Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

13
Fev23

Tudo ao molho e fé em Deus

Um Chermiti contra o associativismo


Pedro Azevedo

Para além de Ugarte, o Sporting tem no seu plantel 6 médios. Bragança é um lesionado de longa duração, Morita ficou indisponível à última da hora, mas estavam desimpedidos 2 miúdos da formação (Essugo e Mateus Fernandes) e outros 2 jogadores contratados esta época (o Tanlongo e o Buscapoulos). Resultado? Vários milhões depois, gastos entre olheiros (eles), olheiras (nós) e colchões da Academia, contra o Porto o titular foi Pote, o nosso melhor marcador das duas últimas temporadas, que obviamente fez falta lá na frente. Depois há o caso do elevador de St Juste, que voltou a ficar parado. Alta manutenção, está mais do que visto, ou não tivesse custado 9,5M€. Passou mal a noite, leu-se por aí, interpretando-se tal como um transtorno do foro gastro-intestinal. Depois do ombro, joelho, coxa e tornozelo, os intestinos e o estômago... Enfim, o neerlandês até é bom jogador, o problema é que o único orgão relacionado que parece funcionar bem é o da igreja luterana que frequenta. Se uns não podem ir a jogo, outros ficam no banco por opção. Mas é uma opção de curto prazo, porque o impulso pavloviano do treinador com Paulinho e Esgaio faz com que não resista a mandá-los para o relvado à primeira oportunidade, ainda que o primeiro tenha entrado 1 hora antes do tempo e o segundo tenha estado 15 minutos a mais em campo. O fisiologista Pavlov chamou-lhe reflexo condicionado. Se é reflexo, eu não sei, mas que condiciona (a equipa), lá isso condiciona. Muito. E depois há o caso da gestão de Fatawu. De prometedor contra o Braga para a bancada face ao Rio Ave, como tirocínio para a titularidade ontem com o Porto, jogo em que depois saiu ao intervalo. Vi algo parecido na antiga Feira Popular, creio que se chamava Montanha Russa. É só emoção! (Mas cabeça fria precisa-se.)

 

Já li por aí que a nossa exibição foi deprimente e assim, mas não estou de acordo. Deprimente foi o nosso jogo em Vila do Conde, isso sim. Só que ganhámos, e isso fez com que os leões fizessem de avestruzes e enfiassem a cabeça na areia. Ontem, pelo contrário, fizemos uma boa primeira parte. Mas não fomos felizes na finalização. Só que depois demos o estoiro, o que já é prática corrente. E, entre erros próprios (Coates) e má fortuna (Ugarte), demos 2 golos de bandeja ao Porto. Também não ajudou muito termos 1 único jogador capaz de desequilibrar no 1x1 (Edwards) e somente 1 ponta de lança goleador (Chermiti), características individuais que por vezes se sobrepõem a uma equipa que não está a funcionar como um todo e fazem ganhar jogos, pelo que perdemos. Perdemos no presente, mas talvez tenhamos ganho algo no futuro (Chermiti). Mas nunca se sabe, pode ser que o Amorim lance o Youssef no próximo jogo da B. É que é preciso comer muita papa até dominar o associativismo... 

 

Artur a suar(es) há dias é um caso perdido desde que os Super Dragões invadiram o centro de destreinos da Maia. E a culpa nem é principalmente dele, mas sim de quem o deveria proteger (Estado e Federação) e prefere assobiar para o lado, deixando-o exposto. E de quem o freta, ano após ano, para estes caldinhos (Conselho de Arbitragem). Ontem amarelou tudo o que pôde vestido de verde-e-branco e fez vista grossa a um pisão de Pepe que quase arrumava com o Chermiti, ali bem à frente dos seus olhos. O que o faz correr? Com um caso perdido não se devem gastar muitas linhas, que a vaidade de ver o seu nome impresso ainda pode sobrepor-se aos motivos pelos quais é chamado à colação. Apenas dar graças a Deus por haver um limite de idade até para a asneira. (A UEFA e a FIFA é que os topam bem, e mais não digo.)

 

O ambiente está ao rubro entre os apaniguados do J Marques e as testemunhas de Janelá. Se dentro das quatro linhas a disputa vai ser até ao fim, fora delas vamos ver quem vai ser o campeão dos figurões. E o que não falta aí são discípulos (até no nosso clube, mas jogam para nulos), todos a aprenderem pela cartilha de João de Deus dos pobres de espírito. Pode ser que lá para o fim da época até já saibam escrever, que o que dizem não se escreve (nem se recomenda). 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Youssef Chermiti

