Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

10
Ago22

Eterno


Pedro Azevedo

3A2B2BCE-D133-4906-8CA9-457C792130B0.jpeg

Quando um jogador é muito bom, mesmo que pertencente à um clube rival, ele passa a ser de todos os adeptos. Essa, aliás, é uma das raras ocasiões em que a clubite cede ao gosto pelo futebol, esmagada que fica pela excelência do futebolista. Foi exactamente isso que se passou com Fernando Chalana, a quem um dia Neves de Sousa (o seu a seu dono) apelidou de O Pequeno Genial, um apodo mais do que justo para quem surpreendeu o mundo como um meteoro no Euro-84 e inspirou futuros craques como Paulo Futre. Com o seu bigode farfalhudo e jeito de homem simples, humilde e bom, Chalana virou após esse Europeu um ícone, o Chalanix, consequência da sua transferência para Bordéus e da semelhança fisionómica com o herói gaulês criado pelo traço de Uderzo. Mas os seus melhores tempos haviam ficado para trás. Lançado na equipa principal do Benfica com 17 anos acabados de perfazer, Chalana cedo chamou a atenção pela imprevisibilidade do seu drible, finta estonteante que executava muitas vezes parado. Raras aliás eram as vezes em que os adversários não ficavam no chão, bastando-lhe o desarmante ulular dos braços para produzir esse efeito. Além disso possuía a visão de jogo de um "10", um entendimento do jogo muito superior ao habitual num extremo. Tudo alicerçado numa técnica apuradíssima que lhe permitia jogar com igual rendimento com qualquer um dos pés. Mestre na arte do engano no terreno de jogo, até nisso Chalana foi diferente: destro, levou a maioria das pessoas ainda hoje a pensar que era um canhoto natural. Um grande. E, como grande, eterno. 

09
Ago22

Uma pedrinha de gelo


Pedro Azevedo

Não tomo um whiskey há mais de 20 anos mas recordo-me que o novo sugeria a aplicação de uma ou duas pedrinhas de gelo. O facto veio-me à memória a propósito do jogo do Sporting em Braga. Por 3 vezes tomámos a dianteira no marcador, por 3 vezes o Braga acertou-nos o passo. O que é que nos faltou, então? Na minha opinião foram as tais pedrinhas de gelo. Porque o nosso jogo foi muito "heavy metal", sempre a rasgar, faltou-lhe temporizações, esconder a bola, situações que ajudassem o adversário a desgastar-se sem posse. Na verdade, no nosso plantel não abundam esses jogadores cerebrais que põem gelo no jogo. Certamente o Bragança, mas está lesionado. Porventura o Morita, mas saiu precocemente. Talvez o Pote, mas conviria o Ruben tê-lo recuado para a linha de médios. Sem esse tipo de solução individual, teria de ser a equipa a resolvê-lo colectivamente. Mas aí faltou uma maior aproximação entre os sectores. Terá sido do desgaste da intensidade do primeiro jogo da época? Ou será que a estratégia de esticar o jogo esboçada pelo Braga partiu a nossa equipa ao meio? Para quem viu no sofá, o Sporting pareceu amiúda um harmónio descompassado, muitas vezes todo aberto aquando dos ataques braguistas. E isso foi-nos fatal. 

Parece um paradoxo, não é (?), mas na Pedreira ao leão faltou uma pedrinha. De gelo. 

07
Ago22

Tudo ao molho e fé em Deus

Da Pedreira sem amor


Pedro Azevedo

A ida a Braga é uma forma de nos lembrarmos que o futebol português é uma Pedreira habitada por homens das cavernas que querem fazer-nos crer que acreditam na equidade e transparência das competições quando na verdade estão prisioneiros de um sistema antigo que confundem com a realidade. É como se numa dimensão paralela a Alegoria da Caverna encontrasse o Fred Flinstone e o seu amigo Barney, e o cenário fosse o de BedRock, um local onde se esboçam versões primitivas para inglês ver de conveniências modernas como - "Yabba-Dabba-Doo!" - a centralização dos direitos televisivos, e a brilhantina é feita de baba de dinossauro.  

 

Bom, mas isso é uma coisa. Outra coisa, bem mais assustadora, foi o Esgaio fresco ter mostrado a velocidade de uma tartaruga cansada. Ou o Paulinho não ter falhado nenhum golo pelo simples facto de nem uma vez ter chutado à baliza. Nada porém que amanhã os desportivos não componham entre elogios à versatilidade de um e qualidade sem bola do outro, atributos que assentariam indubitavelmente bem a... uma ginasta rítmica. Também não gostei de ver o nosso Oliver Tsubasa (Morita) ser rendido pelo Ugarte (de que até gosto) e disso se ressentiu a fluidez da nossa saída de bola. É o que dá uma "manga" (anime nipónico) curta, metáfora que se poderia estender a uma equipa que pareceu sempre menos solidária que em qualquer momento dos dois últimos anos do consulado de Rúben Amorim.

 

Perante tudo isto, valeu-nos um grande Matheus Nunes. O homem foi um Colosso! Primeiro desmarcando o Porro no primeiro golo com um passe milimétrico de 30 metros, depois levando o mundo às suas costas pela direita para depois cruzar para o único homem que havia ficado à esquerda finalizar. Para não enfatizar demais que logo no arranque da partida queimou 40 metros em sprint com a bola dominada até ser travado em falta à entrada da área braguista, ou que durante o resto do jogo deu sempre critérios às suas acções através, nomeadamente, de passes a variar o centro do jogo. 

 

Matheus foi muito bom, mas não chegou para todas as encomendas. Porque nenhuma equipa resiste a uma desatenção numa bola parada seguida de um défice de velocidade na lateral direita que faz pensar se o Gonçalo Esteves não teria sido mais rápido mesmo partindo da Amoreira. Também não é fácil jogar com um ponta de lança dito associativo, quiçá até distributivo, mas que continua a não ser cumulativo em termos de golos, podendo até considerar-se um elemento neutro na adição e absorvente na multiplicação (o zero), propriedades que os prémios nobel da matemática que se podem encontrar nos jornais portugueses certamente não deixarão uma vez mais de destacar.  

 

Ainda assim o Pote assinou o ponto e o Nuno Santos marcou um golo à Jordão no Euro-84. Ah, e como o futebol não é mímica, senão jogava sempre o Marcel Marceau, o introvertido do Edwards deixou-nos mais alegres do que o extrovertido do Trincão. Para o que também contribuiu o Rochinha, um rapaz com habilidade para encontrar espaço até numa cabine telefónica. 

 

Tenor "Tudo ao molho": Matheus Nunes 

bragasporting1.jpg

06
Ago22

Mr. Hide


Pedro Azevedo

Hidemasa Morita é até ver a grande contratação do Sporting para esta temporada. Calmo, com olhos de falcão, Mr. Hide distingue-se pela segurança dos seus passes rasteiros de primeira que sucessivamente vão quebrando as linhas do adversário. Dotado de uma técnica perfeita, Morita bem poderia ter adoptado o estilo exuberante de Oliver Tsubasa, o herói das "mangas" nipónicas dedicadas ao futebol. Mas não, o japonês é um jogador de equipa e por ela sobrepõe a discrição de processos ao brilharete individual. Como tal, até pode escapar ao olho menos atento do adepto puramente emocional, sempre tentado a louvar os malabaristas da bola, porém não nos iludamos: já dizia Cruijff que jogar simples é o mais difícil no futebol, e o Morita fá-lo, com quilos de classe, ou não fosse ele um craque, um senhor jogador do mundo do ludopédio. Atenção a Mr. Hide!!!

