Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

30
Set19

A importância do sujeito na comunicação


Pedro Azevedo

Na comunicação, o sujeito é mais importante que o objecto (assunto). Torna-se por isso importante saber viajar até ao filtro do(s) interlocutor(es). A cultura portuguesa é conflitual, não confronta no imediato. As coisas vão ficando por dizer até que há uma explosão. Da mesma forma (perdoe-se a imagem) que quem não espreme uma borbulha pode acabar com um furúnculo putrefacto, quem não ataca os problemas - e aqui houve um conflito inicial latente com certas franjas de Sportinguistas que passou a manifesto, independentemente da má vontade dessa oposição, pela forma inábil como Varandas foi pondo todas as responsabilidades na sua herança (nunca reconhecendo alguns méritos), em vez de encerrar o assunto (o passado não se pode mudar, o futuro sim) e caminhar para a frente - e passa a vida a queixar-se dos seus interlocutores (no caso, os sócios do Sporting) é especialista em criar conflitos, transformando assim um confronto de opiniões numa guerra. No caso concreto actual, vis-a-vis a desastrosa - não sou muito de adjectivos, mas as coisas são o que são - preparação desta época desportiva, o que Frederico Varandas deveria ter feito desde o início era mostrar que sabia escutar, procurando entender a mensagem e perceber o que lhe estavam a transmitir. Após isso, então sim, acusar a recepção do estado de espírito dos seus interlocutores, valorizando-os dessa forma, mostrando empaticamente que percebeu, tomou boa nota do que lhe transmitiram, aprendeu com os erros e vai procurar corrigir. 

 

Quando um presidente de um enorme clube decide comunicar à sua gente, deve fazê-lo com abertura e eficácia. Como tal, deve renunciar à necessidade quase doentia de mostrar que tem razão, a qual ontem se assemelhou a uma atitude infantil e birrenta, certamente não a forma ideal de procurar a absolvição junto dos Sportinguistas que o contestam, hoje em número bem maior do que aquele grupo mais ortodoxo de defesa do ex-presidente que durante algum tempo, curiosamente, lhe serviu de seguro de vida (estratégia de visão curta, interessante do ponto de vista da preservação pessoal mas lesiva para o clube) para manter os moderados do seu lado. Ao escolher esse caminho de defesa, a que adicionou um tom sempre recriminativo para com os Sportinguistas (facto que não ocorre pela primeira vez), Varandas mostrou que não os valoriza, e isso, mais do que um erro de comunicação, expôs um traço de personalidade que não augura nada de bom para o futuro. 

31 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes