo

O Sporting fez mais um jogo para o seu campeonato. Por seu campeonato entenda-se um conjunto de jogos que se amontoam num determinado calendário a duas voltas onde todos os adversários se apresentam com 11 jogadores em campo. Bem sei, uma competição assim poderá ser considerada um pouco exótica para a maioria dos cidadãos deste país que torce por outro clube, mas é o que temos. Já o Benfica concorre numa prova à parte, o Lampionato Nacional. Diga-se de passagem que a coisa é bastante desigual, em forte prejuízo dos encarnados. Senão vejamos: se os doutores da bola afirmam convictamente que jogar contra 10 é mais difícil do que jogar contra 11, imaginem o que será jogar contra 9... E, depois, um a um, para aumentar ainda mais o grau de dificuldade, vão-se retirando jogadores de campo da equipa adversária até que fiquem reduzidos a 6 unidades, o que, como se sabe, torna impossível ao Benfica marcar mais golos e mostrar a sua superioridade. Tal é bastante injusto para os actuais pupilos de Jorge Jesus, mas ao mesmo tempo evoca na nossa memória colectiva as origens do futebol: haverá maior pureza do que uma competição que nos remete para as peladinhas da escola, onde havia guarda-redes avançado e tudo? Pois é, o Benfica pode estar 10 anos à frente da concorrência, mas o Lampionato é o seu contributo para o revivalismo do período da Idade da Pedra do futebol. Esbatendo diferenças e promovendo o equilíbrio, nem que para isso tenha de carregar o terrível "handicap" de começar os jogos com homens a mais em campo. Em nome da verdade desportiva, "what else"?

 

Ainda que participando numa competição diferente, o Sporting recebeu ao final de tarde de ontem o Tondela. Estranhamente, a Liga de Clubes não pugnou pelo adiamento do jogo em virtude dos tondelenses se apresentarem completos pelo que a partida realizou-se mesmo, o que com certeza não deixará de merecer parangonas pouco elogiosas nos principais periódicos internacionais. Até parece que já estou a ver um dos títulos: "Doze indomáveis patifes", estrelando os 11 beirões mais o presidente da Liga, com o Proença a fazer o personagem do Lee Marvin, mas com brilhantina e Restaurador Olex quanto baste (o futebol português, os seus "Restauradores" e os Amigos de Olex). Uma vergonha!

 

Esta coisa de ter 11 em campo complica a vida a qualquer equipa. É que há sempre homens a mais em campo, uns dispostos a tocar na bola de forma inadvertida, outros a não saber sair de cena na altura certa. Por isso vimos um tondelense isolar o Sarabia para o nosso primeiro golo e um outro a pôr em jogo o mesmo espanhol aquando do nosso segundo golo, no momento do passe de ruptura do Matheus Nunes (quão mais jogadores, maior a probabilidade de o adversário não estar em fora de jogo). O resto do jogo até foi entretido, com o antigo cérebro (Ayestaran) por detrás do Quique Flores a mostrar que sabe montar uma equipa de futebol. Mas ontem o Neto parecia ter asas e até o Murillo foi apanhar em excesso de velocidade, pelo que a coisa não passou da ameaça. Para piorar a vida aos beirões, o Paulinho marcou um golo - já não bastava aos tondelenses terem de jogar com onze, ainda levaram com um ponta de lança leonino a cumprir com o seu papel. Enfim, um "nonsense" completo... 

 

Na próxima jornada iremos à Luz. À hora que Vos escrevo ainda não sei se o jogo contará para o Campeonato, Lampionato Nacional, ou até se se disputará. É que tanto poderá cair lã dos céus a dar um toque de Natal como a convocatória da omicron alterar os planos a muita gente. Em todo o caso, a Liga deverá dizer qualquer coisa o quanto antes. Ou não, e continuar em isolamento profilático. É que há precauções higiénicas que devem tomar-se para evitar o contágio no futebol. 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Luis Neto

netotondela1.jpg

19
Nov21

Tudo ao molho e fé em Deus

Pote 2 na Taça


Pedro Azevedo

O Sporting sentiu muitas dificuldades em contrariar a excelente exibição dos fungos (e, bate na madeira, térmitas) ontem em Alvalade, ao ponto de Jovane ter mesmo literalmente visto o chão a fugir-lhe debaixo dos pés. Dada esta condicionante, e não desvalorizando o Rúben Amorim como extraordinário treinador que é, para vencer em nossa casa talvez fosse mais aconselhável ter no banco a Nancy Botwin (Mary-Louise Parker) do Weeds, uma renomada especialista em erva. Fica a ideia, até porque sempre se poderia aproveitar a coisa para fins medicinais que não envolvessem propriamente entorses e cirurgias aos ligamentos dos joelhos...