hidemasa morita.jpg

03
Ago22

Matheus e os Lobos


Pedro Azevedo

A última vez que vimos Matheus Nunes em campo foi contra o clube a quem deu uma nega, o Wolverhampton. Não deixa de ser até irónico que o luso-brasileiro se tenha tão declaradamente demarcado dos Wolves, sabendo-se de antemão que em condições similares a esmagadora maioria dos seus colegas de profissão trocaria a pele de cordeiro pela de lobo e logo levantaria problemas a fim de forçar a saída. Ora, eu não vejo isto suficientemente valorizado pela opinião escrita de adeptos do Sporting, que preferem criticar um suposto apagamento de Matheus em campo. Como a meu ver o seu menor rendimento tem tudo a ver com um sistema táctico de apenas dois médios centrais que o condiciona e desgasta sobremaneira - não é uma critica a Rúben Amorim, mas se há jogador cujo tremendo potencial ofensivo se desenvolveria muito mais rapidamente num sistema de 3 médios centro é o Matheus, que no contexto actual mais parece um puro-sangue emparedado numa cabine telefónica - , eu sinto que devo devidamente apreciar o homem que, vindo de uma favela, tomou a opção consciente de continuar num clube com história e pergaminhos europeus e que disputa os títulos nacionais em detrimento de embarcar na alcateia de lobos de um novo-rico do meio da tabela com sede em solo da Velha Albion (contrastes...). Deixando de ganhar, devido a essa opção, a módica quantia de 8 milhões de euros anuais. Não sei se para os mais distraídos isto faz alguma diferença, mas eu, que me lembro de um tal de Renato (entre tantos outros que podia dar como exemplo...), proveniente do Salgueiros, chegar a Alvalade e logo debitar que via o nosso clube como um trampolim para o Inter de Milão, sinto-me recompensado no meu orgulho Sportinguista por tão nobre atitude. Adiantando que, neste enquadramento, saber esperar é uma virtude e um sinal de inteligência e de confiança nas suas capacidades. Sinal esse que deve ser premiado. Pelo que o Matheus merece tudo, seja o tudo o City ou... o Liverpool, este último um clube com história e com um futebol mais dentro daquilo que são as qualidades do nosso número 8.  

 

P.S. É verdade, no sistema de dois médios centro o Matheus fez um grande jogo na Luz, mas não só o Benfica também alinhou no mesmo sistema (o que na Europa raramente se vê) como Weigl e João Mário marcaram-no com os olhos. 

matheus 8.jpg

27
Jul22

Tudo ao molho e fé em Deus

As danças sevilhanas da Catalunha


Pedro Azevedo

Numa semana o palco rodou do circo romano para o tablao de flamenco. A coisa processou-se em dois actos: no primeiro, com Rakitic em grande plano, entraram "as danças sevilhanas da Catalunha" (alô Gabriel Alves), no segundo serviram-se umas tapas do chef Acuña e o leão pôde por fim saciar a fome. Como geralmente ocorre, o excesso epicurista gerou penalidades. E foi assim que aconteceu: o Fatawu foi com g(h)anas a mais ao po(s)te e este ainda a esta hora estará a abanar...  Uma fata(wu)lidade, por certo, ou não tivesse o flamenco em comum com o fado a raiz árabe. 

20
Jul22

Tudo ao molho e fé em Deus

Gladiadores de Roma


Pedro Azevedo

Ver gladiadores romanos enfrentarem feras do tipo de leões é coisa que não espanta desde a Roma Antiga. Tal era tão "amistoso" que geralmente terminava com a morte de alguém, fosse a fera ou o homem. Desse para o que desse, o necessário era animar a malta presente no Coliseu, um anfiteatro com uma capacidade de cerca de 50.000 espectadores. Sonhando com a glória, os pupilos de Mourinho devem ter-se lembrado desses tempos de fausto do Império Romano, e vai daí começaram a bater em tudo o que mexia. O palco era o Estádio do Algarve, que como se sabe pertence à classe dos dinossauros, ou seja, precede o próprio Império Romano. Não haveria assim melhor cenário para pôr em prática tal veia animalesca. Consta que o público presente curtiu bastante o espectáculo de pancadaria que lhe foi oferecido, só faltando mesma uma mordidela na orelha para a coisa ficar ao nível do combate Tyson-Holyfield. Ah, parece que tudo começou com um jogo, um pequeno "amouse-bouche" para o prato forte que se lhe seguiria. Aperitivo esse servido em Pote. De ouro, ao que parece. Está de volta o nosso menino! Para fazer "sangue"?! Não tanto porém quanto os Gladiadores vindos de Roma...

08
Jul22

O apagão


Pedro Azevedo

Volta não volta um jogador de futebol enfrenta aquilo que se pode chamar de apagão, O fenómeno, difícil de explicar, geralmente é temporário, principalmente quando se trata de um craque, ressurgindo depois o jogador ao mais alto nivel. Mas há também casos onde o retorno já não é possível, e o estado transitório torna-se permanente. Geralmente associado a questões psicológicas, o apagão de um futebolista pode até acolher superstições diversas. Quem não se lembra do nosso antigo médio Marinho? Providencial na dobradinha de 82 com Allison, o ex-bracarense viria então a entrar num prolongado ocaso. Razão? Logo os adeptos apontaram o corte de cabelo, como se a ausência da sua outrora longa melena loura lhe tivesse, qual Sansão, retirado a energia. Outro futebolista que depois de um início forte se foi apagando foi o colombiano Fredy Montero. Mas para isso muito contribuíram os inúmeros golos mal anulados por árbitros auxiliares que assim interromperam uma série goleadora que parecia eterna. Outros jogadores tiveram a sua travessia no deserto, com particular destaque para o grande Rui Jordão, a quem um dia Big Mal se referiu como não estando bem da cabeça. Como resultado deixou-o na bancada num importante jogo contra o Porto para estupefacção geral, lançando no seu lugar um miúdo açoriano formado no clube (Mario Jorge), um fantasioso canhoto que aliás viria a marcar o único golo desse Clássico. A verdade é que Jordão regressaria em grande, ganhando Allison de uma assentada dois jogadores na caminhada para a conquista do título de campeão nacional. Um caso paradigmático de como há males que vêm por bem. Porque no fim do dia o mais importante é a equipa. Dúvidas? Tivesse o Sporting ganhado o campeonato na época transacta e ninguém falaria no notório abaixamento de forma de Pedro Gonçalves. Não vencendo, foi mais evidente a ausência do Pote de Ouro no final do arco-íris. Sim, porque os grandes jogadores podem pontualmente ajudar uma equipa, mas as grandes equipas são aquelas que conseguem mascarar o pontual menor fulgor dos seus craques, levando-os muitas vezes a crescer com o grupo, o que tende a ocorrer mais rapidamente por a pressão não ser tão grande devido às vitórias continuarem a acontecer. 

03
Jul22

Os 4 Violinos


Pedro Azevedo

A ideia de que só a vitória interessa é um pensamento que se enraizou no futebol a partir do momento em que o romantismo do futebol espectáculo cedeu o lugar ao pragmatismo do futebol negócio. A história porém mostra-nos que há mais do que uma forma de vencer, e vencer o coração dos adeptos nem sempre passa obrigatoriamente pela vitória dentro do campo de jogo. Por isso incomparavelmente mais páginas foram escritas sobre a Hungria de Puskas, Kocsis e Hidegkuti do que acerca da Alemanha de Walter, Rahn e Morlock. O mesmo se passou com os teutónicos Meier, Beckenbauer e Müller, subjugados pela história e no coração dos adeptos pela sumarenta Laranja Mecânica de Cruijff, Rensenbrink e Neeskens, ou com a Itália de Conti, Tardelli e um inspirado Rossi, trucidada mediaticsmenre ao longo dos anos pelo perfume do futebol sambado de Zico, Falcão e Sócrates (ocorre-me que quem achar esta ideia metaforicamente platónica pode ligá-la literalmente a este jogador com o nome do antigo mestre de Platão). Vem este arrazoado a propósito do melhor meio campo que vi jogar no nosso Sporting, que apesar disso não foi campeão. Tomem lá nota, por favor: a titulares tínhamos o Paulo Sousa, o Euclides do futebol mundial, um homem com imensa noção do seno e do co-seno que chegou a Alvalade à tangente mas nunca foi secante; depois, havia o Balakov, o magneto, que em progressão colava a bola aos pés como se tivesse um íman nas botas; seguidamente, apresento-vos o Cherbakov, um tipo que invulgarmente conciliava uma força quase sobre-humana com uma técnica apuradíssima, um elefante com patas (pés) de bailarina, que um dia, qual Atlas, vi carregar o mundo de dois austríacos do Casino sobre os ombros e costas até desferir um imparável remate ainda de fora da área; e, claro, havia também o Figo, o mago do drible, mestre da arte do engodo, tango ou tanga da cabeça aos pés; sem esquecer o Peixe, eleito melhor jogador do Mundial junior de 91, o Capucho, também coroado em Lisboa, o Filipe, campeão do mundo em Riade, e o Pacheco, que com o Sousa roubámos ao Benfica. Bem, foi o mais perto que tivemos de ter opera em Alvalade, mas, como quem Scala consente, não tivemos alternativa que não fosse aceitar que o Robson fosse substituído pelo Queiroz e tudo terminou em opera-bufa. Mas que foi bom, lá isso foi, pelo menos enquanto durou (o Sousa saiu logo no ano seguinte para a Juventus, o Cherba perdeu-se na noite de Lisboa, o Figo assinou por 2 italianos e acabou em Espanha e o Bala foi fazer história no Estugarda). Por isso, com todo o respeito pelos Sporting de Fraguito, Dinis e Yazalde, do Manél, Jordão e Oliveira, ou do Mario Jardel, André Cruz e João Vieira Pinto, aqui fica a minha vénia a esses artistas. 

