Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

14
Nov22

Tudo ao molho e fé em Deus

Mixórdia de temáticas


Pedro Azevedo

Caro Leitor, a semana começou com o sorteio da Liga Europa e eu conheci o nome do nosso oponente antes da cerimónia em si. Não, não foi em sonhos nem teve a ver com o "sortilégio" ou manha das bolas quentes e frias, embora o clube dinamarquês que nos calhou em sorte fosse o mais desejado. Acontece que há uns dias atrás eu havia tido uma consulta no meu oftalmologista. E o senhor doutor pôs-me a olhar para uma parede iluminada onde se projectava um amontoado de letras soltas. Às tantas, pediu-me para eu as soletrar, uma a uma: M I D T J Y L L A N D. Foi então que tive a epifania. Entretanto, se o meu diagnóstico foi 20/20, o nosso só pode ser a passagem aos oitavos. Mas como é conhecida a nossa miopia de cada vez que nos é pedido para ver mais longe, o melhor mesmo é continuarmos a olhar de perto, jogo a jogo, assim Deus nos livre da hipermetropia que nos acomete de cada vez que o Braga e o Porto estão mesmo ali ao dobrar da esquina.  

 

Ainda durante a semana foram anunciados quase todos os convocados do Sporting para as selecções que vão disputar o Mundial do Qatar. Assim, teremos o Coates e o Ugarte pelo Uruguai e presumivelmente o Fatawu pelo Gana, ambos do grupo de Portugal. E o Morita alinhará pelo Japão. Por Portugal é que nada, nem um dos nossos. O meu medo é que os futuros jogadores lusos do Sporting comecem logo a pensar naturalizar-se por outro país no acto da assinatura de contrato. Por exemplo, arranjando uma canária para poderem jogar por Espanha. Ou, crescendo para umas suiças, de forma a alinharem pelo país da banca e do chocolate. Como não se chamam Otávio ou Pepe, não correriam o risco de virem a ser chamados pelo Engenheiro. Sim, porque o Coates teria que nascer 100 vezes para tirar o lugar ao António Silva - "Ó Evaristo, tens cá disto?". (O Fernando Santos como cómico - apesar daqueles trejeitos de pescoço e da fantástica rábula do IRS - também teria de nascer 100 vezes para tirar o lugar ao António Silva.)

 

Ontem terminámos o nosso aquecimento para o campeonato nacional em Famalicão. Para não variar o Amorim fintou toda a gente e lá inventou uma equipa capaz de dar cabo do Placard ao apostador mais ousado. O Edwards e o Arthur, que haviam sido os melhores contra o Casa Pia, foram para o banco. E o St Juste fez os 90 minutos. O caso do neerlandês então é paradigmático: o homem andava a jogar a espaços, porque havia perdido a pré-época por lesão e alegadamente precisava da paragem para o campeonato do mundo para recuperar a melhor condição física. E o que aconteceu? Agora que a paragem está à porta, abrindo-lhe essa janela a possibilidade de poder ser totalmente recuperado sem risco de recidivas em competição, pela primeira vez jogou o tempo todo. (Ao Gabinete de Performance o que é do Gabinete de Performance, ou ainda alguém se lembra de convocar para aqui os laboratórios Azevedos.) Felizmente nada de mais aconteceu para além de um golo do Famalicão. Podia ter sido um tiro no pé, assim foi só um auto-golo. (Azares à parte, a defesa foi de longe o nosso melhor sector, com Inácio a salvar um golo certo, Coates imperial sobre a terra e sobre o ar e o Jeremias igualmente bem.)

 

O Morita ganhou uma bola que o Paulinho endereçou para a baliza deserta. Só que o Trincão intrometeu-se e sobre a linha sacou o golo ao nosso necessitado ponta de lança. Conclusão: eles até podem ter sido colegas em Braga, mas cá para mim o Trincão é um amigo de Peniche. Para o Paulinho, que não para o Pote que aproveitou um penalty saído dos pés do ex-culé. Depois, o Morita viria a marcar um golo. A coisa na televisão pareceu limpinho, limpinho. Até o Freitas Lobo, meio resignado, o confirmou. O Euclides, o Euler e o Gauss também. Mas depois veio o VAR. E comeu-o. E lá foram o Pai Natal e o palhaço no combóio ao circo. Enfim, (terão sido só) fantasias de Natal...