 

Para além dos fungos, as fobias também dominaram o jogo. Por exemplo, a fobia de Paulinho em acudir ao primeiro poste, preferindo esconder-se ao segundo na esperança de que um "alien" amigo subitamente fizesse desaparecer toda a equipa da Póvoa da face da Terra e a bola sobrasse para ele. Só que o alienígena tem andado ocupado no outro lado da Segunda Circular a fazer desaparecer membros dos orgãos sociais do Vieira e faltou à chamada, e o Paulinho voltou a ficar a zeros. Aliás, nem se viu, o que me leva a intuir que, como muitos dizem, defendeu muito bem... o relvado. 


Mas nem só de fungos e de fobias foi feito o jogo, houve também tempo para destruir alguns mitos. O de Bragança como médio defensivo, ou o de Esgaio como potencial central pela direita, neste sistema de Amorim, por exemplo. Não admira assim que Palhinha e Inácio tenham sido ausentes omnipresentes, assim como o grande capitão Coates e o fio de prumo com que orienta a linha de fora de jogo. Também o Nuno Santos agitou muito durante todo o jogo, mas para não variar a classe do Sarabia é que fez a diferença em pouco tempo. 

No fim, valeu o Pedro Gonçalves, o que não é propriamente uma novidade, que marcou dois golos em apenas trinta e dois minutos. Pondo-nos assim no sorteio dos oitavos-de-final. Ainda que lá chegando no Pote 2 (o Pote 1 não foi suficiente). 

Tenor "Tudo ao molho...": Pote 

jovanelesao2.jpg

04
Nov21

Tudo ao molho e fé em Deus

Teatro de Todos os Sonhos


Pedro Azevedo

"Chamem a Polícia" - cantavam os Trabalhadores do Comércio, uma banda onde chegaram a coexistir dois maduros com pinta de diletantes e um puto de 7 anos (não se sabe se com contrato de formação ou mera exploração infantil), uma mescla altamente improvável mas que produziu bons resultados (se ignorarmos que os requintados versos de "Ou estas quietinho, ou levas no focinho" parecem ter sido escritos pela criança enquanto fazia os trabalhos de casa de Estudo do Meio sob a tutoria dos dois marmanjos). Lembrei-me dessa música porque ontem o Sporting requisitou os serviços da PSP (Pote, Sarabia e Paulinho) e deu-se muito bem com isso. Adicionalmente, apresentou alguns jovens jogadores oriundos da sua Formação (Inácio, Palhinha, Matheus Nunes, Jovane, Rúben Vinagre, Esgaio e Daniel Bragança), que mesclados com alguns trintões (Adán, Coates e Feddal) igualmente produziram muito bons resultados. 

 

Old Trafford recebeu um dia de Bobby Charlton o feliz apodo de "Teatro dos Sonhos". Charlton, que está imortalizado conjuntamente com Best e Law (holy trinity/santíssima trindade) numa estátua colocada à entrada do mítico estádio do Manchester United, não terá boas recordações do Estádio José de Alvalade pois aí teve de vergar-se (5-0!) aos pés de Osvaldo Silva & Cia na caminhada triunfante dos leões rumo à final de Antuérpia e consequente conquista da Taça dos Vencedores das Taças. Cito Charlton porque ontem Alvalade foi o Teatro dos Sonhos, diria até de Todos os Sonhos, na medida em que não só a nossa exibição fez sonhar os adeptos como a derrota do Dortmund em casa com o Ajax abriu as portas a todas as ilusões de passagem do Sporting à fase a eliminar da Champions. Nada mau para um clube que há apenas 2 anos tinha uma imensidão de trabalhadores, perdão, inválidos do comércio ao seu serviço...