18
Jun22

A Vida de "Chirola" Yazalde (*)

Parte VI (e última) - Até sempre, Chirola!


Pedro Azevedo

Após uma boa primeira época em França, nada faria supor que estaria iminente o seu regresso à Argentina. Inclusivé, Carmen acaba de dar à luz o único filho do casal, Gonzalo, em terras francesas. Yazalde tem uma vida estável, tranquila e confortável na Riviera Francesa, mas a ilusão de voltar a jogar um Mundial, ainda mais na Argentina (anfitriã do Mundial de 78), fá-lo esticar a corda e regressar a casa. Perde muito dinheiro (com contrato por mais dois anos, tem de pagar 500.000 dólares de valor de rescisão ao Marselha) no processo, mas no início de 77 (a meio da temporada em França) assina pelo Newell's Old Boys, um clube argentino da cidade de Rosário, 300 km a noroeste de Buenos Aires. 

 

Estreia-se pela sua nova equipa no Campeonato Nacional (hoje Clausura), competição que funcionava como segundo turno do campeonato argentino. O primeiro jogo é em Mar del Plata, contra o Círculo Deportivo. Fica em branco. Em 4 de Fevereiro, contra o San Martin de Tucumán, o primeiro golo. Mas não é só 1, são 3 de uma vez, um hat-trick. Acaba o ano com 7 golos. Reencontrado com a forma de jogar na Argentina, inicia o Metropolitano de 78 em grande forma. Logo a abrir, 2 golos ao Argentinos Juniors, a equipa de "El Pibe" Maradona, mago que tem em Yazalde um dos seus ídolos de criança. O Newell's vence por 3-0 e os dois craques tiram uma foto que um dia Maradona utilizará para homenagear nas redes sociais o seu ídolo (entretanto já falecido). Os golos voltam-lhe aos pares, marca a dobrar ao Colón, Chacarita e San Lorenzo. Acaba o primeiro turno do campeonato com 10 golos. Yazalde está novamente em grande, mas a tristeza por não ter sido incluído na convocatória de Menotti para o Mundial deixa-o inconsolável. Entra em depressão. Como se não bastasse, segundo Carmen, leva uma injecção contra a gripe e é contagiado com hepatite num tempo em que as seringas são muitas vezes reutilizadas. Começa a ter recorrentes problemas de fígado.  Na 2ª parte da época, disputada pós-Mundial, o Chirola só faz 4 golos. Mais animado, regressa em 79 com um bis ao Racing de Avellaneda, rival dos tempos em que esteve no Independiente. De seguida, um hat-trick ao Velez Sarsfield. Acaba 1979 com 14 golos marcados, o mesmo registo do ano anterior. Em 80 está em grande evidência no dérbi de Rosário, o Classico Rosarino, que põe em confronto "leprosos" (Newell's) e "canalhas" (Rosário Central). Marca por duas vezes e o Newell's vence por 3-0. Em finais de Outubro, volta a bisar. Desta vez contra o seu antigo clube, o Independiente. Um mês depois, faz 2 golos no espaço de 3 dias. A vítima é o "all mighty" River Plate. Acaba o ano com 13 golos, como um relógio suiço. Ainda faz uma perninha no Metropolitano de 81. São apenas 2 meses, o suficiente para se despedir com 6 golos. No total, são 54 pelo Newell's. Por fim, é visto em 82, num jogo pelo Huracán, mas é o canto do cisne. 

 

Terminada a carreira de futebolista, Yazalde assume funções no staff directivo do Huracán e chega até a treinar o clube durante um curto período de tempo. No Natal de 84 vem a Lisboa para apresentar Saucedo, compatriota que jogava no Equador. Entra em Alvalade, é recebido e saudado pela direcção presidida por João Rocha e regressa à Argentina. Nunca se esquecerá do Sporting, vivendo-o sempre com intensidade, fazendo fé nas próprias palavras de Carmen Yazalde. Carmen de quem se separa em 87, nunca porém se divorciando. E morre, em 97, a 18 de Junho, aos 51 anos. Conta Carmen ao "As": "o meu filho ligou-me pelas 6h30, mas quando cheguei já o Yazalde estava morto. Tinha vindo de jantar, sentiu-se indisposto. Não estava bem desde há 2 anos atrás, tinha uma úlcera perfurada e muitas hemorrogias internas". 

 

Um Homem só verdadeiramente morre quando já não existe ninguém para o lembrar. Assim, estou em crer que Yazalde viverá enquanto existir pelo menos 1 Sportinguista, logo eternamente (assim o espero). Para a história ficarão essencialmente os seus 50 golos em 73/74 (apenas 35 jogos) - 46 dos quais, no campeonato, valer-lhe-iam a Bota de Ouro - , marca só muitos anos mais tarde batida por outro "leproso" (Messi) e por um jogador da Formação do Sporting (Ronaldo). Não digam que não há coincidências...

 

P.S. Termino hoje, no dia em que se perfazem 50 anos desde a data em que Yazalde se estreou em Alvalade, este ciclo de Posts sobre a vida de Héctor Yazalde. Uma homenagem ao Chirola em que procurei trazer alguns novos, ou pouco divulgados, dados sobre a sua carreira desportiva e vida fora das quatro linhas. Foram 6 capítulos escritos com amor, ciente do impacto (não querendo desvalorizar a importante acção do meu pai) que o meu 1º ídolo teve na minha decisão de ser do Sporting. Era algo que um dia teria de fazer, assim como que uma espécie de chamamento, eu que me estreei na blogosfera exactamente a escrever sobre Yazalde. Ficará em arquivo, espero que vivo, deste blogue enquanto acervo da vida deste enorme futebolista que tão bem serviu o nosso Sporting. Nunca se esqueçam que, tal como as nossas referências, princípios ou valores, as pessoas só morrem verdadeiramente se nos esquecermos delas. 

 

Obrigado, Yazalde!

 

Bibliografia: Esquadrão Imortal (site brasileiro); Jornal AS (Espanha, artigo de Topo López); Puntal Villa María (jornal argentino); En Una Baldosa (site argentino); Cápsulas de Carreño (site colombiano); Clarin (jornal argentino); Infobae (site de notícias argentino propriedade de Daniel Hadad), Bifana Bifana (blog, Inglaterra); OM4ever.com (blog de apoiantes do Marselha); Entrevista de Rui Miguel Tovar a Carmen Yazalde; WikiSporting. O meu agradecimento especial ao Francisco Navarro. 

yazalde newells.jpg

yazalde newells 2.jpg

yazalde newell.jpg

 

yazalde e maradona.jpg

(*) Publicado originalmente neste blogue em 24 de Fevereiro de 2021

18
Jun22

A Vida de "Chirola" Yazalde (*)

Parte V - Sob o signo do bronze


Pedro Azevedo

Como tantas vezes na nossa história, após uma gloriosa época culminada com uma dobradinha nas provas nacionais e presença nas meias-finais da Taça dos Vencedores das Taças, a instabilidade regressa ao clube. Mário Lino e João Rocha têm opiniões distintas sobre a preparação da pré-época seguinte, a corda estica e acaba por partir pelo elo mais fraco. Lino ja nem está no banco na final da Taça, demitido na manhã desse jogo no hotel onde a equipa estagia. Osvaldo Silva, velha glória do clube, assume interinamente.

