Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

23
Abr19

Entre a Petit e a grande discussão


Pedro Azevedo

O futebol em Portugal é um jogo com imensas regras dentro do campo e poucas fora dele. Por isso, a controvérsia é uma constante, o que constitui um paraíso para a imprensa e para os blogues deste país. Sendo sempre mais fácil criticar comportamentos do que sugerir regras, passamos a vida a apontar o dedo a alguém, mas tudo continua precisamente igual. Deve ser a isso que se chama a função social do futebol, uma forma de libertação de frustrações diversas, de outra forma perigosamente reprimidas, e que se esgota nisso, sem quaisquer outras consequências práticas. Como sempre venho dizendo, o circo romano dos nossos dias. 

 

Acontece que o futebol hoje em dia é muito mais do que um jogo ou um espectáculo. É um negócio, onde há muito dinheiro a circular, e como qualquer outra actividade económica tem de ser regulado e supervisionado sem amadorismos, de forma profissional. Por isso, o problema não é Petit e a sua frontalidade - se ficasse calado teria actuado melhor? - , mas sim a impassividade dos organismos desportivos que supervisionam o futebol (Federação e Liga, esta última composta por clubes) e a sua incapacidade de criarem regulamentos e códigos de conduta que reprimam comportamentos pouco éticos. Desta forma, entregues a si próprios, os agentes desportivos vão sempre procurar o melhor para si, descurando o interesse global, apesar da obstinada resistência de um ou outro paladino da ética e da transparência, impotente(s) para virar o curso aos acontecimentos.  

 

P.S. enquanto estas e outras questões do futebol português não se resolvem (desconheço qualquer proposta do meu clube nesta matéria específica), talvez não fosse má ideia olharmos para dentro da nossa casa. É que se o Benfica derrotou o Nacional da Madeira por 10-0, o Sporting teve pelo menos 10 oportunidades de golo na Choupana. Só Diaby deve ter perdido uma meia-dúzia de chances. E acabámos a defender o 1-0. Já dizia Bobby Robson: o Sporting não tem "killer instinct"...

11 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    A questão do futebol português não pode nem deve s...

  • Anónimo

    Então, e como consegue explicar que o Porto seja c...

  • Pedro Azevedo

    Meu caro, você foi eliminado por aquele conjunto d...

  • Pedro Azevedo

    Não se trata de miserabilíssimo, mas sim de realis...

  • Anónimo

    Até podia estar avaliado em 500 milhões, que eu co...