Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

03
Fev19

Dia de Clássico


Pedro Azevedo

Hoje é dia de Clássico. Não de um clássico qualquer, mas sim d`O Clássico, o derby que transformou o profano jogo no objecto de uma adoração sagrada. Neste dia, Alvalade é um templo, um local divino de comunhão de uma religião sem ateístas, onde os deuses estão ali, de carne e osso, à nossa frente e para gáudio dos nossos sentidos. 

 

Para um adepto, o amanhecer do Clássico é diferente do de um outro dia qualquer. A garganta resseca, o coração lateja, a mão treme, enquanto o corpo se vai libertando progressivamente do entorpecimento matinal. Tudo num compasso mais acelerado do que o normal. A adrenalina vai crescendo à medida dos cenários que se vão construindo na mente e, até à hora do jogo, o adepto estará acometido de um transe que o transportará para múltiplas realidades virtuais. Nesse sentido, a contagem decrescente para o início da partida é, também ela, um jogo dentro do próprio jogo: mais comprido, sublime, genial, este jogo alternativo é todo ele feito de ilusões, quimeras ou fantasias que o jogo real, a maioria das vezes, se encarregará de desmentir.

 

Quando o Sporting e o Benfica se enfrentam há muito mais do que um jogo em disputa. Há uma rivalidade ancestral que faz desse confronto um campeonato à parte dentro do próprio campeonato. Muito mais do que os pontos em disputa, joga-se pelo orgulho e para alimentar a fé. Assim, cada golo, cada triunfo dos nossos, é celebrado como um ritual de sagrada comunhão em que os adeptos se cumprimentam e abraçam em perfeita sintonia, numa catarse que transforma o solitário "eu" num colectivo "nós". 

 

É esse desejo de ser parte de algo grandioso, maior do que nós, que inconscientemente faz o fervor de um adepto. Hoje, quando o jogo acabar, depois de luzes, cheiros, tactos, paladares e ruídos se desvanescerem, o adepto voltará à sua solidão e o Domingo readquirirá a sua típica melancolia. Ou, como diria Galeano, "será como Quarta-Feira de cinzas depois do fim do Carnaval"...

 

P.S. É importante, diria decisivo, criar condições para que um adepto nunca perca a fé, pois desmorecimento e apatia são inimigos da perenidade do clube tal como o conhecemos. Sporting sempre! Vamos!

sporting sempre.jpg

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes