Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

11
Out19

Este clube não é para democratas?


Pedro Azevedo

Quem troca o legítimo direito à crítica pelo permanente insulto, confundindo assim democracia com anarquia, não está a prestar um bom serviço ao Sporting. De assembleia em assembleia, de presidente em presidente, os Sportinguistas vão provando que não lidam bem com a democracia. Diga-se de passagem que não é só nas assembleias, a linguagem usada nas redes sociais é bastas vezes inqualificável, o mesmo se passando muitas vezes nas televisões. Há mais de 1 ano atrás alertei para o perigo de extremismo gerado aquando da destituição de Bruno de Carvalho. Tendo eu deixado de apoiar o antigo presidente após o tumulto ("exuberância irracional" como defini) que marcou os últimos 6 meses da sua presidência, não me pude no entanto rever na verdadeira caça ao homem superveniente nem no ambiente macarthista, de "caça às bruxas" (delito de opinião) que se lhe seguiu. Essencialmente, temi, e escrevi-o (para além de considerações de carácter humanista), que esse clima ainda extremasse mais a posição contrária, a dos defensores do anterior regime, e que tal recriasse o PREC no clube de Alvalade. Não estava errado e tudo o que tem vindo a acontecer desde aí prova-o. 

 

Devo dizer que o clima que se tem vivido em sucessivas assembleias gerais é inadmissível. Numa democracia, a contestação deve fazer-se através de argumentos, não de insultos. A situação actual é consequência da crise de Cultura do mundo Sporting, de uma identidade que está em risco e, como tal, vulnerável a tudo o que venha de fora. Ora, há questões que se prendem com a crise de valores da sociedade portuguesa, desenraizamento de vários jovens, falência da família e da escola como pilares de ADN educativo e cultural que estão a montante do Sporting, mas que são infiltradas dentro do Sporting à medida que se vai percepcionando o vazio, esses elementos por vezes (alegadamente) tacticamente recebendo acolhimento de quem dirige o clube (o que transmitia "Barbini" no áudio divulgado na campanha?), outras vezes sendo instrumentalizados ao serviço de outros interesses. Por outro lado, verifica-se uma impreparação ou falta de sensibilidade do actual poder executivo leonino no que respeita ao tratamento que se deve dar a esta questão da Cultura Sporting. Sejamos francos, têm havido erros a mais na gestão do futebol do clube, mas o principal problema do clube é a ausência de uma estratégia que vise a união. Na minha óptica, tem sido muito mais fácil à actual Direcção apontar o dedo à anterior do que reconhecer os seus próprios erros e, emendando-os, seguir em frente. Ora, isso denota maior preocupação com uma linha de defesa e de preservação pessoal do que com o progresso e a resolução dos problemas. Nesse sentido, todos aqueles que vêm recorrendo ao insulto sistemático para com os actuais Orgãos Sociais têm sido um seguro de vida para quem dirige, permitindo assim a vitimização que esconde as insuficiências que se sentem no seu mandato e que, elas sim, carecem de ser discutidas de uma forma séria por sócios de uma linha moderada. Acresce que, Frederico Varandas, inabilmente, criou desnecessariamente outras frentes de batalha num ambiente já de si explosivo. Mostrando falta de cultura democrática, ele próprio se virou contra outros sócios, começando em José de Sousa Cintra e continuando nos "esqueletos", "cientistas" e "cães que ladram", numa linguagem completamente fora daquilo que deve ser a solenidade de um presidente de uma instituição como o Sporting e que lembra o pior (da comunicação) de Bruno de Carvalho, infelizmente sem um conjunto de realizações que para alguns vagamente relembre o melhor do ex-presidente. Isso tem consequências.

 

Alguns sócios do Sporting crêm que a melhor solução para o clube é estarem calados, outros entendem que há razões para criticar o rumo seguido (se é que existe). Pelo meio, entretêm-se, uns e outros, a julgarem-se entre si. Na verdade, a história mostra-nos que a atitude de um Sportinguista é perfeitamente indiferente. É assim há anos, mas o silêncio cúmplice tem ajudado à materialização de vários erros e a critica construtiva tem sido sempre desvalorizada e olhada com desprezo pelos sucessivos dirigentes do clube. Ora, eu penso que apoiar o clube é ser solidário com os seus Orgãos Sociais, desejando que o melhor para eles seja o melhor para o clube, repudiando acontecimentos como os de ontem. Mas uma coisa é ser solidário, outra bem diferente é ser cúmplice. Quando o rumo seguido nada tem a ver com o programa eleitoral, os sócios têm o direito de pedir explicações. Se nenhuma sociedade cotada no mundo inteiro deixa de ser escrutinada numa base diária, por que razão querem os administradores da SAD do Sporting carta branca dos sócios do maior accionista?  Convive-se mal com a democracia no clube e isso começa na sua Direcção. Várias medidas têm sido tomadas sem disso ter sido dado esclarecimento aos sócios. Algumas das mais recentes prendem-se com aquilo que foi submetido a votação na AG da SAD. No meu entendimento, fosse eu presidente da SAD, faria essas propostas descerem primeira à AG do clube, a fim de auscultar os sócios, ainda mais em matéria em que me dizia respeito e em que era parte interessada (independentemente da proposta ter partido da Comissão de Accionistas), regra que considero elementar de bom "governance", ou boas práticas de gestão, ou prevenção de conflitos de interesse. Pelo contrário, entendeu Frederico Varandas levar a reunião magna da SAD uma proposta de aumento salarial da sua administração e de cooptação de 2 novos administradores, outro acto não explicado aos sócios do clube. Mais, fê-lo em sentido contrário às poupanças que preconizou em termos de plantel e que provocaram o seu flagrante enfraquecimento, das quais se destacam as saídas de Nani e de Bas Dost, processos aliás muito nebulosos e que foram tratados sem a dignidade institucional merecida. Dado o ruído que a proposta de aumento de ordenados suscitou - segundo constou na CS, a proposta mereceu o voto contra de todos os accionistas que não o Sporting - o presidente não a retirou. Fê-la aprovar, usando o voto do Sporting no sentido favorável às suas pretensões, apenas indicando que durante um determinado período de tempo iria suspender a sua aplicação, uma forma subtil de mais tarde obter o que deseja e que revelou uma elementar falta de bom senso. 

 

Perante tudo isto, está bom de ver que o Sporting navega nas margens do caos. À falta de respeito que certos sócios manifestam pela Direcção e concomitantemente pelo clube - se querem marcar a sua posição, organizem-se e usem os mecanismos regulamentares existentes, não ofendam a ordem - responde o senhor presidente com um evidente desprezo pelas criticas e pelos criticos. No entretanto, a equipa de futebol vai mal, o défice de qualidade é agora mais evidente do que em qualquer momento nos últimos 7 anos, a propalada aposta na Formação não se traduz na prática em algo palpável, a situação de tesouraria é debilitada e o modelo estratégico para o futebol parece mais catastrófico a cada dia que passa. Perante isto, o que faz Varandas? Dispara em todas as direcções e não inverte o rumo. E a banda continua a tocar a mesma música, navegando à beira dos icebergues. Assim vai o Titanic leonino... 

13 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes