Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

29
Jun20

Possibilidade de desenvolvimento do nosso jogo


Pedro Azevedo

Uma equipa que pratique um futebol atacante como a do Sporting está na maior parte do tempo instalada no meio campo adversário. Ora, atendendo a que habitualmente um campo tem as dimensões de 110 m/70m - considerando que a linha defensiva estará posicionada um pouco atrás do grande círculo, o ponta de lança andará nas imediações da grande área contrária e os laterais/alas abrirão em largura - , então na maior parte do tempo a equipa ocupará um espaço de 45 metros de comprimento e 70 metros de largura.  

 

Com bola, o Sporting de Ruben Amorim ocupa 4 linhas, guarda-redes excluído. Existe uma primeira linha defensiva de 3 centrais, uma segunda que compreende dois médios centrais e dois laterais/alas, dois avançados interiores como enganche e um ponta de lança. Ora, fazendo as contas, supondo que a distância entre todas as linhas é uniforme, teremos uma distância entre linhas igual a 15 metros, o que é superior àquilo que seria unanimemente recomendável para praticar um futebol posicional (à volta de 10m). Acresce que é possível ver à vista desarmada que médios centro e centrais estão demasiado próximos, o que faz com que o espaço compreendido entre os médios centro e os dois enganches ascenda por vezes a 20/25 metros, o que, ou inibe o passe e engasga o nosso jogo (lateralizações), ou acaba por estar na origem da perda de tantos passes, ambas as situações contribuindo para piorar a qualidade do nosso jogo. Se a isso adicionarmos a falta de conhecimento por parte de Plata daquilo que é requerido a um interior e as características individuais de dois enganches que pensam muito mais como avançados do que como médios (acelerando e não temporizando), fica explicada a razão pela qual tantas vezes a solução de recurso para os médios é colocar a bola directa em Sporar. Tal permite também perceber porque habitualmente a circulação de bola do Sporting é em "U", procurando parcerias entre os laterais/alas e os interiores por detrás do ponta de lança que essencialmente têm características de extremos e acabam por procurar muitas vezes a bola junto às linhas laterais. 

 

Uma solução para este problema, que se poderá vir a manifestar de forma nefasta nos resultados contra equipas mais evoluídas, poderia passar pelo recurso a mais uma linha no meio campo. Existem duas possibilidades de colocação dessa nova linha no terreno, mas só um jogador ideal para a ocupar: Francisco Geraldes. A meu ver, ambas as possibilidades trazem vantagens, todavia uma delas poderá incluir inconvenientes. A primeira possibilidade passaria por Chico substituir Plata, recuando um pouco face a Jovane, assumindo-se mais como um médio atacante do que como um enganche de Sporar, dando uma componente mais cerebral ao nosso futebol. O senão desta alternativa é a equipa poder perder alguma capacidade de explosão na frente. A segunda possibilidade, aquela em que mais acredito, envolveria a saída de um dos médios centro actuais e a criação de uma linha à frente onde actuaria Geraldes. A ideia seria haver uma clara definição entre as posições "6" e a "8", o que ajudaria o nosso jogo interior a desenvolver-se mais. Acresce que, com 3 centrais atrás, me parece excessiva a utilização de dois médios a par na linha imediatamente à frente, situação que leva muitas vezes a um engarrafamento na saída de bola e cria até indefinição sobre quem atacar a bola no processo defensivo (vidé o segundo golo, de carambola, do Vitória de Guimarães). Com 5 linhas, o espaçamento entre sectores seria mais próximo do ideal (11,25m) e a equipa poderia ligar muito melhor e variar mais o seu jogo ofensivo, incluindo aí as entradas frontais do "8" que hoje em dia não temos. Por outro lado, aquando da perda de bola a equipa estaria muito mais inteligentemente disposta no terreno para a recuperar rapidamente, não dando espaço entrelinhas nem permitindo transições. (A grande vantagem para mim deste 3-4-3, ou 3-4-2-1, ou 5-4-1 quando sem bola, é a possível inclusão de Geraldes como "8", algo que não seria tão credível num 4-3-3 onde ao "8" é pedido muito mais trabalho defensivo.)

 

Não sei o que Ruben Amorim pensará disto, porque no actual contexto da comunicação nos clubes portugueses poucas vezes há a possibilidade de questionar um treinador sobre o futebol jogado. Mas que gostaria de lhe perguntar como vê esta possibilidade de desenvolvimento do nosso jogo, lá isso gostaria. 

ruben amorim.jpg

34 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Jorge Solano

    Concordo em absoluto com o Fowler. Como diriam os ...

  • Pedro Azevedo

    Sem dúvida! Repare que em poucos meses Bruno Ferna...

  • Anónimo

    Bruno é de facto um futebolista a parte...todo o s...

  • Pedro Azevedo

    Este Hasenhutti que esteve antes no Red Bull Leipz...

  • Pedro Azevedo

    Só não coloco o Vertonghen em primeiro porque o ac...