 

Tenor "Tudo ao molho...": Seba Coates

 

PS: Outra fantasia de Natal é haver árbitros portugueses no Qatar. O Lineker é que não conhece bem isto, se não saberia que em Portugal o futebol são onze contra onze e no fim ganha o amarelo (também onze, ontem em Famalicão). 

trincão.jpg

07
Fev22

Tudo ao molho e fé em Deus

A metafísica do penálti


Pedro Azevedo

A história dizia-nos não ser fácil para o Sporting jogar contra o Famalição. Disse bem, F-a-m-a-l-i-ç-ã-o, ou Fama Lição, que para os jogadores minhotos cada jogo com um grande é uma montra para a fama, para o mercado (uma equipa de um mercador é naturalmente um amontoado de jogadores com os olhos postos no mercado), momento ideal escolhido para vestirem o melhor fato de gala e exibirem dentro do campo tudo o que aprenderam e não mostraram sempre que o palco foi menor ou despertou menos curiosidade mediática. Sabendo-se de antemão que nunca havíamos vencido o Famalicão para o campeonato (em cinco jogos) desde que este regressou das profundezas das divisões inferiores, os Sportinguistas já estavam precavidos para as lições futebolísticas que mais uma vez poderiam advir desta partida. Ninguém porém poderia esperar que desta vez a lição se fosse centrar sobre a metafísica do penálti e englobasse como protagonistas os numerosos comentadeiros de serviço das diversas televisões, todos eles procurando descrever os fundamentos, as leis, as recomendações, as causas ou princípios e o sentido e finalidade de realidade inerentes à marcação de uma grande penalidade. Surpreendentemente, a coisa acabou por ser um jogo dentro do próprio jogo, estendendo-se até para além do jogo, isto é, o jogo já há muito havia terminado quando a metafísica (ou meta fisica, para alguns) do penálti tomou conta do cenário central de abordagem ao próprio jogo. Deve dizer-se que a discussão teve a sua graça e permitiu-me dar algumas bem audíveis gargalhadas. Uma delas soltei quando um senhor da SportTV garantiu que o Porro havia caído em cima da perna de um jogador famalicense, razão substantiva, na sua opinião, para a marcação de um castigo máximo. Ora, eu não vi nada disso. O que eu vi foi o Porro imitar o Cavaleiro Negro do "Em Busca do Cálice Sagrado" (Monty Python), e já sem braços e pernas tentar, primeiro com a cabeça, depois só com as orelhinhas, incomodar o jogador minhoto como se do Artur de Camelot este se tratasse. E não preciso da metafísica, bastam-me os conhecimentos básicos sobre a física e em particular sobre a dinâmica do movimento, para entender que se alguém me cair sobre uma perna eu fico logo ali, com operação garantida à tíbia e perónio e fisioterapia durante meses, não dou nem mais um passo com o pé firme no chão (se a meia do jogador famalicense fosse branca ainda se poderia alegar no sentido da penalidade o "pé de gesso", mas sendo azul...). Outro momento hilariante foi o do penálti do Paulinho. Quer dizer, um jogador famalicense atrasa mal a bola e ao ver que Paulinho se vai aproveitar desse deslize procura emendar o erro através de um carrinho. A sua perna esquerda é consequente nesse acto e chega primeiro à bola enquanto o Paulinho esboça um movimento teatral ao ir de encontro às pernas do adversário. Até aí nada indiciara a existência de uma falta. Só que a perna direita do defensor desliza na relva e acaba por acertar no calcanhar do avançado do Sporting. Penálti nítido, sem sombra de dúvida, independentemente do La Féria ter no Paulinho um elemento em conta para incluir a trupe do Politeama. Penálti cá, penálti lá, a inquisição espanhola voltou a fazer toda a diferença: Sarabia castigou lá, Adán defendeu o castigo cá. E o Sporting foi para o intervalo na frente do marcador.