 

Com Rúben Amorim como encenador e Sarabia como assistente para todo o serviço, Pote voltou a ser o protagonista do Teatro dos Sonhos e Paulinho destacou-se mais uma vez nas acções longe da boca de cena. Matheus Nunes continua a crescer como actor - a sua viragem súbita já mereceu direitos de autor - e o outro Matheus, o Reis, tem-se revelado uma boa surpresa. Coates desta vez levou com um guião que o obrigou a uma inusitada contenção. No fim, o público aplaudiu esfusiantemente. Tempo então de chegar a casa, "Time to sleep, per chance to dream" (Shakespeare). Ou, como diria o Torres, "Deixem-me sonhar". Deu-se bem...

Tony award (já que falamos de teatro...) "Tudo ao molho...": Pedro Gonçalves

PGoncalves65.jpg

31
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

Jogos repetidos com informação incompleta


Pedro Azevedo

Na teoria dos jogos é ensinado que as pessoas que interagem no presente fizeram-no no passado e têm a expectativa de o voltar a fazer no futuro. Para que essa interacção aconteça, a informação é primordial. Informações vitais podem ser reveladas pela acção de um jogador, da mesma forma que um jogador pode inibir-se de praticar determinadas acções a fim de evitar essas revelações. Por exemplo, a colocação de Seba Coates a central é tudo menos inocente. Os jogadores adversários ficam convencidos que ele é um central e tarde demais compreendem que ele é efectivamente o ponta de lança da equipa. Por outro lado, o verdadeiro defensor é o jogador Paulinho, que é apresentado publicamente como um matador. Quer dizer, na verdade ele é literalmente um matador, no sentido em que nos mata do coração a cada novo falhanço, mas a sua função de central mais avançado no campo é muitas vezes ignorada por adversários e até incompreendida pelo público que acompanha os jogos, contribuindo assim para o sucesso da equipa. Outra história de engodo é a que se relaciona com o Matheus Nunes e visa unicamente desvalorizá-lo aos olhos dos adversários. Nesse sentido, a narrativa que foi montada para inglês ver dá-o como tendo sido formado numa padaria da Ericeira, o que contrasta com o prestígio da Academia de Alcochete. É de génio, porque toda a gente sabe que é difícil falar na Ericeira sem se fazerem ondas, ajudando assim a que o embuste pegue mais jogadores desprevenidos. Os adversários olham para o rapaz, ficam condescendentes, julgam até que podem fazer farinha (o que faz sentido com um padeiro) e, quando dão por eles, já estão a correr atrás do prejuízo. Com o Adán é igual. Circulou que ele andou pelos grandes madrilenos a coleccionar autógrafos de galácticos nos treinos, mas isso obedeceu a uma estratégia de longo prazo que visava surpreender tudo e todos quando chegasse a Alvalade. Não fosse isso e o Casillas e o Oblak a única carreira que teriam seria a dos autocarros que os levariam respectivamente a Chamartin ou ao Wanda. Assim, bem podem agradecer ao Adán. 

 

Os exemplos do Coates, Paulinho, Matheus e Adán não surgem aqui por acaso. É que eles esconderam o jogo e forneceram informações incompletas ou erróneas ao nosso adversário de ontem e assim muito ajudaram à nossa vitória. Senão vejamos: uma vez mais, a terceira consecutiva, o Coates voltou a ser decisivo e marcou.   O Paulinho esteve sempre muito preocupado com os contra-ataques adversários, defendendo o que podia e cabeceando para fora um excelente cruzamento do Nuno Santos a fim de não permitir uma eventual parada do guarda-redes do Vitória (ou bola no poste) que desse início a uma transição rápida que pudesse fazer perigar a nossa baliza. (São estes pequenos pormenores que o grande público não entende, e é por isso que o Paulinho é um jogador único e irrepetível e justifica cada cêntimo da sua transferência.) O Matheus arrancou sorrisos amarelos aos vimaranenses a cada nova arrancada, à medida que ia dinamitando as suas linhas com aquele ar de ser apenas mais um dia no escritório. E o Adán mostrou ser como o nadador salva-vidas que a maior parte do tempo está a trabalhar para o bronze mas faz-se ao mar com critério sempre que necessário.  

 

Besiktas, Moreirense, Vitória, os jogos repetem-se. Como dizia o Sérgio Conceição, antes de cada nova contrariedade, é fácil desmontar o Sporting. Pois claro, até La Palisse poderia dizer que é muito mais fácil desmontar um puzzle do que montá-lo (da forma que Amorim o faz). Mas difícil, difícil é parar o Sporting. Dada a informação aqui disponibilizada, talvez a solução passe pelos adversários subirem os seus defesas ao encontro do Coates e recuarem os seus pontas de lança para vencerem o confronto com o Paulinho. A ideia pode parecer estapafúrdia, mas merece ser tentada a partir do momento em que todas as anteriores falharam. Porque com Rúben Amorim a lógica é uma batata. E quem a mete (a batata) lá dentro é o Coates...

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Nunes

coates11.jpg

27
Set21

Tudo ao molho e fé em Deus

De canário a leão


Pedro Azevedo

Na antecâmara do jogo de Sexta-feira, o Nostradamus que há em A Bola profetizava que o mundo iria acabar em 2000 e que o Ugarte jogaria contra o Marítimo em 24 de Setembro de 2021. À hora marcada, desejoso de ver em acção o uruguaio, sentei-me à frente do televisor. Que boa surpresa eu tive! Realmente, não esperava um jogador tão maduro, tão seguro das suas qualidades e senhor dos terrenos onde pisa. O único inconveniente foi o senhor da SportTV passar o tempo a chamá-lo de João Palhinha. É que, depois de tanto canto de sereia a reclamar poupanças, nem de fora o Palhinha escapou a ser usado até à exaustão! O meu maior pavor é que agora o Nostradamus de A Bola indique que futuramente o Porro também irá ser poupado. Sinceramente, espero que essa previsão se estenda para além de 2035, período em que o espanhol já deverá estar a jogar com a segurança social do país vizinho. Até lá, eu quero é que o canário (Las Palmas) Porro agite a nossa ala direita e seja a segurança dos sócios do Sporting pelos golos que não poupa na baliza dos adversários. 

 

Para se ser jogador do Sporting é preciso ter um dom. O dom favorito dos nossos jogadores é a esmerada arte de perdoar em frente à baliza. Por isso, o nosso coração fica assim como uma feira popular, oscilando numa montanha russa de emoções. Bom, se calhar a metáfora não é muito apropriada, desde logo porque quem diz Feira Popular diz farturas, e fartura de golos é coisa que não nos assiste. Ainda assim, vencemos da mesma forma que tantas vezes no passado, o que só pode ser um bom presságio (esta equipa nunca se rende). Ganhando tempo para que o Nuno Santos afine o pé esquerdo e o Paulinho encomende um direito ou então marque de letra. Esta última (a letra) seria uma boa alternativa para quem não tem números. 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Pedro Porro

 

P.S. Desconheço a existência de uma Paulinha, mas talvez a Mariana Cabral nos pudesse emprestar uma Brenda Perez ou, mais apropriadamente pela posição no terreno, uma Diana Silva. É que as miúdas marcam golos que se fartam e esmeram-se particularmente quando do outro lado estão equipas de vestem de encarnado. 

porro6.jpg

20
Set21

Tudo ao molho e fé em Deus

Levante e ria


Pedro Azevedo

Depois do contacto com uns neerlandeses com nome de desinfectante, os jogadores do Sporting rumaram até à Amoreira com o corpo cheio de tintura de iodo e de mercurocromo. E pensos. Penso, logo desisto (como o Mamede)? Nada disso, ou não fosse um jogo a contar para a Liga Betadine (famosa casa de apostas anti-sépticas), e os nossos valentes rapazes dispuseram-se a trazer ainda mais 3 pontos no corpo para garantir a vitória. 

