Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

06
Abr20

O amor em tempos de cólera

O amor em quarentena


Pedro Azevedo

Como diria o Alexandre O'Neill, ser Sportinguista é uma coisa em forma de assim. Não é mau de todo, diga-se. É mais impositivo do que ser "assim-assim" e menos radical do que ser "assado", embora muitos Sportinguistas frequentemente passem pelas brasas. Aliás, essa atracção pelo abismo é algo que faz parte do nosso ADN. Umas vezes a culpa nem é nossa, como quando somos compelidos a vivenciar o inferno de Alder Dante (o apanha-bolas no nevoeiro das Antas), de Veiga Trigo (Silvinho no berço da nacionalidade), João Ferreira (mão de Ronny), Paraty (carga de Luisão) ou dos inefáveis irmãos Calheiros. Outras vezes somos nós que incendiamos Roma e depois criamos trincheiras onde vamos cavando as nossas diferenças. É também uma forma singular de "jogarmos ao guelas", com covinhas e tudo, em que cada jogador tenta denodadamente "matar" o inimigo interno até que no fim chega o adversário externo munido de um abafador e nos leva os "berlindes" todos. 

 

Em cada Sportinguista há um oráculo: muito antes do Coronavírus já os Sportinguistas haviam experimentado o que é viver colectivamente de forma separada. Com efeito, nós estamos (somos?) como um tubo de ensaio onde se adicionam "reagentes" como a água e o óleo que periodicamente é submetido ao Bico de Bunsen. Por isso, o ambiente entre nós é constantemente quente, os ânimos estão muitas vezes inflamados e há gente que fica mesmo fula (ou, alternativamente, "está com os azeites"). Creio até que a portuguesíssima citação de que "em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão" nos é dedicada. Nesse transe, no Sporting existem pelo menos três milhões e meio de razões, cada uma com a sua idiossincrasia, pelo que convertê-las numa razão comum faz os doze trabalhos de Hércules parecerem uma coisa de meninos. 

 

Ninguém sabe quando esta outrora maravilhosa aventura colectiva irá terminar. Mas todos pressentem que não irá acabar bem. A não ser que o amor triunfe. O problema, já dizia o poeta, é que o amor é fogo que arde sem se ver, ou seja, é como o metanol que precisa de muito carvão para se processar. O risco é provocar-se um incêndio invisível e ter de se atirar água para todos os lados. Menos mal, porém. É que meter água por todos os lados é coisa que nunca constituiu um desafio no Sporting. Haja saúde! 

P.S. Excelente e solidária iniciativa dos Núcleos do Sporting, levando as compras a quem precisa e não se pode deslocar. São estas atitudes que nos devolvem a esperança.. 

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Caro José, tive uns vizinhos cuja box era mais ráp...

  • José da Xã

    Pedro,há uns anos naquela meia final de boa memóri...

  • Pedro Azevedo

    Boa tarde, meu caro.Em primeiro lugar, queira desc...

  • Pedro Azevedo

    Caro Sebastião, antes de mais as minhas desculpas ...

  • Pedro Azevedo

    Caro AJSSB, em primeiro lugar, queira aceitar as m...