 

João Rocha tinha uma ideia para garantir a independência financeira do clube. Lança o projecto da SCP - Sociedade de Construções e Planeamento, o qual é aprovado em Março de 1974 pelo governo de então. Surge a Revolução e João Rocha vê-se obrigado a abrir mão do projecto. O PREC está aí e a convulsão política não ajuda à confiança na economia. Em contra-ciclo, Yazalde está em alta. Faz um bom Mundial, o Real Madrid pressente as dificuldades financeiras vividas em Portugal, de que o Sporting não é excepção, e faz uma proposta pelo avançado. São 27.000 contos (135.000 euros). Rocha hesita, mas decide fazer um esforço para manter o seu ponta de lança. Por isso quer ir no final da época aos EUA, onde pretende arrecadar algum dinheiro para o clube. Lino não está de acordo por pesar mais a fadiga dos jogadores e o efeito que isso terá no atraso de preparação da nova época. O treinador sai, o Sporting realiza 3 jogos nos EUA, 2 com o Porto, 1 com o Benfica de Newark, entre 30 de Junho e 7 de Julho de 74.

 

Sem treinador, o Sporting procura-o no estrangeiro. Curiosamente, é uma lenda do Real Madrid o escolhido. Trata-se de Alfredo Di Stefano, a "sieta rúbia", um antigo jogador que está para o Real Madrid e sua correlação de forças com o Barcelona como Eusébio está para o Benfica na sua disputa pela primazia no futebol com o Sporting. Yazalde é quem estabelece o primeiro contacto e apresenta João Rocha a Don Alfredo. Ao longos dos poucos dias em que o argentino naturalizado espanhol está em Portugal são vistos a jantar no Gambrinus, a relação entre eles é muito boa. Tanto assim é que quando Rocha e Di Stefano se incompatibilizam, Yazalde tenta pôr água na fervura e sai em defesa do treinador. Dinis e Dé são os primeiros a não gostar dos métodos do treinador, a derrota em Faro (o Estádio Padinha estava interditado) com o Olhanense, para a primeira jornada do campenato, é a gota de água que faz transbordar o copo. Di Stefano, que nesse jogo nem vai para o banco, acaba demitido por entre a acusação presidencial de ser um "turista mal-educado". O facto de insolitamente ainda não ter o contrato assinado ajuda ao desenlace. Osvaldo Silva volta a assumir, mas apesar de 1 golo de Yazalde o Sporting acaba eliminado das provas europeias pelo Saint Étienne, na primeira eliminatória da Taça dos Campeões (Champions). 

 

Se as coisas não começam bem, tardam a endireitar-se. Apesar de um empate encorajador nas Antas, à quinta jornada a equipa tem apenas 1 vitória. O resto são empates (2) e derrotas (após Olhanense, o Sporting perde em casa com o Guimarães). O Sporting consegue então alinhavar 3 vitórias consecutivas perante Atlético, União de Tomar e Farense. São 11-2 em golos, Yazalde marca 8, com direito a póquer aos alcantarenses e dois bis, um no Nabão, outro na recepção aos algarvios. No total, já leva 10 golos no campeonato (+1 na Europa), a fúria goleadora mantém-se. Vai-se destacando também socialmente: anda sempre com os bolsos cheios de moedas para dar aos meninos que o esperam na Porta 10A, sorteia os carros que lhe oferecem entre os colegas, chega até a comprar de volta um auto-rádio que lhe haviam roubado, a todos vai tocando com a sua humanidade. Voltando ao futebol, as coisas voltam a complicar-se no campeonato. Primeiro é um empate no Estádio do Mar, depois outro, em casa, com a CUF, finalmente nova divisão de pontos em Marvila. Pelo meio, duas vitórias tangenciais contra Espinho e Boavista, este último agora treinado por Pedroto que terminara o seu excelente ciclo em Setúbal. A insatisfação é geral, de forma que a 22 de Dezembro, quando o Sporting se desloca à Luz, é já Fernando Riera que está no banco. Riera começara por se destacar como jogador, tendo actuado pelo Chile na World Cup 50 disputada no Brasil. Como treinador, incia-se no Belenenses e quase é campeão. É o tal campeonato do golo de Martins, nas Salésias, que acaba por dar o título ao Benfica. Depois orienta o Chile no Campeonato do Mundo de 62. Leva a sua selecção até às meias-finais, pela frente tem o Brasil. Quer dizer, o Brasil sem Pelé, que se havia lesionado no 2º jogo da fase de grupos. Mas, se não há Pelé, está lá Garrincha. O "anjo das pernas tortas" marca 2, Vavá outros dois e o Chile (derrota por 4-2) tem de se contentar com o 3º lugar (vitória sobre a Jugoslávia). É depois campeão 3 vezes pelo Benfica, a última já depois de despedido. E vai a uma final dos Campeões perdida para o Milan. Treina também o Porto, em 72/73. É, portanto, um treinador com cartel aquele que acaba de chegar. O embate na Luz termina empatado e renasce a esperança de um futuro melhor. Yazalde, como não podia deixar de ser, aponta o nosso golo, o seu 12º na competição. Confirmando a retoma, o Sporting vence o Belenenses em novo dérbi lisboeta e a 1ª volta termina com melhores auspícios. 

 

O Sporting entra forte na 2ª volta e vinga-se com uma cabazada ao Olhanense. São sete-a-zero e o Chirola faz uma "manita". De seguida, visita a Coimbra onde a Académica mudara de sexo, e nova vitória (3-1). Mais um para a conta de Yazalde. A recuperação é depois testada contra o Porto. A expectativa é grande e os leões mostram estar no bom caminho: triunfo por 2-1 com golo decisivo de Yazalde e tudo. Mas, em Guimarães há empate sem golos e a margem de erro reduz-se para zero. O Sporting consegue então a sua melhor sequência de vitórias nesse campeonato, alinhando 5 triunfos consecutivos. Yazalde marca por 6 vezes, quatro delas aos "bebés" de Matosinhos. Estamos a meio de Março e o Sporting tem uma saída difícil ao Bessa. Os boavisteiros já estão a sentir o efeito Pedroto e lutam com o Guimarães pelo quarto lugar. Têm muito bons jogadores, como Alves, Salvador, Celso ou Mário João. O jogo corre-nos mal (derrota por 2-0) e é o adeus definitivo ao título. Restam-nos 5 jogos, 1 deles com o Benfica (novo empate 1-1). Yazalde marca por 5 vezes e volta a ganhar a Bola de Ouro para o melhor marcador do campeonato. 

 

Os leões terminam o campeonato sob o signo do bronze. O Sporting é 3º e é ainda eliminado pelo Boavista no prolongamento das meias-finais da Taça. Pedroto a ser Pedroto e a aplicar dois xeque-mates aos leões. Yazalde acaba a época com uns muito bons 37 golos (34 jogos). No campeonato marca 30 (26 jogos) e ganha a Bota de Prata europeia da France Football. O romeno Georgescu (33 golos) é o vencedor, Geels, holandês do Ajax, e Onnis, também argentino do Mónaco, dividem com Yazalde o prémio. Infelizmente, há um outro alinhamento de bronze no horizonte: a situação em Portugal deteriora-se, João Rocha não consegue aguentar por mais tempo o seu avançado e vende-o por 11 mil contos ao Marselha. Do bronze no campeonato para o bronze ao sol da Riviera Francesa, Yazalde transfere-se para o Marselha. São 126 golos em 131 jogos, 104 golos em 104 jogos de campeonato. Para o substituir em Alvalade, Manuel Fernandes, proveniente da CUF, outro ídolo leonino.

 

Em Marselha, a vida não corre mal a Yazalde. Socialmente, convive com Alan Delon e Jean Paul Belmondo, astros do cinema francês. Também com Carlos Monzón, seu compatriota e campeão do mundo de pesos médios (boxe). Vive num apartamento de 300m2 com uma vista impressionante, 3 piscinas, 2 courts de ténis, numa hora está na praia em Saint-Tropez ou viaja até Aix-en-Provence. O Mónaco é também um dos seus destinos favoritos. Em França, Yazalde dá largas à sua joie-de-vivre. Desportivamente a primeira época é salva pela conquista da Taça de França. No campeonato o Marselha é 9º classificado devido a uma série final terrível de 6 derrotas em 7 jogos. O treinador é Jules Zvunka e a equipa não tem grandes valores, exceptuando Trésor (defesa) e Yazalde. Coincidência, ou talvez não, a queda do Marselha acontece quando Yazalde se lesiona e perde 6 dos últimos 7 jogos. Nos 10 primeiros jogos do Olympique, 10 golos de Yazalde. Business as usual!  Termina o campeonato com 19 golos em 30 jogos disputados (o campeonato tem 38) e é o 6º melhor marcador, o 1º entre os marselheses. Se é influente no campeonato, na Taça torna-se providencial. Marca 3 golos, um dos quais na meia-final contra o Nancy, de Michel Platini. Na final, é eleito o "L'Homme du Match". No total, a época para Yazalde fica-se pelos 22 golos. Nada mal, considerando o nível da equipa e a lesão. A segunda temporada corre-lhe pior. Começa a época e rapidamente se lesiona. Regressa á equipa e marca os dois golos que garantem uma vitória em Sochaux (2-1) mas já estamos na 9ª jornada do campeonato. De seguida, bisa de novo com o Lille e é o canto do cisne. Yazalde só faz 12 jogos na Ligue 1, a sua cabeça está na Argentina e na promessa que alegadamente Júlio Grondona lhe terá feito - Carmen afirma-o parentoriamente, mas, embora muito influente no meio (o que em parte o justifica), Grondona só será presidente da AFA a partir de 79 -  de que se regressasse à Argentina estaria entre os seleccionados para o Mundial de 78. É tempo de terminar a aventura europeia de Yazalde, a sua terra natal espera-o de volta. Destino: o Newell's Old Boys. 

yazalde A BOLA.jpeg

YAZALDE BOLA DE PRATA.jpg

di stefano e yazalde.jpg

yazalde e carmen praia.jpg

yazalde OM.jpg

Yazalde OM2.jpg

yazalde OM4.jpg

yazalde OM3.jpg

(*) Publicado originalmente pelo autor neste blogue em 23 de Fevereiro de 2021

18
Jun22

A Vida de "Chirola" Yazalde (*)

Parte IV - A Glória


Pedro Azevedo

Casado de fresco, Yazalde apresenta-se em Alvalade com estabilidade e motivação adicionais para a temporada de 73/74. Mário Lino, vencedor da Taça de Portugal, vê renovada a confiança em si e continua como treinador principal. Ao contrário das duas épocas anteriores, que começaram muito bem, o Sporting perde o primeiro jogo do campeonato. O adversário é o Vitória de Setúbal, que com José Maria Pedroto volta a ameaçar discutir o título. Uma derrota é sempre uma derrota, mas esta, tendo ocorrido no Bonfim, acaba por ser o presságio do que está para vir. Nem de propósito, Benfica e Porto perdem, respectivamente, no Bessa e em Belém. O Sporting inicia então uma sequência de 7 jogos consecutivos a vencer. E não são vitórias quaisquer, os leões marcam 31 golos e sofrem apenas 2: Boavista, Leixões, Farense e CUF levam "chapa 3", o Belenenses 4, o Oriental 7 e o Montijo é vergado em Alvalade com 8 golos sem resposta. Yazalde marca em todos esses jogos. No somatório, são 19(!) golos do "Chirola", meia-dúzia contra os montijenses, um póquer face ao Oriental. Segue-se um jogo nas Antas, o único que Yazalde não disputa nesse campeonato. Chico Faria faz de "Chirola" e o Sporting sai do Porto com um empate. Os leões estão definitivamente na corrida pelo título. 

 

A paragem não parece ter feito bem a Yazalde, que nos próximos dois jogos fica em branco. Um deles é na Luz, onde o Sporting perde por 2-0. Porém, rapidamente retoma a sua cadência goleadora: o Sporting vence os 4 jogos que faltam para completar a primeira volta e "Chirola" faz abanar as redes mais 8 vezes. A meio do campeonato, o Sporting lidera a classificação e Yazalde leva 27 golos(!), ficando em branco em apenas 4 jogos (1 ausente). 

 

No início da segunda volta, o Sporting vInga-se da derrota sofrida em Setúbal. Dois-a-um é o resultado e Yazalde marca o golo decisivo. O Chirola fica em branco no Bessa e o Sporting não vence um Boavista que continua a progredir. Estabelece-se então de novo um proporção directa entre os golos de Yazalde e a sina do Sporting: marca ao Leixões e ganhamos, não marca em Belém e o Sporting perde. Como consequência, Benfica e Vitória de Setúbal aproximam-se de novo com perigo. A resposta é concludente: o Sporting vence o Oriental por 8-0 com 5 golos do Chirola. Na baliza dos marvilistas estava Carlos Alberto Azevedo Cunha, Azevedo para o mundo do futebol, meu homónimo, sem parentesco conhecido com o grande João Azevedo (o Gato de Frankfurt e histórico guarda-redes do tempo dos 5 Violinos). A vitória é o prelúdio para uma sequência de 6 triunfos consecutivos e um score de 23-1 em golos. Yazalde divide as coisas: marca 5 ao Oriental, outros 5 nos restantes jogos. Pelo meio, o Sporting vence o Porto, em Alvalade, por 2-0. Nesse dia Yazalde fica de jejum, é o "Brinca n'areia" (Dinis) que bisa. Na 26ª jornada, o Sporting perde em casa com o Benfica por 3-5. Yazalde bisa, o primeiro memorável, com um salto de peixe que não foi do agrado de Zé Gato. Resultado: o guarda-redes encarnado sai ao intervalo e é substituído por Bento, um render da guarda. O jogo é a 31 de Março e Marcello Caetano está na tribuna. Recebe aí a sua última grande ovação (entre alguns apupos), a revolução está a chegar. Com a derrota, o campeonato fica tremido e a 4 dias do 25 de Abril a coisa piora com um empate em Aveiro. Há só agora 1 ponto a separar-nos de Benfica e 2 do Setúbal, é imprescindível ganharmos os 3 jogos que faltam para sermos campeões. 

 

O Sporting apanha a Revolução no regresso da RDA. Umas meias-finais da Taça dos Vencedores de Taças que terminam de forma totalmente desafortunada com um falhanço de baliza aberta de Tomé, que de outro modo nos teria conduzido à final. Cá o fado já havia sido semelhante: penálti falhado por Dinis, auto-golo de Manaca (sim, o infortúnio não lhe aconteceu só em Guimarães) e golo solitário de Chico. Feitas as contas, 1-1 em casa e 1-2 na Alemanha, o Sporting é eliminado pelo Magdeburgo. Yazalde, lesionado com uma micro-rotura, não joga nenhum dos encontros, os alemães de leste aproveitam e acabam por ganhar o troféu após vitória na final sobre o Milão. 

 

Se bem que não totalmente recuperado, Yazalde acede a jogar os 3 jogos decisivos para o campeonato. Primeiro, o Sporting vence em Coimbra os "estudantes" (3-1) e o Chirola faz 1 golo. A seguir, recepção ao Olhanense e uma goleada por 5-0 com 2 de Yazalde. É chegado então o dia do tudo ou nada. O Sporting tem apenas 1 ponto de avanço sobre o Benfica e estes têm vantagem no desempate directo. Desloca-se ao Barreiro, mais concretamente ao Campo D. Manuel de Mello, a fim de defrontar o Barreirense. Paralelamente, o Benfica vai a Setúbal. O Vitória está já afastado do título, a 3 pontos do Sporting. Pelo sim, pelo não, os adeptos Sportinguistas que vão ao Barreiro levam uma telefonia consigo, os jogos são para acompanhar com os olhos num lado e os ouvidos noutro. O Benfica está a vencer durante a maior parte do tempo, aumenta a ansiedade. Até que, em cima do intervalo, Baltazar adianta o Sporting no marcador. No fim, o Benfica empata (2-2), mas nem seria preciso porque o Sporting cumpre a sua obrigação, vence por 3-0, e sagra-se campeão nacional. É também o melhor ataque (96 golos) e a melhor defesa (21) do campeonato, uma limpeza! Yazalde marca o seu 46º no campeonato (média de 1,59 por jogo, semelhante aos números que marcaram a carreira de Peyroteo). No total, são 50 (35 jogos), contando com os 4 na Taça das Taças. [Por curiosidade e para avivar a memória de jogadores de um outro tempo, aqui ficam os melhores marcadores desse campeonato: 1º Yazalde, 46 golos; 2º Duda (Setúbal), 24; 3º Eusébio (Benfica), 16; 4º Jordão (Benfica), 15, 5º Abel (Porto), 15; 6º José Torres (Setúbal), 14; 7º Alemão (Beira Mar), 14; 8º Arnaldo (CUF), 13; 9º Paco Gonzalez (Belenenses), 13; 10º Ademir (Olhanense), 12; 11º Mirobaldo (Farense), 12; 12º Marco Aurélio (Porto), 11; 13º Vala (Académica), 11; 14º Nelson (Sporting), 11; 15º Custódio Pinto (Guimarães), 11; 16º Tito (Guimarães), 11; 17º Móia (Oriental), 10.]

