Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

29
Jul20

Às voltas com a política desportiva


Pedro Azevedo

Um dos grandes problemas da gestão de Frederico Varandas tem sido a política desportiva perseguida, não só no sentido do não-aproveitamento de anteriores boas gerações de jogadores da Academia como também nas incursões no mercado que têm sido pouco menos que apocalípticas. 

 

Assim, nos últimos anos o Sporting desperdiçou em termos de rendimento desportivo jogadores como Demiral (saiu com Cintra e foi contratado posteriormente pela Juventus), Domingos Duarte (integrante do "Onze Revelação" da La Liga), Mama Baldé (melhor marcador do Dijon na Ligue 1), Daniel Bragança (melhor jogador do Estoril), Palhinha (imprescindível para Ruben Amorim no Braga), Matheus Pereira (Rei das Assistências no Championship), Ryan Gauld (melhor marcador do recém-promovido Farense) ou Gelson Dala (1 golo a cada 79 minutos de utilização no Rio Ave), mostrando assim à evidência o erro de análise (ou soberba) de Frederico Varandas quando decretou o "gap" da Formação. 

 

Adicionalmente, o Sporting contratou, sem qualquer rendimento desportivo significativo, jogadores como Valentin Rosier (5.3 milhões de euros mais o passe de Mama Baldé), Tiago Ilori (2,4 milhões mais comissões de manutenção por 60% do passe), Borja (3,5 milhões), Idrissa Doumbia (4,4 milhões), Rafael Camacho (5,6 milhões) ou Eduardo (3 milhões). Outros há que ficam a perder na relação como custo/benefício, como é o caso de Vietto (7,875 milhões por 50% do passe). Jesé (empréstimo de 2 milhões de euros), Fernando (conheceu melhor a enfermaria que os relvados) ou Bolasie foram empréstimos sem racional económico ou desportivo. Neto (850 mil euros) é apenas um bom suplente, o mesmo se passando com Luís Phellype (700 mil euros), jogador algo irregular e com propensão para ganhar peso. Restam Sporar, Plata e Matheus Nunes, sendo certo que para mim o brasileiro é o mais promissor e aquele que teve melhor rendimento global nos jogos com os grandes (pese embora o erro fatal que deu o segundo golo ao Benfica). E já nem estou a considerar para este efeito o custo anual em salários nada desprezível destes 15 jogadores.

 

O que verdadeiramente me preocupa no rol de contratações é não notar-se o dedo de um treinador ou Director Técnico, mas sim da Estrutura. Vou dar um exemplo: o esloveno Sporar é um jogador forte nas transições. Não sendo rápido, é inteligente, sabe explorar os espaços entre os defesas adversários e possui um remate forte e colocado (habitualmente raso, de difícil defesa para os guarda-redes). Simplesmente, o Sporting joga habitualmente contra equipas dispostas em bloco baixo e tem posses de bola compreendidas entre 70 e 80% com clubes do meio da tabela para baixo. Ora, embora Sporar dê apoios frontais, nessa situação precisamos essencialmente de um ponta de lança de área, com faro de golo, forte no jogo de cabeça e com sentido de antecipação, características que já se viu o esloveno não possuir. Causa assim alguma incredulidade este avançado ter sido a primeira opção (em jogos europeus e contra equipas mais fortes talvez se justificasse mais a sua utilização) no mercado, independentemente das qualidades que lhe apontei em cima, algo que não deveria ter passado despercebido ao olho clínico de um treinador. E é nesta falta de sentido de construção do plantel que vamos surfando na maionese, antevendo-se mais do mesmo na janela de Verão. Nesse sentido, muito mais do que a experiência anunciada por Frederico Varandas do que precisamos é de qualidade. Não se entende assim porque Acuña está de saída, ele que é a réstia de qualidade superlativa do actual plantel e um guerreiro. Só assim se entenderá a chegada de Antunes, embora não se compreenda muito bem a razão pela qual iremos adquirir um jogador presumivelmente de ordenado alto (o tal custo zero tão enganador) e que não joga há tanto tempo quando, em época de vacas magras, temos um lateral sob contrato e com muita propensão ofensiva (vantagem no sistema de Ruben Amorim) que acabou de fazer 23 jogos na exigente La Liga (Lumor). Tal parece-me um desperdício de recursos, mais a mais quando tudo indica que Nuno Mendes será titular indiscutível. Adicionalmente, não se entende porque se vai contratar Adán, guarda-redes que não virá nada barato e que não joga há muito tempo. Temos Max como primeira opção para valorizar e dar rendimento desportivo, se queremos um segundo guardião (porque não Renan que nos deu duas taças?) então talvez Beto fosse uma muito melhor opção. Enfim, poder-se-ia também abordar o estranho caso de Feddal, jogador sem carreira significativa e a anos-luz de Mathieu que vem protagonizando uma estranhíssima novela, mas o essencial está dito e denota uma falta de visão geral sobre o que é necessário, ou, pelo menos, uma visão profundamente deturpada e superficial do que urge ser feito. 

 

Cada vez mais parece fazer sentido a ideia de que Varandas não pretende ter no plantel jogadores contratados por terceiros, num pretenso desejo de afirmação que demonstra mais ego e soberba que inteligência. Tal está errado sob diferentes prismas e o Sporting é que mais uma vez "pagará as favas". Apostando tudo na sorte, uma vez mais.

 

Sorte? Sorte é quando a oportunidade encontra o nível de preparação adequado. Alguém acredita?varandasaeroporto1.jpg

18 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Anónimo

    De Magyar Calabresi,Caro Pedro,Estou de facto a pe...

  • Anónimo

    Os números nunca enganam...eles é que são os engan...

  • Anónimo

    Boa noite Pedro:Mais um post assertivo, como usual...

  • Pedro Azevedo

    Anime-se. Há vida para além do défice. Há é que lu...

  • Pedro Azevedo

    Não tem de agradecer. Tenho opinião formada sobre ...