 

Um jogo no Vale da Amoreira é sempre uma boa promoção do futebol das energias renováveis. Em particular, do vento (eólica), que habitualmente faz-se sentir com inusitada intensidade. Por isso, tanto podemos assistir a golos de baliza a baliza e de canto directo como a testes de aerodinâmica da Ferrari e de outras equipas de competição automóvel. Ferraris não se viram, desde logo porque o JJ nunca foi fã dos ares do Estoril e ainda anda a lidar com o excesso de peças em MaraSeixalnello, pelo que o Rúben Amorim aproveitou para vir experimentar os seus domesticamente vitoriosos minis. E o teste nem correu mal. Bom, se o Adán não tivesse oito braços como um polvo a coisa poderia ter dado para o torto, mas assim deu tempo para que tudo se compusesse. E levou tempo, ai se levou! Por exemplo, foram precisos um cabeçudo, uma rodinha e uma paulada até um corridinho do Paulinho ser interrompido por um estorilista com o pé pesado e fora do ritmo e a dança da sorte nos sorrir. Chegou então o tempo para o reencontro do Xico Geraldes com os Sportinguistas, acto que se proporcionou através do insistente contacto com as canelas dos mesmos. Houve logo quem lhe chamasse um ensaio sobre a cegueira...  

 

Por muito que soprasse o vento foi como se não mexesse um(a) Palhinha. E isso é o melhor que se pode dizer do João, que a seu lado teve o Porro, que marcou um golo, e o Paulinho, que se mexeu muito. O Adán também foi importante, decisivo num momento que poderia ter sido chave do jogo. Regressado, o capitão Coates devolveu serenidade ao trio defensivo. Todos juntos, formaram um quinteto largamente responsável pela nossa importante vitória de ontem.

 

Pois é, parece que estamos de volta. Ou, como diria Mark Twain, as notícias da nossa morte foram manifestamente exageradas. Caímos, é certo, mas ontem o vento indicou levante.

 

Tenor "Tudo ao molho...": João Palhinha

EstorilSporting.jpg

16
Set21

Tudo ao molho e fé em Deus

Antony and the “Johnsons”


Pedro Azevedo

Quando aos 20 minutos Rúben Amorim olhou para o relvado e viu Inácio pedir a substituição sentiu que algo de apocalíptico podia acontecer. Vai daí, pensou no Nazareno como salvador. Mas Jesus Cristo, diga-se de passagem que compreensivelmente, andava por essa altura absorto com outros flagelos de igual dimensão no mundo (a fome, o desemprego, os refugiados, a pandemia...), pelo que totalmente indisponível, razão que levou Amorim a ter de improvisar com o nazareno do (António) Salvador, o Esgaio. A opção de Esgaio para central não deixou de surpreender. É que, tendo em conta o que se vem ouvindo com alguma compaixão ou comiseração por parte dos adeptos leoninos, as exuberantes qualidades defensivas do avançado Paulinho recomendá-lo-iam prioritariamente para a posição. Acontece porém que o nosso treinador manteve a fé no Paulinho goleador (o Coates estava impedido de jogar) e viria a ser premiado pouco depois quando o guarda-redes do Ajax permitiu que a raposa (epíteto comum aos pontas de lança) entrasse na capoeira e visasse o frango. Por aí tudo bem, e o povo voltou a acreditar. Só que não é com Vinagre que se apanham moscas e o Antony, com ou sem os Johnsons, foi zumbindo e zumbindo sobre a nossa ala esquerda, sem que o Nuno Santos se preocupasse em evitar os sucessivos 1x1 que a sua musiquinha ia entoando. Haller que se faz tarde, o ponta de lança dos lanceiros, na sua época de estreia na liga dourada, agradeceu para praticamente sentenciar o título de melhor marcador desta edição da Champions. 

 

Por essa altura, do nosso lado apenas o Matheus Nunes e o Porro mostravam competência para este nível de competição. Ainda procuraram dar-se como bóia de salvação ao resto da equipa, mas o Neto, o Esgaio e o Feddal metiam água por todos os lados, o Vinagre já era cadáver e a Pamela Anderson, o Hasselhoff e a restante patrulha do Baywatch há muito tempo que havia metido os papéis para a reforma. Adicionalmente, incapaz de se segurar fosse ao que fosse, baralhado nas sinapses pelas sucessivas e rápidas variações do centro de jogo impostas por Ryan Gravenberch, o motor do jogo neerlandês, o Palhinha andava completamente à deriva. Porém, com o Ajax a jogar o jogo pelo jogo e a não baixar linhas, a ingenuidade neerlandesa ainda fez acalentar a esperança e a ilusão dos adeptos. Assim, Palhinha e Feddal desperdiçaram boas oportunidades de reduzir diferenças antes do intervalo. 