 

Há ainda uma Taça de Portugal por disputar, mas Yazalde não estará disponível, ausente na Alemanha a tentar recuperar para o Campeonato do Mundo. Aliás, não fará qualquer um dos 5 jogos da competição e assim falhará a gloriosa final contra o Benfica, que parecia perdida, é salva por um golo tardio de Chico e finalmente vencida por outro de Marinho já no prolongamento. 

 

O Sporting faz a dobradinha e Yazalde recupera a tempo do Mundial de 74. A campanha da Argentina não é famosa, eliminada na 2ª fase, mas o Chirola (nº 22) ainda marca dois golos ao Haiti. Entretanto, escrutinados todos os golos dos campeonatos europeus, Yazalde é o melhor marcador da Europa. E no Lido de Paris recebe a Bota de Ouro perante um Franz Beckenbauer que lhe diz ter a mulher mais bonita de todas as mulheres de jogadores de futebol. O segundo classificado é o austríaco Krankl (Rapid de Viena, mais tarde estrela do Barcelona), os terceiros, ex-aequo, são o também argentino Carlos Bianchi (jogador e futuro treinador de sucesso) e os alemães Jupp Heynckes (Borussia M'Gladbach) e Gerd Muller (o "Bomber", do Bayern de Munique). Que quinteto! Termina assim da melhor maneira uma temporada de glória. Para Yazalde e para o Sporting. 

1973-74.jpg

Yazalde_golo_ao_benfica_1974-2.jpg.crdownload

yazalde campeonato.jpg

yazalde holanda.jpg

yazalde haiti.jpeg

1973_74_yazalde_bota_ouro.jpg

yazalde ouro

yazalde e carmen bola de ouro.jpg

(*) Publicado originalmente pelo autor neste blogue em 22 de Fevereiro de 2021

18
Jun22

A Vida de "Chirola" Yazalde (*)

Parte III - A caminho da glória


Pedro Azevedo

Após 8 meses sem jogar, Yazalde tem a oportunidade de finalmente poder justificar a sua contratação pelo Sporting. É o início da época 71/72 e o treinador é Fernando Vaz, campeão em 70 e vencedor da Taça de Portugal em 71 pelo clube. Yazalde entusiasma na estreia com 3 golos ao Boavista. Na jornada seguinte, mais um golo, desta vez ao Barreirense. O ímpeto goleador vai continuando: faz abanar as redes do Leixões e do Vitória de Guimarães. À sexta jornada o Sporting tem 6 vitórias e Yazalde 6 golos. Se seis é o número da união perfeita, Alvalade está em delírio com a equipa e o seu avançado.

 

Subitamente, uma derrota, em Belém. Yazalde não marca e o Sporting perde. A equipa parece retomar um caminho virtuoso com vitórias sobre Farense e CUF e um empate nas Antas, mas é sol de pouca dura: um empate em Setúbal e uma derrota caseira com o Beira Mar dão pouco espaço de manobra, o desaire caseiro com o Benfica (0-3) põe fim às aspirações de ganhar o título. Yazalde, entre pequenas lesões e abaixamento de forma não é mais o mesmo, consequência porventura da falta de ritmo ocasionada por ter estado tanto tempo parado durante a temporada anterior. Até ao fim da época marcará apenas em mais 7 ocasiões, 3 golos para o campeonato e outros 4 na Taça das Taças. Nesta última acontece o caricato: após eliminar o Lyn, da Noruega (3 golos de Yazalde), o Sporting enfrenta o Glasgow Rangers. Primeiro, é derrotado na Escócia por 3-2. Em Alvalade, Yazalde inaugura o marcador. Mas, por cada golo que os leões marcam, os protestantes logo igualam. Perto do fim, Pedro Gomes faz o 3-2 e o jogo vai para prolongamento. Desta vez são os escoceses que se adiantam, mas Peres volta a colocar o Sporting na frente. Termina o prolongamento e o árbitro manda seguir com as penalidades. Damas defende por três vezes, é o herói da noite. Alvalade festeja a eliminação do Rangers. Por pouco tempo: ao acordarem de manhã, os adeptos tomam conhecimento que o árbitro falhou ao não cumprir com os novos regulamentos que prevêm que em caso de igualdade final prevaleçam os golos marcados fora. Ora, o Sporting fizera 2 em Glasgow e os escoceses 3 em Lisboa, o golo a mais, ainda que marcado no prolongamento, conta mesmo para desempatar a contenda a favor do Rangers.

 

A época não é menos frustrante: Fernando Vaz não resiste aos maus resultados e é despedido num processo com o seu quê de sinistro. Três vezes campeão pelo Sporting como adjunto de, respectivamente, Robert Kelly, Cândido de Oliveira e Randolph Galloway, Vaz havia ganho como treinador principal o campeonato e a taça, a última após goleada por 4-1 na final contra o eterno rival Benfica. Sai Vaz, entra Mário Lino, antes adjunto. Com o campeonato perdido (3º lugar) e já eliminado na Europa, Lino concentra-se na Taça de Portugal. E o Sporting vai à final, reeditando o duelo com o Benfica. Desta vez sem glória: derrota por 3-2. Yazalde fica em branco e termina da pior maneira uma temporada que pareceu auspiciosa. No total marca 13 em 28 jogos. Chico Faria faz 14 e Fernando Peres, o maestro, é o melhor marcador da equipa (16 golos). 

 

Se no plano futebolístico Yazalde ainda está a aquecer os motores, no amor as coisas vão de vento em popa. Assim, terminada a época, viaja com Camizé, futuramente dita Carmen, para a Argentina a fim de lhe apresentar a família e estar presente no casamento de Teté Coustarot, modelo e rainha de beleza do país das pampas.

 

No regresso conhece um novo treinador. É inglês e chama-se Ronnie Allen, antigo ponta de lança do WBA e dos "Three Lions" (as armas inseridas no escudo da selecção inglesa de futebol). A expectativa é grande, Allen vem com bom cartel de Bilbau onde conseguiu um segundo lugar na La Liga com o Athletic. A estreia no campeonato não poderia ser melhor: o Sporting desloca-se às Antas e ganha por 1-0. Marca Yazalde, "of course". Seguem-se vitórias tranquilas sobre União de Tomar, Farense e Vitória de Guimarães. Em todos esses jogos Yazalde factura, bisando mesmo contra os nabantinos. Quatro jornadas, quatro vitórias, Yazalde já leva 5 golos. Segue-se deslocação à Luz e derrocada: o Sporting perde por 4-1 (póquer de Eusébio). O golo solitário ainda assim é do Chirola. De seguida o Sporting ainda ganha ao Atlético e Yazalde lá faz o seu golito, marcando pelo 6º jogo consecutivo, mas um empate no Montijo inflama os ânimos e na recepção ao Leixões a casa vai abaixo. Estávamos no dia 29 de Outubro de 1972 e o Sporting jogava com os matosinhenses. Damas, a quem Allen deliberadamente havia atribuído culpas do massacre (6-1) na Escócia frente ao Hibernian (Taça das Taças), havia sido agredido por adeptos montijenses no jogo anterior e o ambiente estava quente. Para piorar, logo no início, o auxiliar dá fora de jogo a um ataque leixonense, mas o árbitro deixa seguir. Na sequência, assinala grande penalidade contra os leões. Damas defende, Carlos Lopes (assim se chamava o árbitro) manda repetir alegando que o guarda-redes se havia movimentado antes do tempo. O Leixões marca à segunda tentativa. Começam a chover pedras no relvado. O jogo pára por uns instantes e quando é reatado produz-se o caos: um jogador dos "bebés" corta para canto, o árbitro dá pontapé de baliza. Logo adeptos provenientes do peão, superior e central invadem o campo. Um deles tenta perfurar o árbitro com um guarda-chuva. Às tantas o árbitro é socado, cai no chão. Seguem-se pontapés, alguns na cabeça. Teme-se o pior. Num instinto, Carlos Alhinho corre e deita-se por cima do árbitro. Apanha também ele alguns pontapés. Depois vem Yazalde, conhecido pelo seu elevadíssimo fair-play, que replica o gesto do seu colega de equipa. Outros jogadores ocorrem, fazem um cordão de segurança e Carlos Lopes consegue escapar com vida. O incidente não escapa sem a punição devida e o Estádio José Alvalade fica interditado por 9 jogos. É o fim da picada, a equipa nunca mais se reencontra e termina o campeonato com a até aí pior classificação de sempre, um 5º lugar. 

