Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

24
Fev19

And now for something completely different


Pedro Azevedo

Ontem em Cardiff, em partida épica a contar para a 3ª jornada do Torneio das 6 Nações, em rugby, o País de Gales bateu a Inglaterra por 21-13 e assumiu a liderança da competição. 

 

O Torneio das 6 Nações reune as melhores equipas europeias. Iniciou-se em 1883, então com a denominação de "Home Nations",  reunindo as 4 equipas britânicas (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda), com a curiosidade dos irlandeses incluirem na sua equipa jogadores do norte da sua fronteira. Com a entrada da França em 1910, a competição passou a designar-se como Torneio das 5 Nações. Após dois interregnos - o primeiro entre 1932 e 1939, em que a competição voltou a só reunir as selecções britânicas, e um segundo devido à 2ª Grande Guerra - , desde 1947 e até 1999, o torneio continuou a desenrolar-se com estas 5 selecções. A partir de 2000, já com a presença da recém-admitida Itália, a competição adoptou a actual designação de "Torneio das 6 Nações".

 

A Inglaterra liderava o torneio até à deslocação a Gales e era a grande favorita das casas de apostas. Após a sua imponente vitória na Irlanda - vencedora da última edição - , os ingleses apresentavam-se em óptima forma para este jogo. E a verdade é que cedo o demonstraram: ao intervalo batiam os galeses por 10-3, fruto de um ensaio (no rugby, um ensaio vale 5 pontos e a sua conversão aos postes mais 2 pontos adicionais) do jovem Tom Curry. A Inglaterra optava pelo jogo aéreo, através de pontapés desferidos desde a sua linha de 3 quartos, procurando a carga dos seus avançados. Só que o galês Liam Williams - Man of the Match - começava a destacar-se, captando impecavelmente todos os "up-and-under" ingleses, mantendo assim os galeses no jogo.

 

Na etapa complementar, fruto inicialmente de alguma variação de jogo do seu médio de abertura Gareth Anscombe (abusara do jogo ao pé no primeiro tempo), os galeses conseguiram aproximar-se até aos 10-9, beneficiando também do descontrolo emocional do pilar inglês Kyle Sincklair (muito faltoso). O capitão inglês, Owen Farrell, ainda voltou a ampliar a vantagem inglesa através da conversão de uma penalidade, mas a entrada em cena do agora suplente, e habitual titular, médio de abertura galês Dan Biggar viria a mudar por completo o jogo. Completando uma acção intensa de ataque, que incluiu 34 fases no chão, Biggar, qual Médio de Formação, deslocou-se até a um "ruck" e soltou a bola no momento exacto para um embalado Cory Hill marcar o 1º ensaio de Gales. Na conversão, Biggar não falhou e Gales passou a vencer por 16-13. Os "reds" estavam imparáveis e, já com o árbitro a dar vantagem, voltariam a concretizar, quando Biggar colocou um pontapé lateral na ponta direita, onde Josh Adams se superiorizou no ar ao defesa Elliot Daly e marcou o segundo ensaio galês do jogo. Biggar não converteu, mas o resultado final (21-13) já não se alteraria.

 

Com esta vitória, os galeses passaram a liderar o Torneio, contando por vitórias os jogos disputados (França, Itália, Inglaterra) até ao momento. Para finalizarem a competição, os galeses ainda terão de se deslocar à Escócia e receberem a Irlanda naquele que poderá ser o jogo do título. Com este triunfo, Gales atingiu um novo record de 12 vitórias consecutivas em "test matches", batendo o anterior que durava desde 1910. Confirmada ficou também a sua apetência em vencer os ingleses num ano terminado em "9". Foi assim em 1949, 59, 69, 79, 89, 99, 09...e 2019.

 

A Inglaterra é ainda, do ponto de vista histórico, a dominadora da competição, com 28 triunfos, seguida de Gales (26), França (17), Escócia (15) e Irlanda (14). A Itália não tem qualquer torneio conquistado. Os ingleses dominam também as estatísticas de Grand Slams (vitórias em todos os jogos) conquistados, com 13 triunfos, seguidos de Gales (11).

six nations.png

liam williams.jpg

(Liam Williams - Foto:BBC)

dan biggar.jpg

(Dan Biggar - Foto: Getty Images)

 

Nota: no Torneio das 6 Nações, a vitória vale 4 pontos, o empate 2 e a derrota 0. Marcar pelo menos 4 ensaios num jogo dá 1 ponto bónus adicional. Perder por 7 ou menos pontos de diferença também dá 1 ponto bónus à equipa derrotada.

 

P.S. é impressionante a lição que o rugby permanentemente nos transmite. Sendo um desporto de contacto, poder-se-ia supôr que tal apelaria à violência, mas o jogo é disputado sempre com lealdade, bem escoltado por árbitros que estão lá para ajudar os jogadores e que até os avisam de que estão prestes a infringir as regras. O ambiente nas bancadas é genericamente de festa, mesmo quando a rivalidade é grande (como foi o caso de ontem). O momento dos hinos é particularmente tocante, dada a forma como os jogadores e espectadores o cantam e sentem. Eu então, que torço sempre por Gales, fico sempre sensibilizado ao ouvir o imponente "Land of my fathers". Obrigado rugby!

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes