Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

22
Abr19

A perspectiva da Formação


Pedro Azevedo

O sucesso é muitas vezes uma conjugação de preparação com a oportunidade certa. Quantos jovens da nossa Formação não se perderam por falta de preparação para o mediatismo da fama, ou falta de empenhamento? Quantos miúdos talentosos não se perderam por não terem tido oportunidades? 

 

É difícil a quem está de fora avaliar correctamente sobre as razões pelas quais nem sempre o talento tem correspondência no sucesso. Aliás, o próprio talento de um jovem é algo que divide os observadores. Por um lado, há quem ache que não temos talento entre os jovens para que estes ascendam à equipa principal. Outros há que pensam que o que falta é a oportunidade.

Em relação aos primeiros, recupero aqui o que se dizia de Adrien ou de William nos seus primeiros anos de seniores. Poucos apostariam dobrado sobre singelo nestes dois, na época, jovens da nossa Formação. Simplesmente, aos olhos da maioria, não tinham a qualidade suficiente. Acontece que a situação financeira debilitada do clube e a contratação de um jovem treinador português, conjugadas, criaram a oportunidade para a afirmação destes talentos, eles que andaram pelos campeonatos israelita ou belga sem grande notoriedade.

 

Adicionalmente, a aposta num jovem tem de ser consistente. Não se pode dar infinitas possibilidades a um Diaby e apostar aos soluços num jovem. Jovane, por exemplo, foi uma surpresa porque entrou bem na primeira equipa, mas perdeu alguma confiança e ritmo quando deixou de ser aposta. Em sentido contrário, Paulo Bento confiou em Rui Patrício pese embora sucessivos erros comprometedores do nosso antigo guarda-redes e o Sporting veio a retirar os frutos dessa aposta alguns anos depois. Tal só aconteceu porque Rui tinha qualidade, evidentemente, mas também por influência da persistência do treinador que lhe detectou essa qualidade e lhe incutiu confiança sem esperar resultados imediatos. 

 

Por tudo isto, entendi como curial fazer este Post, de forma a que não sejamos precipitados no julgamento das situações. Se é mais difícil para um adepto perceber se um jogador trabalha bem (ou não), mais fácil é fazermos uma introspecção sobre julgamentos precipitados que fizemos no passado. 

 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Boa noite, Luís. Acrescentei O PS talvez 1 hora ap...

  • Luís Ferreira

    Só hoje vi o seu PS - já o tinha escrito, ou foi m...

  • Pedro Azevedo

    Obrigado pelo seu contributo. Como escrevi no text...

  • Bruno Araújo

    O voto eletronico não pode ser usado ainda. Implem...

  • Pedro Azevedo

    A questão do futebol português não pode nem deve s...