Chermiti7.jpg

08
Fev23

Chermiti, o regresso ao passado


Pedro Azevedo

As características de Youssef Chermiti aproximam o Sporting da sua versão 2020/21, época coroada com o título de campeão nacional. Ao contrário de Paulinho, que desce para dar geometria e organização ao ataque, Chermiti é um Mustang, mais de procurar a profundidade, de esticar o jogo e encontrar espaços nas costas das defesas adversárias, assemelhando-se assim a Tiago Tomás ou Sporar. E, quando recua, segura a bola e fixa o defesa antes de passar curto e desmarcar-se nas suas costas. Nesse transe, a acção de Chermiti serve melhor o propósito de encontrar espaço entre-linhas, enquanto a de Paulinho visa mais a atracção ao centro para encontrar espaços nas alas, a circulação em "U", jogando assim o Sporting, com ele, mais por fora e não tão "dentro" do adversário. Associando a forma de jogar de Chermiti com as características individuais dos jogadores que o circundam, diria que Pote será o mais beneficiado com a sua inclusão no Onze, ele que possui inteligência para aproveitar como ninguém o espaço nas costas do defesa que é arrastado pelos movimentos com e sem bola de Chermiti (ou as segundas bolas que sobrem do embate do nosso ponta de lança com os defesas). Também Morita desfrutará mais com a inclusão de um ponta de lança que temporiza aquanda da fixação do central e procura essencialmente associar-se ao médio ou interior mais próximo. Todavia, a equipa ainda não está montada para aproveitar totalmente as características do nóvel ponta de lança, nomeadamente a sua envergadura, instinto predador e facilidade de remate. Aqui a inclusão de Nuno Santos como interior pelo centro-esquerda poderia contribuir para mais concretizações na área, beneficiando Chermiti de uma simplicidade de processos que foi chave no campeonato ganho pelo Sporting. É que, com Paulinho, o Sporting joga de uma forma mais elaborada, bonita até, mas jogar bonito não significa que se jogue melhor. E, com Chermiti, o Sporting pode regressar aos básicos, reencontrando-se com uma forma de jogar simples (passe-desmarcação-cruzamento-golo) mas que já se revelou tremendamente eficaz. Tem a palavra o Rúben Amorim. 

Chermiti, um regresso ao passado que é também o regresso a um futuro dê sustentabilidade, de aposta nos jovens da nossa cantera.

chermiti2.jpg

07
Fev23

Tudo ao molho e fé em Deus

“Quatro Centrais Futevoltaicos” e um Chermiti ligado à corrente


Pedro Azevedo

Com Manuel Ugarte mais baixo no terreno do que é costume, formando uma inovadora (para o treinador) linha de quatro defesas - 4 Centrais Futevoltaicos, que esgotaram as baterias num circuito fechado que foi a consagração da posse estéril - , Rúben Amorim pretenderia alimentar o resto da equipa com segurança. Só que o jogo foi de noite, o sol há muito já se havia posto e o recúo do uruguaio acabou por enfraquecer o jogo atacante do Sporting, que com menos um homem no meio campo perdeu energia e ligação entre os sectores. Essa ausência de corrente no miolo, agravada pela falta de meios auxiliares de diagnóstico - o (grego) Buscapoulos ficou em Lisboa - ,  persistiu durante todo o jogo. E, se no relvado faltou condução de energia, no banco deu-se um apagão. Salvou-se então a inteligência de Pedro Gonçalves e a energia de Chermiti, o único jogador que verdadeiramente esteve sempre ligado à corrente. Desta parceria nasceria aliás o único golo do desafio, com a Defesa vilacondense a ser arrastada com sede a mais ao Pote e o Chaimite a atingir o alvo. Antes, quase tudo foi deprimente, desde a arbitragem de Manuel Mota - Quantas faltas pode um central fazer sobre um mesmo jogador (Chermiti) sem sofrer a devida punição disciplinar? - até aos centros inversamente proporcionais de Matheus Reis -  se o Chermiti ia ao primeiro poste, ele metia a bola no segundo; se o nosso ponta de lança surgia ao segundo pau, o brasileiro punha a bola no primeiro - , passando pelos desastrados passes de Ugarte, gerando uma exasperação no adepto que só não se transformou em frustração devido à expedita acção de Adán numa ocasião. Mas ganhámos, o que permitirá uma qualquer outra leitura do jogo mais adaptada ao resultado. Com a Vossa licença, para esse peditório eu passo. 

 

Em resumo, jogámos como sempre quando na condição de visitante esta época e GANHÁMOS como (quase) nunca. Com o golo marcado por um miúdo de 18 anos da nossa Formação, o que me fez surgir um brilhozinho nos olhos. Hoje soube-me a pouco, hoje soube-me a tanto... (É destes oxímoros que também se faz o sortilégio do futebol.)

 

Tenor "Tudo ao molho": Youssef Chermiti. Pote, Adán e Inácio (passe a queimar linhas no golo do Sporting) salvaram-se também da nota negativa.

ChermitiEO21801.jpg

02
Fev23

Tudo ao molho e fé em Deus

O Tsubasa, o Copperfield e o Button foram à bola


Pedro Azevedo

Os amantes do futebol associativo passaram uma semana de grande ansiedade após terem visto o seu ícone, Paulinho, desassociar-se do resto da equipa, deixá-la em campo em inferioridade numérica e ser suspenso. Foi como se lhes tirassem um dos seus últimos argumentos, uma das suas derradeiras linhas de defesa contra a falta de proficuidade goleadora do nosso avançado centro. Na verdade, o associativismo do Paulinho estava para o ponta de lança como o charme está para os homens - "Ah, e tal, não é bonito mas é um homem muito charmoso" - , uma característica que lhe dava patine, o tornava interessante e fazia esquecer tudo o resto. Mas, o drama, o horror, a tragédia, o Paulinho estava de fora do jogo com o Braga e os últimos resistentes da intrépida devoção ao "Citizen Kane" português - "Como saberes o que é suficiente, se não souberes o que é demais?" Há excessos assim que nos abrem os olhos para delirantes percepções da realidade... - rezavam secretamente para que Amorim lançasse o trio dinâmico na frente, com Trincão e sem ponta de lança. (Se não se puder provar que um seu eventual substituto é melhor, então é mais fácil de conceder que o Paulinho, ainda que não goleador e divergentemente associativo, tem de jogar.)

 

Acontece que o Amorim decidiu operar uma pequena revolução. E, qual Salgueiro Maia, avançar para o quartel que já foi do Carmo (agora no Porto) com o chaimite, ou Chermiti, ou lá o que é esse menino que deslumbra tanto a cada toque na bola como a cada movimentação sem ela, ora servindo apoios frontais, ora arrastando marcações, com a vantagem adicional de não se inibir no jogo aéreo e disputar com quantos adversários for preciso qualquer bola nas alturas. Não é fácil para um menino de 18 anos saber quando deve soltar a bola rapidamente e desmarcar-se ou simplesmente a reter e esperar pelo avanço dos colegas, mas nesse aspecto o Cherniti pareceu um veterano, um Benjamim Button desfilando de chuteiras. E quanto aos arrastamentos dos centrais, bom, basta dizer que os segundo e terceiro golos do Sporting resultaram dessas movimentações, com a cereja em cima do bolo de o segundo ainda ter tido uma assistência à Madjer do nosso puto a engalaná-lo. Além disso, o nosso novo ponta de lança mostrou bom jogo de cabeça, ora antecipando-se a todos ao primeiro poste, ora vencendo a oposição de 2 adversários numa bola dividida. É claro, porém, que o Chermiti não jogou sozinho. Houve muito Edwards na condução e transporte de bola, naquele seu estilo de prestidigitador, que habilmente mostra a bola ao defesa para o iludir e logo a esconde com um rápido movimento de pés. E tivemos também, e principalmente, um grande Morita, o nosso Tsubasa, gregário no meio do campo e letal na chegada à área. Um espectáculo este japonês que a todos encanta pela sua generosidade, humildade, simpatia e, é bom não esquecer, qualidade técnica ímpar. Depois destes, destaco ainda Pote, St Juste e Esgaio (e o grande golo de Matheus Reis e a iniciativa de Fatawu que deu um penálti). O primeiro de volta aos golos e sempre em movimento, o segundo ímpar nas acelerações e com passes sempre precisos e o terceiro rejuvenescido, como que liberto de uma sombra opressora tutelar que o esmagava e confrontava com a sua própria realidade. 

Uma vitória muito importante do Sporting, que culminou uma semana em que o Braga foi servindo de exemplo de gestão para nós. Dez-a-zero depois (pouparam a visita ao museu), com um mês de intervalo, eu diria que o Braga deve mesmo servir de exemplo. Para o Rio Ave, o Porto e os restantes desafios que temos pela frente. Porque o único salvador de que precisamos está dentro da nossa casa. E quando faz as coisas certas, é certo que estamos mais perto de ser felizes. Jogo a jogo, Amorim. 

PS: O único senão foi a voluntária exclusão de Coates para o jogo de Vila do Conde. Os melhores disponíveis devem sempre jogar o próximo jogo (de acordo com a narrativa de "jogo a jogo"), e a ausência do uruguaio vai obrigar-nos a reformular toda a defesa (Inácio para o meio, Reis à esquerda). Aprender com os erros faz parte da evolução humana, e a ausência de Pote (a que se seguiu a opção por não colocar Nuno Santos de início) já nos custou 3 pontos na Madeira à conta de poupanças para o jogo com o Benfica (que não ganhámos). 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Hidemasa "TSUBASA" Morita

morita braga.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Caro José, a arbitragem portuguesa é marcada por e...

  • José LX

    Caro Pedrodesculpe, mas gostaria ainda de acrescen...

  • José LX

    O Var comunicou ou não? Segredo dos deuses... Sem ...

  • Pedro Azevedo

    O que sei é que em matéria de competência a UEFA e...

  • Anónimo

    A realidade alternativa, no nosso futebol, é um ...