 

No segundo tempo os minhotos continuaram a mostrar um bom futebol, nomeadamente através de variações constantes do centro de jogo que muito atrapalharam as marcações do meio-campo leonino. Isso, somado à boa técnica de vários dos seus jogadores, foi criando inúmeros problemas aos leões, que muito devem agradecer o resultado à má definição do último passe/remate por parte dos famalicenses e ao monumental golo (o seu primeiro de verde-e-branco) de Matheus Reis que acalmou um pouco as nossas hostes. Enquanto isso, o Sporting procurava ter bola, única forma de esconder uma menor intensidade resultante do facto de 5 dos 11 jogadores em campo estarem à bica de falhar o jogo com o Porto. A fava acabaria por tocar a Porro, confirmado como o Cavaleiro Negro da noite de Alvalade, que assim estará ausente do Jogo do Título. Uma baixa muito importante para nós num jogo que vai pedir muita garra, disponibilidade física e vontade de vencer a cada um dos nossos jogadores. Bom, mas isso é só para a semana que vem. Para já "matámos" o borrego, seguir-se-á o Dragão. Jogo a jogo. E com Slimani como nóvel cavaleiro candidato a São Jorge (e Edwards como opção a ter em conta). 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Antonio Adán

porro fama.jpg

(Imagem: A Bola)

27
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

Faca na Liga e postas de pescada


Pedro Azevedo

Como quase tudo o que se relaciona com o nosso futebol, a Liga Portugal é bipolar. Por um lado, anuncia defender o rigor, a integridade e a defesa do produto Futebol, por outro mantém em aberto uma "competição" que é objectivamente uma "faca na Liga". Senão vejamos: o que dizer de uma Taça onde se joga até ser madrugada, o árbitro se apresenta equipado com uns "flaps" aerodinâmicos sob a forma de uns autocolantes esvoaçantes - em modo "segurem-me, senão eu descolo daqui para fora" (como eu o compreendo...) - , o intervalo(?) induz-nos para as calendas gregas e os discursos do Fidel, não há guita para a vídeo-arbitragem e o emparelhamento das equipas em grupos e respectivo sorteio apenas visam uma "final four" onde os "3 grandes" estejam presentes? Acrescente-se um juíz que, apesar de talhante, não vê um "boi" à frente dos olhos e perdoa um penálti do tamanho de um Miúra ou de um Vitorino ao Famalicão, um campo de pasto mais apropriado à criação do gado Domecq e podem imaginar o pesadelo de que estamos a falar. Depois admiram-se dos adeptos voltarem as costas a este tipo de eventos. Já dizia o Schopenhauer que a soma do ruído que uma pessoa pode suportar está na proporção inversa da sua capacidade mental, e os adeptos são suficientemente inteligentes para não embarcarem em engodos onde sacristãos em Lisboa conseguem vêr uma formiga no cocuruto do Cristo-Rei enquanto o Cardinal, no Pragal (Almada), diz ao Lucílio que nada observou de anormal (rima e tudo).

 

É certo que em tempos esta "competição" serviu-nos para fazer umas cócegas ao ego, mas agora que até já somos campeões nacionais a coisa sabe-nos a pouco. Pelo que a única vantagem de aderir a isto é permitir rodar jogadores, o que aconteceu abundantemente ontem. Foi bom, na medida em que todos tivemos a confirmação da valia de Ugarte, um patrão que deixa o colarinho branco em casa e vai para o trabalho vestido como um operário. Muita categoria reunida num menino que tanto põe a bola a 30 metros como se envolve na luta por a conquistar, nunca deixando de procurar ser feliz nas aproximações em terrenos mais avançados. E de uma dessas aproximações resultou o nosso primeiro golo. A coisa pareceu pré-destinada quando o pé direito do uruguaio encaminhou a bola para junto do poste esquerdo da baliza do Famalicão, mas um minhoto interpôs-se e o esférico seguiu o rumo oposto e anichou-se no canto direito das redes. Voltando a Schopenhauer: "O destino baralha as cartas, e nós jogamos". E, escrevendo direito por linhas tortas, o Sporting adiantou-se no marcador. Depois houve o tal episódio da mão que o Mota não viu, que o comentador da SportTV justificou com o "ângulo fechado", o que pareceu um reparo paradoxalmente obtuso. Estabelece-se assim a seguinte proporção: quão mais agudo o ângulo (menos de 90º), mais obtuso o comentário; da mesma forma, quão mais obtuso (mais de 90º) o ângulo, mais agudo o comentário (como mais tarde se perceberia através da, perfeitamente audível, estridente emoção que se apoderou do comentador quando com o ângulo perfeitamente aberto não conseguiu perspectivar um claríssimo fora de jogo de um famalicense e julgou estar restabelecido o empate na contenda). 

 

Se durante a primeira parte o Sporting escondeu a bola do Famalicão, na etapa complementar os leões preferiram controlar o jogo e reduzir os espaços. Ainda assim, couberam aos pupilos de Rúben Amorim as melhores oportunidades. Até que o Matheus Nunes libertou-se do espartilho e foi espalhar o caos na área dos minhotos. Por entre cruzamentos, remates e ressaltos, o Nuno Santos emergiu e com classe dilatou o marcador. Pouco depois entrou o Paulinho, e com ele nova esperança numa oportunidade de golo não desperdiçada. E desta vez o Paulinho não desperdiçou. Mas também não marcou, podendo talvez dizer-se que enjeitou, não rematando no timing correcto. Logo um senhor da SportTV aproveitou para umas postas de pescada. Segundo ele, o problema do Paulinho é o apoio incondicional do público. É o que se chama um ângulo obtuso sobre o tema do momento. Ora, andava eu pelos blogues a ler que a culpa da greve de fome do nosso avançado se devia aos "não-verdadeiros" Sportinguistas que criticavam a sua fraca produção em frente das balizas e afinal fiquei a saber que é do excesso de apoio que emana a maleita que o afecta. Não querendo fazer tábua rasa sobre o assunto, decidi desligar o televisor a fim de não pressionar o Paulinho com o meu incentivo. Estou agora ansioso por ler as crónicas dos jornais, ciente de que a coisa deve ter acabado numa cabazada de golos do homem de Barcelos. Tinha até planos para ir ver o Guimarães, mas se calhar fico em casa. É que com o estádio às moscas o Paulinho vai facturar. E o seu valor subir. Pelo que no dia em que já não houver um adepto nosso no estádio, vende-se o Paulinho para realizar algum capital, quem sabe transferindo-se então o nosso incondicional apoio para um sempre tão escrutinado qualquer produto da nossa Formação. Genial, o senhor da SportTV. (Queira o meu caro senhor desculpar-me, caso este meu incondicional incentivo ao seu desempenho perturbar futuras tiradas de génio da sua autoria.) 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Manuel Ugarte

 

P.S. Ah, e estamos agora mais próximos da "Final Four", ao contrário do Porto que já está fora. "O que passou-se?", dirão na sede da liga. Houston, we have a problem!? Se calhar, futuramente, é melhor a Taça da Liga avançar directamente para a Final Four pretendida, poupando-se os patrocinadores a estas contrariedades. À atenção do Dr Proença e do "rigor, integridade e defesa do produto Futebol".

ugarte scpfama.jpg

29
Ago21

Tudo ao molho e fé em Deus

Quarentas, quarentenas e um borrego por matar


Pedro Azevedo

Para gáudio dos "haters" do costume, que escolhem sempre ignorar as suas fulgurantes exibições, e daqueles que olham para a erva de uma forma recreativa e não veem um boi à frente dos olhos, o Matheus ontem foi uma nulidade. É verdade, com a cabeça dividida entre quarentas e quarentenas, que é como quem diz entre a "Equipa de todos nós" e a "Canarinha", o Menino do Rio apresentou um futebol digno da Selecção do Inatel. Assim, em vez de Escrete, esteve discreto. Mas não foi só por ele que a coisa correu mal. Ala que se faz tarde, nas laterais não houve qualquer magia, e Palhinha viu-se desde cedo condicionado por um cartão icterícia cortesia do velho amigo Veríssimo. Quanto ao Paulinho, deu muitos apoios frontais e mostrou um associativismo com a equipa tão digno de registo que convidaria até a que se formasse um clube de futebol na variante sem balizas. 

 

A coisa até poderia ter começado bem, não fora o Jovane ter mostrado uma técnica de recepção digna dos melhores campeonatos amadores. Vindo do mesmo homem que em Braga adestrou na perfeição (golo de Pote) uma bola bem mais difícil de dominar, dir-se-á que o desacerto se deverá atribuir mais a questões de (falta de) concentração do que de perícia. Seja como for, aos 2 minutos de jogo, o Sporting desperdiçou uma soberana oportunidade de golo. Com o Famalicão a pressionar muito os nossos médios centro, faltou paciência e assertividade ao nosso jogo. Prova disso, a quantidade de más decisões e de passes falhados que se verificaram ao longo da partida. Muito ajudaria que um dos centrais avançasse no terreno e ajudasse a libertar os médios centro e alas, e essa não observância foi provavelmente o maior defeito do nosso jogo. Assim, as nossas sucessivas perdas de bola convidaram os minhotos a contra-atacarem com perigo, resultando as suas oportunidades de bolas por nós entregues e não de sábio planeamento na construção de jogo. Valeu aí a presença de Adán, excelente em todas as suas acções, que só não conseguiu lidar com uma jogada de bilhar às 3 tabelas que poderia ter sido desenhada pelo nosso Jorge Theriaga. Do mal o menos, Palhinha ainda conseguiu empatar o prélio, um golo ainda assim insuficiente para que o Sporting conseguisse matar o borrego e finalmente vencer a besta negra famalicense, invicta face aos leões desde que regressou ao convívio com os grandes do futebol português. Que o mercado feche depressa! 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Adán

