Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

04
Jun20

Dia de Sporting


Pedro Azevedo

Hoje é Dia de Sporting. Do Sporting que faz sentido, aquele que vai a campo e nos tocou no coração quando éramos crianças. É certo que sem ninguém nas bancadas, o que já não faz nenhum sentido e parece até entrar em contradição com a origem deste amor. Desta vez, o amor vai ser mesmo fogo que arde sem se ver... no estádio.

 

Mas, finalmente, quase 3 meses depois, a bola vai recomeçar a rolar e a nossa paixão sublimar. Quando o árbitro apitar para o início do jogo, todas as nossas diferenças se dissiparão. Essa é uma premissa que um adepto tem sempre em mente, a simbiose que se estabelece com quem veste de verde-e-branco. O contrário seria parasitismo, indigno de um leão. 

 

Espero que o Sporting ganhe e que faça um bom jogo. Igualmente, desejo que o Ruben Amorim confirme os sinais positivos dados nos treinos, os quais têm chegado até nós pela imprensa. Esta visita a Guimarães recorda-me a minha primeira experiência no então Municipal da cidade berço. Jogava-se a penúltima jornada do campeonato de 79/80 e o Sporting precisava de ganhar para se manter na liderança. Viajei desde Lisboa no Comboio Verde com o meu pai, mudei de composição em Campanhã e lá cheguei a Guimarães. O jogo foi renhido e marcado por dois momentos em que estiveram envolvidos ex-jogadores do nosso clube. Um deles, o Manaca, foi particularmente infeliz quando saltou entre 2 jogadores nossos e com o cocuruto fez o auto-golo que nos adiantou no marcador. O outro, Vítor Manuel, avançado, obrigou o Fidalgo a uma defesa incrível que custou ao nosso corajoso guarda-redes o embate com a cabeça contra o poste esquerdo da baliza. Curiosamente, na semana seguinte festejámos em Alvalade contra uma equipa, União de Leiria, também com muitos antigos jogadores nossos. Entre eles o Dinis, o brinca-na-areia. Nesse dia tínhamos de ganhar, e ganhámos por 3-0. E o Porto tinha de ganhar e esperar que o Sporting perdesse, e perdeu duas vezes. No que dependia de si, em Espinho, contra o Sporting local, treinado pelo Manuel José. Mas voltando a Guimarães lembro-me da alegria do regresso com o título quase no bornal. E do calafrio em Campanhã, quando alguém atirou um paralelipípedo que por pouco falhou a janela do nosso compartimento. Infelizmente, por via disso, neste regresso ao passado, ao contrário do futebol do Sporting que já teve melhores dias, a forma como alguns adeptos estão no desporto não saiu beneficiada.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes