Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

28
Ago20

Rendimento desportivo vs mais-valias


Pedro Azevedo

Quando olho para a Gestão de Activos no futebol comparo-a com o portefólio de uma carteira de investimento. Eu tenho um conjunto de capitais próprios, capitais alheios (financiamento) e receitas que vão alicerçar esse investimento e de seguida preciso de fazer uma alocação equilibrada que vise um rendimento mínimo que depois pode ser potenciado por mais-valias. 

 

Na constituição desse portefólio eu vou procurar ter uma base segura e pouco volátil de rendimento, recorrendo para isso a obrigações de baixo risco. De seguida, posso abdicar de algum desse rendimento semi-garantido, comprando obrigações mais voláteis ou investindo em acções. O objectivo é o de melhorar o rendimento final, sem que tal possa afectar determinantemente o capital investido.

 

Os activos do futebol não são muito diferentes dos financeiros. Chamam-se direitos económicos e devem ser geridos com critério visando o rendimento desportivo e financeiro. Tal como nos investimentos em activos financeiros, em primeiro lugar dever-se-á privilegiar uma base que garanta um rendimento mínimo. Seguidamente, podemos então procurar um conjunto de activos especulativos com o objectivo de melhoria do rendimento global. 

 

No antigo FC Porto, jogadores como João Pinto ou Paulinho Santos faziam toda a carreira no clube. Eram eles que passavam a mística do clube e era alicerçado neles que se começava a garantir o rendimento desportivo. O objectivo do clube com esses atletas não era produzir mais-valias, porém a sua coexistência no plantel visava a solidez e consistência da equipa e acabava por ajudar a garantir rendimento desportivo e também financeiro por via da alienação de passes de outros atletas que saíam valorizados por via do impacto das vitórias em solo nacional e internacional. Nunca o Porto pensou em vender João Pinto ou Paulinho Santos durante a fase mais efusiva das suas carreiras, na medida em que a constância do seu rendimento sempre foi mais importante para o clube do que um ganho extraordinário (por contraposição a ordinário) proveniente da sua venda. (Poderia também dar o exemplo mais recente de Luisão na Benfica.) 

 

A meu ver, dado a regularidade do seu rendimento a alto nível, Marcos Acuña é um desses jogadores que não deve ser comprado com o objectivo de uma futura mais-valia. O argentino é como uma obrigação que vai sendo amortizada antes da maturidade e cujo cupão vai garantindo um rendimento mínimo (desportivo) fixo exigível. Outros jogadores haverá em que se tornará importante determinar o ponto óptimo da venda, atendendo à idade, prazo para final de contrato, previsível evolução da economia, impacto na equipa e possibilidade de substituição imediata, tudo variáveis que deverão estar presentes no sentido da optimização do modelo.

 

O que eu quero dizer é que um plantel deve ser constituído com uma base de jogadores que garanta um rendimento constante, aquilo com que se ganham provas de regularidade como um campeonato nacional e que manifestamente vem faltando em Alvalade há algum tempo. Depois, isso pode e deve ser complementado com activos mais voláteis. Todos sabemos o preço da genialidade e muito poucos são como Bruno Fernandes que consegue manter uma regularidade impressionante a altíssimo nível. O mais comum nos jogadores que fazem a diferença é alternarem momentos de grande inspiração com algum desaparecimento do jogo, pelo que é nesses momentos que uma equipa é "agarrada pelas orelhas" pelos jogadores de rendimento constante. Recordo sempre com redobrada saudade o percurso do Sporting de Malcolm Allison em 1982, uma equipa absolutamente direccionada para a frente e cujo caos proveniente da desorganização defensiva aquando das transicções contrárias era evitado pela classe e intuição de Eurico e pela acção de carregadores de piano como Marinho ou Nogueira. 

 

Enfim, deixei aqui aquela que é a minha visão da forma como deve ser formado um plantel de futebol e como esta indústria pode e deve beber conhecimento noutras actividades económicas. O fundamental é que exista uma ideia prévia e que os jogadores sejam envolvidos nessa visão e saibam de antemão o que se pretende deles, até porque um jogador de futebol não é como um sobreiro ou um activo financeiro, tem ideias e vontade própria e a pré-comunicação clara do que dele se pretende poderá evitar problemas no futuro.  

acuña.jpg

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    De facto, o WBA é candidato a descer. Aliás, dos q...

  • Pedro Azevedo

    Complementando, tivemos pelo menos (tanto quanto ...

  • Pedro Azevedo

    O sistema de Ruben Amorim é um 3-4-3, ou 3-4-2-1 s...

  • Pedro Azevedo

    *... o Viktor jogar (correcção ao meu teclado inte...

  • Pedro Azevedo

    O Viktor já não vi jogará Porém, dele recordo aque...