Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

02
Ago20

Músculos, gorduras e o lado lunar


Pedro Azevedo

Após a não qualificação para a Champions de 18/19, a que se seguiu a invasão a Alcochete e suas consequências imediatas, o Sporting precisava de emagrecer. Acontece que esse emagrecimento não aconteceu, mantendo-se o peso. Mais, por via de uma vida sedentária e focada em actividades supérfluas como constantes idas às compras, o músculo foi perdendo fibras, diminuindo assim a sua elasticidade. Entretanto, a camada adiposa de gordura tomou-lhe o lugar.

 

Esta é a realidade recente do futebol do Sporting: enquanto o tecido muscular que gerava movimento e força se foi perdendo e com ele o potencial de acção, a gordura submetida a alta pressão originou malefícios para a saúde do paciente. Ou seja, traduzido para o futebolês, William, Patrício e Gelson primeiro, Nani, Raphinha, Dost, Bruno Fernandes e agora Mathieu depois, um a um os nossos melhores jogadores foram saindo. Para os substituir foram investidos 50 milhões de euros e gastos algumas dezenas de milhões em salários anuais inerentes sem sucesso desportivo relevante. Ao mesmo tempo, fibras jovens foram desaproveitadas durante praticamente 2 anos, acabando por ir reforçar com sucesso o tecido muscular de clubes de outras paragens. De recordar que em todo este processo os custos com pessoal não tiveram uma variação significativa, mantendo-se à volta dos 70 milhões de euros, e que os fornecimentos e serviços externos até subiram de forma acentuada, pelo que a estrutura de custos em nada se ajustou à nova realidade. 

 

O resultado prático disto tudo são os problemas financeiros que aparecem a jusante de um modelo económico de negócio que enferma de uma política desportiva desastrosa. É que não só não reagimos aos acontecimentos e emagrecemos como ainda substituímos músculo por gordura. E para quê? Em termos da Primeira Liga, a prova da verdade devido à regularidade que é necessário manter ao longo da época e competição que pode ou não apurar para a Champions, o Sporting alcançou neste biénio alguns dos piores resultados da década, distando 13 (18/19) e 22 pontos (19/20) do primeiro colocado - esta última temporada só foi ultrapassada de forma negativa em termos pontuais por 2010/11 (onde apesar de tudo garantimos o 3º lugar) e 2012/13 (7º lugar), épocas em que finalizámos com uma distância de 36 pontos para o vencedor - e alcançando um terceiro e quarto lugar que em qualquer circunstância não chegou para garantir o apuramento para a milionária Champions, acentuando também assim os problemas financeiros do clube. 

 

Dir-se-á que as consequências de Alcochete foram muito nefastas para nós. É verdade, na medida em que perdemos pelo menos 3 titulares absolutos, todos jogadores da selecção nacional, para além de também Podence e Leão, jovens de muito potencial, terem rescindido. Ainda assim, mesmo que bastante mais magra do que de outro modo muito provavelmente ocorreria, recebemos uma compensação pela saída destes atletas, valor esse ingloriamente desperdiçado em contratações cirúrgicas que não trouxeram músculo ao leão. Adicionalmente, continuámos a gastar acima das possibilidades oferecidas pela nova realidade europeia, investimos muito mal e desperdiçámos uma geração de jovens jogadores que não hesitámos em rotular de forma precipitada.

 

E por entre "gaps" da Formação, "contratações cirúrgicas" e outras lendas e narrativas criadas por amanuenses chegámos aqui. Como designar isto? Bom, o melhor será procurar um eufemismo. Recorramos assim ao Rui Veloso. Então aqui vai:

 

"Toda a alma tem uma face negra
Nem eu nem tu fugimos à regra
Tiremos à expressão todo o dramatismo
Por ser para ti eu uso um eufemismo
Chamemos-lhe apenas o lado lunar
Mostra-me o teu lado lunar"

 

É por isso tempo de regressarmos da Lua e aterrarmos os pés na Terra, afirmando como David Bowie em Space Oddity: 

 

"This is Major Tom to Ground Control
I'm stepping through the door"

 

Viva o Sporting Clube de Portugal! Viva uma história riquíssima que urge saber respeitar. Que se inicie a recuperação deste clube tão importante para todos os Sportinguistas e para o desporto nacional e internacional.

17 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Anónimo

    Caro Verde Protector,do que sei, é mesmo verdade, ...

  • Richituga

    Caro Pedro AzevedoGostei muito da carta mas não se...

  • Anónimo

    De M. CalabresiMeu caro Pedro,Acabei de ler a sua ...

  • Verde Protector

    Será verdade esse diálogo entre Rahim e Rui Morgad...

  • Anónimo

    Olá, caro Pedro. Venha de lá a iniciativa que vise...