Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

05
Fev19

Don`t cry for me Argentina


Pedro Azevedo

Fica Acuña!

 

Gosto particularmente das características de Marcos Acuña. Embora não seja um habilidoso nato, possui uma técnica muito boa, a qual se manifesta essencialmente na recepção de bola e na qualidade do seu cruzamento quase sempre tenso. Sendo pouco inventivo, quando joga na ala está muitas vezes de costas para a baliza. A lateral, pode ver o jogo de frente, o que melhora a sua leitura do mesmo e beneficia a equipa. Para além disso, o argentino mostra em cada lance a raça, a garra e a paixão pelo jogo que são a sua imagem de marca. O seu espírito guerreiro faria com que fosse incensado como um deus do Olimpo da bola noutros ambientes. Infelizmente, essa sua atitude por vezes suscita reacções ambíguas nas bancadas de Alvalade, sempre propensas a adoptarem o estilo de sentença do teatro dos Marretas (‘Muppet Show’).  

 

Se Bruno Fernandes é o homem que pode ganhar um jogo sozinho, Acuña tem aquela fibra própria de que são feitos os campeões. O Benfica tem Ruben Dias (antes Luisão), Fejsa ou André Almeida, o Porto tem Herrera, Felipe ou Maxi, o Sporting tem Acuña (ou Battaglia), jogadores que não podem apenas ser vistos pela sua contribuição individual, mas também pela forma como se libertam de medos e contagiam o grupo. 

 

Desde a Taça da Liga, o argentino tem estado ausente. Falou-se do interesse na sua contratação pelo Zenit de São Petersburgo, ouve-se agora que o Boca Juniors está desesperado para o agarrar. Curiosamente, no momento em que o rival River perdeu Pity Martinez - um enamoramento leonino que não deu em casamento -, vendido recentemente aos americanos do Atlanta, que competem na MLS.  

 

Eu espero que Acuña fique, porque jogadores como o argentino são as fundações sobre as quais se pode vir a erigir um Sporting campeão. Independentemente dos constrangimentos financeiros - não nos impediram de realizar um investimento de 12 milhões de euros no Mercado de Inverno -, haverá outros jogadores no plantel que não farão tanta falta à equipa. Se dúvidas houvesse, observem-se as consequências da sua ausência nas partidas contra Setúbal e Benfica. É que eu não quero voltar a ver o Sporting de Domingo passado. Nunca, nunca, nunca mais!

acuña.jpg

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    A questão do futebol português não pode nem deve s...

  • Anónimo

    Então, e como consegue explicar que o Porto seja c...

  • Pedro Azevedo

    Meu caro, você foi eliminado por aquele conjunto d...

  • Pedro Azevedo

    Não se trata de miserabilíssimo, mas sim de realis...

  • Anónimo

    Até podia estar avaliado em 500 milhões, que eu co...