adán.jpg

06
Dez20

Tudo ao molho e fé em Deus

Conto de Natal


Pedro Azevedo

Em cada conto de Natal há geralmente uma moral associada. Em sintonia, aquele que ontem foi narrado em Famalicão versou sobre a precariedade do esbanjamento de recursos em face daquilo que pode vir a ser necessário mais tarde por via de uma conjuntura desfavorável inesperada (ou talvez não).

 

Para ilustrar a alegoria, os jogadores do Sporting desataram a oferecer presentes aos do Famalicão. Um dos pais natais de serviço foi o esloveno Sporar, um "omniausente" capaz de permanecer em campo durante cerca de uma hora sem que se vislumbrasse uma razão plausível para o efeito. Nuno Santos também não resistiu à chamada e aos 21 minutos perdoou uma grande penalidade. Já Adán começou por cometer um pecado original quando permitiu que a bola o sobrevoasse no lance do primeiro golo, para mais tarde vir a orientar audivelmente a barreira para a direita aquando da conversão de um livre em que acabou por se lançar tarde a uma bola que entrou pela sua esquerda. Pedro Gonçalves não quis ficar atrás e fez-se expulsar infantilmente por alegadamente pontapear a bola para longe quando o jogo estava parado. Ainda assim, essa acção tem mais que se lhe diga, pelo que a incluirei num capítulo à parte dedicado ao Scrooge de serviço na Cidade do Futebol. Também João Mário desperdiçou a oportunidade de incensar a exibição leonina, mas o senso do seu pé direito apontou mais para o desporto da bola oval e lá foram 3 pontos para Gales e só um para Alvalade. Por fim, como se os presentes não fossem já em número considerável, Borja entrou e logo entregou o ouro ao bandido, perdendo a bola infantilmente e permitindo o desequilíbrio que viria a resultar no livre que empatou o jogo. É certo que pelo meio houve dois momentos maravilhosos protagonizados por pedros que afagaram o coração dos Sportinguistas: num, o Pote fez recordar o que terão sido os natais dos portistas quando imitou a arte de Deco em jogada e golo de finíssimo recorte técnico terminada com um daqueles passes à baliza indefensáveis a que já nos habituou; no outro, o Porro deu ares de Alexander-Arnold quando de livre fez abanar as redes famalicenses. A estes dois momentos contrapôs Palhinha com um tempo inteiro, noventa minutos de alta intensidade a procurar contribuir para um Natal de felicidade de todos os Sportinguistas.

 

Ilustrada a oferta em demasia, passemos então à conjuntura. Para tal, sirvamo-nos de Luis Godinho, o árbitro que apitou os dois únicos jogos em que o Sporting perdeu pontos no campeonato. Sendo certo que Godinho não deverá ser neste momento benquisto em Alvalade, a verdade é que dentro do campo, tanto no lance de Pote com Zaidu - aquando da deslocação do Porto - como ontem no golo tardio anulado a Coates, sempre decidiu em primeira instância a favor do Sporting. Vendo intensidade no encosto do defesa portista (mais duradouro) e não a vendo no encosto do defesa Sportinguista (um ligeiro toque). Todavia, em ambos os casos reverteu a sua primeira decisão. E porquê? Devido a conselho do VAR, uma espécie de legião de scrooges com suposto apoio tecnológico que ameaça atormentar o Natal dos Sportinguistas. E assim, Tiago Martins não viu suficiente intensidade em Zaidu e Artur Soares Dias viu intensidade suficiente em Coates. Ou, pelo menos, colocaram a dúvida razoável na cabeça de Godinho. Em ambos os casos as decisões finais foram contra nós, pelo que talvez não fosse mal pensado que o Conselho de Arbitragem e os homens do VAR no próximo Natal fossem presenteados com um amperímetro. Com um amperímetro, ou mesmo com um pontapé no rabo. Tudo por motivos científicos, claro está, que o importante é que se possa testar a intensidade. A intensidade e a uniformidade de critérios, bem entendido. Adicionalmente, também me preocupa que nos queiram partir o Pote de Ouro. Começando por o amarelar de uma forma que deixa muitas dúvidas, para depois o tirar deste e de um outro jogo após uma falta que só existiu na imaginação prodigiosa do senhor Godinho. Mesmo dando de barato que a segunda demão de amarelo tenha surgido após extemporânea reacção do Pote e não pela infracção em si, algo que à hora a que escrevo não consigo garantir com toda a certeza, certo certo é que no próximo jogo o Pote será jarra.  

 

Conclusão (para além da moral inerente ao esbanjamento): o futebol português é difícil de compreender mesmo à luz da sapiência de um Aristotéles. E este foi aluno de Platão, o qual por sua vez aprendou com Sócrates, pelo que imagine o Leitor o conhecimento que acumulou! Entre outras coisas não menos célebres, deixou-nos o seu silogismo. Ora, o VAR foi-nos vendido como suficiente para que a verdade desportiva prevalecesse. Seguindo o silogismo aristotélico, se o VAR é composto por árbitros, então os árbitros também seriam suficientes para que a verdade desportiva prevalecesse. Mas então não foi por os árbitros não serem suficientes à verdade desportiva que se criou o VAR? O que nos leva a deitar fora o silogismo aristotélico e evoluir para a adaptação do silogismo nietzschiano à realidade da arbitragem portuguesa: se o árbitro "não existe", então vale tudo, tudo é permitido. Para não sermos tão radicais, recorramos então a Wittgenstein e ao seu "Tractatus Logico- Philosophicus", em que estabelece que uma proposição é uma representação figurativa dos factos, tal como uma maquete é uma representação figurativa de um edifício. Assim, recorrendo ao filósofo austríaco, juntando duas proposições e não perdendo de vista a maquete e o edifício, é possível formular a fortíssima hipótese de que a verdade desportiva está para os árbitros ou ex-árbitros que compõem o VAR como a obra-prima do Mestre está para a prima do mestre-de-obras. Porém, para os mais optimistas do Conselho de Arbitragem a coisa ainda provavelmente ficará inconclusiva na medida em que representará dois estados hipotéticamente reais (o VAR é a verdade desportiva, a prima do mestre-de-obras é a obra-prima do Mestre), sendo certo no entanto que a única salvação do edifício onde se alicerça a arbitragem portuguesa será o mestre-de-obras ser sobrinho do Mestre e a filha deste ser a Kate Beckinsale. Ou isso, ou o VAR ser constituído por não-árbitros. Estamos entendidos? 

 

P.S. Na geometria descritiva aprende-se que duas rectas paralelas só se encontram no infinito. Ontem aprendi que a excepção a esta regra é um ponto localizado no Conselho de Arbitragem onde as rectas se reunem apressadamente aos sábados à noite. Que outra forma haveria para justificar a intersecção de pontos de vista entre alguém conhecido por não ver o que toda a gente viu (João Ferreira, mão de Ronny) e outro alguém famoso por sancionar o que mais ninguém viu (Lucílio Baptista, "mão" de Pedro Silva)?  Enfim, deve ser um erro de paralaxe... 

 

Charles Dickens do "Tudo ao molho...": João Palhinha

palhinha2.jpg

24
Set19

Tudo ao molho e fé em Deus - Plano D


Pedro Azevedo

(Estive para não escrever, até porque hoje não há ironia que me valha.)

 

Frederico Varandas dizia ter tudo controlado. Para além do Plano A, ainda havia o Plano B e até o Plano C. Ao fim de 8 jogos oficiais - vamos esquecer a pior pré-época da história do clube, concluída sem uma única vitória em seis jogos - descobre-se que também existia um Plano D. D de Derrota, mas também de David (Copperfield), que deverá ser o senhor que se segue como treinador. É que só por magia é que se põe esta manta de retalhos, a que se convencionou chamar plantel, a jogar bom futebol, tantos foram os equívocos da preparação da época. Não sei se era este o benchmark - 25% de vitórias, 25% de empates e 50% de derrotas - a que Francisco Salgado Zenha aludia enquanto esgrimia argumentos a favor do aumento do seu salário e dos salários dos restantes administradores da SAD, mas, se era, então tenho de dizer que também está ao alcance da minha filha de 8 anos, a quem tenho tentado mostrar que este inicio da época não é Experiência Sporting que se recomende ou que faça justiça à nossa história. 

 

Os resultados desportivos da equipa de futebol são só a ponta do icebergue à espera do Titanic, o tal que tinha fama de inafundavel até ao dia que naufragou para sempre. É o que geralmente acontece quando circunstancialmente o desempenho não nos deixa ver os erros no processo. Quando finalmente o desempenho desaparece ficamos sem nada por onde pegar - o estado actual das coisas. Os equívocos no processo eram mais do que evidentes: um presidente que não acredita em várias gerações provenientes da Academia contrata um treinador com fama de apostar em jovens. Esse treinador, que no Ajax se limitou a prosseguir a aposta conduzida por Peter Bosz numa equipa que havia chegado à final da Liga Europa, vai aceitando que se vão emprestando ou vendendo todos os jovens da Formação em idade sênior, ao mesmo tempo que intrigantemente perde as suas convicções iniciais de princípios de jogo, algo logo unanimemente aplaudido por uma CS desejosa de que o Sporting não saia do próprio labirinto que criou. Entretanto, primeiro Nani depois Dost, jogadores de qualidade saem do Sporting. Em contrapartida, desde Janeiro chegam 14 novos jogadores a Alvalade, algo que o presidente define como "contratações cirúrgicas", sem que se torne evidente um aumento de qualidade da equipa. A ida ao mercado traz mais problemas do que soluções ao ainda treinador leonino, o qual a fim de por a jogar Vietto acaba por alterar a sua ideia inicial de 3 jogadores de perfil no meio campo para um quadrado. Os que transitam da época anterior (des)esperam  até ao último dia sem saberem se ficam ou não. Qualquer um pode ser vendido a todo o momento, o que não contribui para a estabilização de um grupo de trabalho. A equipa vacila e Keizer é trocado por Leonel Pontes. Raphinha e Thierry saem no último dia do mercado. Em vez de irmos buscar um ponta de lança, a SAD promove uma ainda maior hiper-inflação de alas. Paradoxalmente, Leonel Pontes, que adoptara com sucesso o 4-3-3 na equipa de Sub-23 e estava perfeitamente consciente da abundância de alas, define um sistema de jogo que não contempla... alas. Entretanto, o único ponta de lança do plantel principal lesiona-se e o seu homólogo dos Sub-23 não é inscrito. Simultaneamente, o presidente diz ter contratado um "avançado centro" e o administrador Zenha declara que o Sporting se reforçou enquanto os seus rivais perderam jogadores, ao mesmo tempo que explana os seus argumentos para o aumento dos ordenados dos administradores da SAD em contra-ciclo com a narrativa ao mercado de "alívio salarial" em jogadores como Dost e Nani. No meio da alienação colectiva, da qual só Bruno Fernandes se parece salvar, um central experiente e muitas vezes internacional como Coates, de cabeça totalmente perdida, desata a conceder grandes penalidades e auto-golos aos adversários, num total de cinco acções desastrosas nos seus últimos 3 jogos. Confusos? De tão mau até parece ser de propósito, mas isto é somente o Sporting no seu pior. 

 

Ironia do destino: uma equipa desenhada pelo agente Mendes vai a Alvalade e dá o golpe fatal às aspirações Sportinguistas neste campeonato. Quem foi à espera do show de Jesé acabou a presenciar o Fama(licão) Show. O presidente? Depois de ter dito que só apareceria nos momentos maus, permaneceu em silêncio. Por certo agarrado à "casa das máquinas". Do Titanic...

 

Tenor "Tudo ao molho..." : Bruno Fernandes, o ausente omnipresente, ou o "omniausente"

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Aboím

    O nome que me faltava era Duarte e o pai dele tinh...

  • Aboím

    Sou de facto do Norte (nascido em Trás os Montes) ...

  • Pedro Azevedo

    E eu a pensar que os holandeses sonhavam com tulip...

  • Pedro Azevedo

    Caríssimo Aboím, ganhámos!!! Mas podíamos ter poup...

  • Aboím

    Num comentário anterior eu deveria ter escrito (co...