 

No regresso dos balneários, o Amorim tirou o Vinagre e o Jovane e meteu o Matheus Reis (esquerda) e o Sarabia (direita). Mudou o bartender, mas o nosso flanco esquerdo continuou a ser um bar aberto para o Ajax saciar a sede de golos, com Antony e Mazraoui a criarem mais oportunidades para o Haller facturar. É certo que o Paulinho ainda marcou o que poderia ter sido o momentâneo 2-3 (e seu segundo golo na partida) e o Porro chutou ao poste, mas por essa altura já vigorava a Lei de Murphy, que fez inchar o pé do nosso ponta de lança para além dos limites regulamentares e impediu um grande golo, ou produziu um estranho efeito no ferro que o fez fundir mais a bola com as mãos do guarda-redes. 

 

Onde vai um, vão todos (ontem dizia alguém jocosamente que foram 5...) deve e vai continuar a ser o mote aglutinador. Mas o Sporting não pode abordar a grande montra onde tem a oportunidade de exibir os seus jogadores (e o clube) da forma que ontem se viu. Que começou na falta de uma estratégia que condicionasse o Antony sem que isso significasse abdicarmos dos nossos princípios de jogo, ou na não-transformação do sistema de 3-4-3 para 3-5-2 com a entrada de Daniel Bragança para o miolo (algo já testado no passado) e consequente fortalecimento do nosso meio campo (e respirar com bola, coisa que ontem não se viu). Adicionalmente, a ausência do capitão Coates foi por demais sentida, assim como a baixa de Pote, um jogador cuja inteligência teria certamente tirado partido do espaço entre-linhas que os neerlandeses permitiram durante a maior parte do tempo e não foi aproveitado por falta de discernimento dos nossos. Sendo que muitas vezes é nas derrotas que aprendemos as grandes lições da nossa vida que nos permitem evoluir, acreditemos na resposta dos nossos. O Rúben tem créditos. Lembram-se do pós-Lask Linz? Aí, leões!!!

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Nunes

ajax.jpg

12
Set21

Tudo ao molho e fé em Deus

O Dress-Code foi amarelo


Pedro Azevedo

Ontem em Alvalade houve jogo grande. Dia de festa pede "dress-code" e Nuno Almeida não hesitou em eleger o amarelo no relvado, obrigando leões e dragões a paritariamente se distribuírem com essa cor. Não se sabe se a ideia foi promover a solidariedade, mas no fim os Sportinguistas que assistiram ao jogo também ficaram um pouco amarelados. E porquê? Desde logo porque tiveram a confirmação de que nas recepções ao Porto vale tudo menos tirar olhos dentro da área portista. Já sabíamos que no passado um empurrão de Zaidu a Pote não havia dado grande penalidade, ontem ficámos a saber que um murro nos queixos também não dá. (Ou como um murro desferido por Pepe nos queixos de Coates se transforma num soco no estômago dos adeptos leoninos.) Bem sei, o Porto de Pinto da Costa e de Reinaldo Teles, mas também do guarda Abel e de Pepe, leva-nos muitos anos de avanço em experiência com a secção de boxe, não havia necessidade era de o VAR dar um "(upper)cut" nas imagens e um "knock-out" às regras do jogo. E depois ainda há quem fale no Fontelas e nos queira ver beneficiados pelas arbitragens... Eu estou a perceber o racional: o árbitro pinta abundantemente de amarelo, o VAR mistura com muito azul e o produto só pode ser verde, não é? 