 

A época é marcada pelo tumulto. Logo de início, Fernando Peres é suspenso pelo clube. Motivo: a defesa da honra de Fernando Vaz. Na Europa, Allen culpa publicamente Damas por 3 dos 6 golos sofridos na Escócia. O guarda-redes chega mesmo a ser agredido por adeptos no Montijo e na jornada seguinte produzem-se os incidentes acima descritos em Alvalade. Allen acaba por ser despedido em Abril, Lino volta a assumir a batuta. Sofridamente, com vitórias tangenciais sobre o mesmo Leixões e a CUF, o Sporting chega à final. Do outro lado, o Vitória de Setúbal, treinado por José Maria Pedroto, 3º classificado nesse campeonato depois de já ter feito sensação no ano anterior (2º). O Sporting acaba por ganhar a Taça após vencer por 3-2. Mário Lino garante o lugar de treinador principal para 73/74 e Yazalde vai de férias com 1 golo importante na final. No total da época faz 28 golos (38 jogos), 19 no campeonato, 7 na Taça, 1 na Europa, 1 na Taça de Honra.

 

De regresso á Argentina, Yazalde desposa Carmen. Dia 16 de Julho de 1973, a cerimónia tem lugar na Basílica María Auxiliadora y San Carlos, em Buenos Aires. Segue-se copo-d'água no Cafe Tabac, jantar a que faltaram metade dos convidados devido ao temporal que nesse dia se abateu sobre a capital argentina. Os noivos vão de lua-de-mel para Mar del Plata. Daí regressarão imediatamente para Lisboa, o Sporting iniciará a pré-época da temporada de 73/74. Estável, dentro e fora do campo, Yazalde está em crescendo. A esperança pinta-se de verde. Vem aí um ano inesquecível.

sporting 7273.jpg

yazalde e carmen 2.jpg

yazalde e carmen casamento.jpg

yazalde golo.jpg

(*) Publicado originalmente pelo autor neste blogue em 20 de Fevereiro de 2021

18
Jun22

A Vida de "Chirola" Yazalde (*)

Parte II - Yazalde em Lisboa


Pedro Azevedo

Disputado por Santos e Palmeiras do Brasil, Nacional de Montevidéu do Uruguai, Boca Juniors da Argentina e os europeus Lyon e Valência, os dotes negociais de Abraão Sorin viriam a ser providenciais para que o Sporting garantisse a sua contratação em Janeiro de 1971. Após acordar o pagamento de 3 500 contos (17 500 euros) ao clube argentino (mais 700 contos de prémio, ou "luvas" como se designava à época, para o jogador), o Sporting pediu a Yazalde para se juntar à comitiva leonina que se encontrava em digressão pela América do Sul. Estrear-se-ia então, de forma não oficial, em 25 de Janeiro, no Morumbi, num jogo contra o São Paulo, substituindo Chico Faria após o intervalo. Curiosamente, nessa ficha de jogo, do lado dos paulistas constava o nome de Pedro Rocha, grande jogador uruguaio com presença em 4 Mundiais de Futebol que mais tarde viria a ser treinador do Sporting. 

 

Chegou a Lisboa em 11 de Fevereiro, mas os primeiros tempos na capital portuguesa não foram fáceis a nível desportivo. Não podendo ser inscrito nessa temporada, restavam-lhe os jogos particulares para ir aparecendo. A sua apresentação em Alvalade ocorreria a 24 de Fevereiro desse mesmo mês, tendo sido convidados os franceses do Red Star para abrilhantar a festa. O Sporting ganhou por 3-0, mas o Chirola esteve longe de deslumbrar. Integrando uma linha avançada com Marinho, Chico e Lourenço, ficou a nu a falta de entrosamento com os seus companheiros. Aqui e ali, no entanto, deixou pinceladas de bom futebol. Enfastiado por não poder jogar oficialmente, Yazalde envolve-se na "movida" lisboeta por entre uns fados e tertúlias com a elite artística e cultural do país. Damas e Laranjeira são companheiros inseparáveis, os seus melhores amigos no Sporting. Com muito tempo disponível, as mulheres, muitas mulheres, passam também a ser uma companhia habitual na sua vida. Vivia então num pequeno apartamento na Avenida de Roma que se situava por cima do Centro Comercial Tutti Mundi, o terceiro "drugstore" por ordem cronológica a ser aberto em Portugal (o segundo em Lisboa), e Conchita Velasco, diva espanhola da época, actriz e cantora, sua vizinha, terá sido uma das suas conquistas. Até que conhece a mulher da sua vida: Maria do Carmo da Ressurreição de Deus, conhecida no meio artístico como Carmizé. O cupido foi Camilo de Oliveira, actor e fanático Sportinguista. Yazalde começa então a ser visto, noite após noite, na primeira fila do teatro de revista no Parque Meyer. Em exibição estava "Lisboa é sempre mulher" e do elenco constava Carmizé, actriz e modelo. Jantam pela primeira vez n' A Mexicana, saem com Camilo e sua mulher para uma noite de fados e iniciam então um relacionamento sério. Com outra tranquilidade e equilíbrio, chegou a altura de Yazalde voltar a jogar futebol.

 

Algum tempo havia passado até que finalmente a 12 de Setembro de 1971, 7 meses após a sua chegada a Alvalade, Yazalde estreia-se oficialmente pelo Sporting na primeira jornada do campeonato nacional de 71/72. O adversário é o Boavista, que inicia nessa temporada a metamorfose que o tornaria Boavistão. Com a voragem de recuperar o tempo perdido, ao Chirola bastam 5 minutos para marcar o seu primeiro golo pelo Sporting. Ainda faria mais dois, completando assim um "hat-trick", numa vitória leonina por 4-1. O pior havia ficado lá atrás e Yazalde preparava-se para encantar os Sportinguistas. O “anjo com cara de índio”, homem que nunca esqueceria as suas humildes origens e pela vida fora sempre evidenciará uma especial sensibilidade em relação a crianças pobres, iria finalmente a todos mostrar que, para si, o golo era, como um dia o classificou Dinis Machado (obrigado ao António F pela recordação), uma triunfante fatalidade. 

yazalde e carmizé.jpg

yazalde e carmizé 2.jpg

71-72.jpg

(*) Publicado originalmente pelo autor neste blogue em 19 de Fevereiro de 2021

18
Jun22

A Vida de "Chirola" Yazalde (*)

Parte I - Da Villa Fiorito a Rei de Copas


Pedro Azevedo

Héctor Casimiro Yazalde nasceu em 29 de Maio de 1946 na Villa Fiorito, um pobre e degradado bairro de Lomas de Zamora, na periferia sul de Buenos Aires, onde 14 anos depois viria também ao mundo o génio Diego Armando Maradona, que aliás teve Yazalde como um dos seus grandes ídolos de infância. Começou a jogar à bola nas ruas da cidade argentina, onde com 13 anos já trabalhava, vendendo jornais, bananas e picando gelo. Como retribuição davam-lhe umas moeditas de cêntimos, apelidadas de "chirolas", o que lhe viria a valer uma alcunha para a vida. Desta forma pretendia ajudar os pais, Pedro e Petrona, e os 7 irmãos, mas o seu sonho era tornar-se profissional de futebol e jogar no Boca. 

