Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

08
Mar23

Além de Alvalade

O regresso de um velho nobre


Pedro Azevedo

Estreio esta nova rúbrica para Vos falar de uma história de encantar que está a ocorrer em França. E o protagonista não é o novo-rico Paris Saint Germain mas sim o velho nobre Stade de Reims, finalista da Taça dos Campeões Europeus em 1956 e 1959 (3-4 e 0-2, respectivamente, sempre contra o Real Madrid) e seis vezes vencedor do campeonato gaulês entre 1949 e 1962. Pelo clube fundado por Melchior de Polignac, um marquês que financiou a construção do edifício-sede, outrora passaram grandes jogadores como Jean Vincent, Roger Piantoni ou Just Fontaine (recordista de golos numa fase final de um campeonato do mundo, Suécia 58). Mas o jogador mais emblemático da história do clube ainda é Raymond Kopa, que jogou as duas referidas finais europeias, curiosamente uma por cada clube (Reims em 56, Real em 59). Desde os anos 60 afastado dos grandes títulos, o Reims tem protagonizado esta temporada um ressurgimento espectacular. Depois de um início titubeante em que o espectro de despromoção esteve mesmo em cima da mesa, o clube decidiu trocar o espanhol Oscar Garcia por um inexperiente belga, Will Still, de 30 anos, que nunca havia sido treinador principal na sua ainda curta carreira. E a realidade é que, 16 jogos depois, o Reims continua invicto para o campeonato, fruto de 8 vitórias e 8 empates, prolongando uma série de 18 jogos sem perder iniciada ainda pelo antigo treinador (2 empates antes de Still ter pegado na equipa), forma recente que lhe daria o terceiro lugar, a apenas 1 ponto do Marselha e a 3 do PSG, se considerassemos só a última quinzena de jogos disputados já com Still ao leme. Uma história para continuar a seguir com interesse, não só pelo regresso do Stade Reims à ribalta como também pela ascensão meteórica do Nagelsmann belga que o dirige no campo. 

will still.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Caro José, a arbitragem portuguesa é marcada por e...

  • José LX

    Caro Pedrodesculpe, mas gostaria ainda de acrescen...

  • José LX

    O Var comunicou ou não? Segredo dos deuses... Sem ...

  • Pedro Azevedo

    O que sei é que em matéria de competência a UEFA e...

  • Anónimo

    A realidade alternativa, no nosso futebol, é um ...