 

O jogo? Há um bocadinho fui à janela e juro que vi o Porro ainda a correr. O homem é incansável e faz várias séries de 110 metros barreiras por jogo. Só que, no futebol, barreiras estáticas só aquelas da publicidade, da Betano ou lá o que é, as outras são dinâmicas e até investem contra as pernas. Mas ao Porro tanto se lhe dá. Venha fulano, beltrano, sicrano, Betano ou Marcano, é sempre para superar. Já o Nuno Santos é um hiperactivo, não consegue estar parado nem calado. Barafusta com os colegas, mói o juízo aos adversários, sua as estopinhas - é um agitador. Não peçam é a um espalha-brasas para depois ter frieza na hora da finalização. Para completar o trio mais proeminente de ontem à noite falta o Matheus. O Menino do Rio não se viu naqueles raides de área a área tão característicos seus. Não, em face da inferioridade numérica no meio campo, Matheus preocupou-se em garantir os equilíbrios defensivos e optou por ofensivamente sobrevoar os adversários. Num desses momentos avistou Porro a 40 metros de distância. Deu golo. Pouco depois, recuperou a bola e isolou imediatamente Nuno Santos para um lance que terminaria com a defesa da noite por parte de Diogo Costa. No fim, tocarem-lhe num gémeo. Bem sei, não se faz. Mas aquela coisa de aparentar que jogava por dois cheirava a esturro... 

 

O Sporting adiantou-se no marcador e podia ter chegado ao intervalo a vencer por 3-0 ou 3-1. As nossas oportunidades racaíram todas no pé esquerdo de Nuno Santos, Corona teve na cabeça a melhor hipótese portista. No entanto, o Porto viria a empatar numa jogada de inspiração de Luis Diaz, num lance que começou no nosso lado esquerdo entretanto todo mudado e continuou até ao lado oposto onde já não havia Jovane a ajudar Porro na contenção. Menor eficácia de um lado, maior qualidade individual do outro, no final os pontos dividir-se-iam. Na flash, o Conceição apareceu calminho e sem azia. Parecia um menino do coro, ou então era mesmo um menino do coro. Daí o colinho, claro.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Porro

classico2.jpg

07
Set21

Pessoa bem colocada encontra alta patente


Pedro Azevedo

Um amigo da prima do tio do presidente do Zenit, que é como quem diz "pessoa muito bem colocada" do clube de São Petersburgo, terá aparentemente questionado uma "alta patente" do Benfica, não se sabe se general ou apenas indivíduo de estatura superior, sobre Rafa. A alta patente não fechou a porta à negociação e alvitrou um preço que ninguém sabe qual foi, desde logo porque o único interesse da "notícia" é informar o mercado de que o Benfica recusou uma proposta de 30 milhões de euros pelo seu avançado. O que não teria sido de todo possível se a pessoa muito bem colocada não tem falado com a alta patente - se estivesse mal colocada, um metro a mais à frente ou atrás, talvez não se tivesse conseguido dar o encontro - , conforme fica bem patente na leitura de A Bola. Resta saber se essa pessoa bem colocada tem alguma coisa a ver com o amigo da prima do tio do presidente de um clube que alegadamente queria dar 60 milhões de euros pelo Carlos Vinícius, proposta imediatamente recusada por um Luis Filipe Vieira que no Seixal viu uma luz, ou neón, com 100 milhões de euros lá inscritos. (Era um pirilampo.)

18
Abr21

Marxismo-Leoninismo


Pedro Azevedo

Não sei se o Leitor se apercebeu deste facto bastante incomum no futebol mundial, mas o Sporting apresentou-se de início em Faro com uma maioria de jogadores canhotos. Ora então anote lá: Antonio Adán, Gonçalo Inácio, Matheus Reis, Nuno Mendes, Daniel Bragança e Paulinho. Não sei se tal já havia ocorrido alguma vez na nossa história, ou mesmo nos anais do futebol mundial, mas por curiosidade aqui fica a devida nota acompanhada por título espirituoso a dar conta da primazia da esquerda no onze do Sporting.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Pois eu estreei-me ao vivo com um 5-1 ao Porto de ...

  • jpt

    Bela memória (os 7-0 ao Olhanense foram o primeiro...

  • Pedro Azevedo

    Todos eles infelizmente já falecidos, caro João Gi...

  • João Gil

    Eterno, inesquecível. De memória só, pelos golos m...

  • Anónimo

    Eterno, inesquecível. De memória só, pelos golos m...