 

Tentou a sua sorte no Racing e no Los Andes, mas o seu físico franzino e as sapatilhas esburacadas com que se apresentava nas captações não deixaram os técnicos da cantera desses clubes propriamente bem impressionados, pelo que a oportunidade continuou a passar-lhe ao lado. Até que surgiu o Piraña, um humilde clube que militava na quarta divisão argentina. Tinha 18 anos e finalmente poderia jogar futebol a nível federado. O momento era também de teste às suas reais capacidades, se falhasse ingressaria como mecânico na fábrica textil de Don Prieto. O Piraña havia sido fundado em 1942 como homenagem a Jaime "piraña" Sarlanga, um goleador do Boca do início da década de 40 (122 golos, um dos 5 maiores goleadores da história dos xeneize). O seu fundador, Alcides Solé, era um sonhador e um romântico. De forma que 3 dias apenas após o último jogo de Sarlanga pelo Boca decidira criar e registar o clube, convencendo todos à sua volta de que o nome era sonante e gracioso. Quando Yazalde chegou ao Parque de los Patricios, o clube só estava afiliado na federação argentina (AFA) há apenas 3 anos, por isso não tinha histórico significativo e encontrava-se nas profundezas das divisões inferiores argentinas. Na verdade, dificilmente se poderia chamar àquilo uma oportunidade, mas Yazalde não tinha outra e havia que tentar dar nas vistas o mais possível. E Yazalde aproveitou o que pôde, marcando 52 golos nos dois anos que passou no Piraña, o último dos quais no jogo decisivo que definia a promoção à 3ª divisão. Nessa final, disputada no estádio do Arsenal de Sarandí, clube fundado e presidido à época por Julio Grondona, futuramente presidente da AFA e vice-presidente da FIFA, do outro lado estava um clube de Avellaneda, o General Mitre, presidido por Pedro Iso. Acontece que Grondona e Iso já tinham acertado passar a desempenhar funções dirigentes no Independiente, o primeiro como presidente da comissão de futebol profissional do clube de Avellaneda. Apesar de Yazalde ter sido expulso aos 10 minutos dessa final, o golo que marcou e o requinte que mostrou deixaram impressionado Grondona, que logo convenceu o presidente Carlos Radrizzani a despender 1,8 milhões de pesos para o levar para o Independiente. Do nada, o Chirola dava um salto lunar na carreira. Tinha 21 anos e ia-se estrear na Primera A (primeira divisão da Argentina).

 

Estávamos em 1967 e o Rei de Copas, alcunha atribuída ao Independiente, o melhor clube argentino nas décadas de 60 e 70, disputava o Torneio Nacional (Clausura), o campeonato argentino que encerrava a época (na primeira fase da época ocorria o Torneo Metropolitano, hoje Apertura, podendo assim haver 2 campeões diferentes num ano). Entrando a todo o gás na competição. o Independiente cedo somou 8 vitórias consecutivas. A equipa era fortíssima e tinha um ataque de meter medo, formado por Bernao (o poeta da direita), "El Artillero" Artime, Tarabini e o polivalente Savoy, um canhoto de excelência. Mas Yazalde não se intimidou e estreou-se a marcar logo à 3ª jornada, obtendo o golo decisivo que permitiu ao "Rojo" (outro apodo) vencer no campo do Platense. Tomando-lhe o gosto e não acusando a pressão de quem vinha da 4ª divisão nem a adapatação à nova realidade, o Chirola iniciava sem ainda o saber um ciclo de 6 jogos consecutivos a marcar, obtendo logo de seguida um hat-trick na recepção ao Lanús e bisando frente ao Quilmes. A série não viria a ser interrompida sem novos golos ao Ferrocarril, Chaco e Mar de La Plata, perfazendo um total de 9 em apenas 6 jogos. No final, o Independiente, treinado pelo brasileiro Oswaldo Brandão, sagrar-se-ia campeão, com 12 vitórias, dois empates e apenas uma derrota (San Lorenzo, 1-3, golo do Chirola), e Yazalde seria o 2º melhor marcador da competição (10 golos), a apenas 1 golo do seu colega de equipa, Luis Artime, que viria a coroar-se como o melhor marcador. Continuando nesse transe de astronómico crescimento, no ano seguinte José María Minella convoca-o para a selecção argentina e chega a jogar pela Celeste no Maracanã num tanto quanto possível amistoso contra o Brasil. Nesse mesmo ano e no de 69 continua entre os melhores marcadores na Argentina, mas o título de campeão foge-lhe. Chega então o ano de 1970 e Yazalde volta a ganhar um campeonato argentino, desta vez o Metropolitano. O título teve tanto de glória como de dramatismo, com Independiente e River Plate a acabarem empatados em quase tudo, desde pontos (27) até à diferença de golos (18). Um campeonato que se assemelhou portanto ao célebre Campeonato do Pirolito ganho pelo Sporting ao Benfica, só que com Hector Yazalde a fazer as vezes de Fernando Peyroteo. O independiente acabaria por ser declarado vencedor devido ao terceiro critério de desempate, os golos marcados (43 contra 42 do River). Para chegar aí, o Rei de Copas teve de superar o rival Racing na última jornada. Com o jogo empatado a 2, viria a ser Yazalde a resolver nos minutos finais, assegurando a vitória no jogo e campeonato e obtendo o seu 12º golo da competição. Em consequência, seria eleito o Jogador do Ano (1970), distinção mais tarde também atribuída a craques como Passarella, Fillol, Kempes, Maradona (4 vezes), Francescoli, Riquelme, Tévez, Verón ou Messi.

 

Desperto sobre o valor de Yazalde, Abraão Sorin, dirigente do Sporting, iniciou então negociações pelo seu concurso. E em Janeiro de 1971, o Chirola assinava pelo nosso clube. Para trás haviam ficado 72 golos em 112 jogos realizados pelo Independiente de Avellaneda. Lisboa esperava-o. Antes, porém, uma despedida em beleza: a Argentina convida o Bayern de Munique, de Maier, Beckenbauer e Muller, e a 30 de Dezembro de 1970 vence os bávaros por 4-3. Yazalde bisa. Há também uma última homenagem: o histórico bandoneonista Ernesto Baffa compõe um tango a que chama "Para vos Chirola".

hector yazalde 1,1.jpg

hector yazalde 1.4.jpgYazalde_(Independiente)_-_El_Gráfico_2651.jpg

(*) Publicado originalmente pelo autor neste blogue em 18 de Fevereiro de 2021

18
Jun22

Um quarto de século de saudade

Hector Yazalde morreu há 25 anos


Pedro Azevedo

Hector Casimiro Yazalde, o nosso Chirola, deixou-nos há 25 anos. Em sua memória celebrarei aqui a sua vida, republicando o conjunto de crónicas que Castigo Máximo aqui apresentou entre os dias 18 e 24 de Fevereiro de 2021. Porque as pessoas só morrem efectivamente para nós quando deixamos de falar nelas, e Yazalde nunca morrerá para os Sportinguistas.  

yazalde golo.jpg

16
Jun22

De pequenino é que se torce o pepino


Pedro Azevedo

Diz-se que de pequenino é que se torce o pepino, se educa. A metáfora náo é evidente, na justa medida em que voltear um fruto tão rijo não se revelará fácil sequer para um adulto. Será por isso mais crível associar a expressão à planta em si do que ao fruto. Porque o pepineiro assenta num suporte, normalmente umas estacas. E necessita de ser tutorado, de forma a produzir melhor, fazendo desenvolver o tronco central para que cresça se retorcendo pelas estacas. Como não há coincidências, o pepino é verde. Tal como o nosso Sporting. Que acaba de se sagrar campeão nacional de iniciados de futebol pela 15ª vez, ultrapassando o FC Porto como o clube mais titulado neste escalão. O tutor chama-se Bernardo Bruschy, e de entre os pequeninos destaca-se Gabriel Silva. Com 45 golos em 30 jogos (média de 1,5 golos/jogo), o jovem avançado leonino promete. Mas deve continuar a crescer assente em boas estacas, porque Peyroteo só houve um e exemplos de promissores miúdos que se perderam abundam por aí. A estrutura de futebol juvenil e os seus treinadores procurarão que continue viçoso, sempre enquadrado num tronco central (a equipa).

gabriel_silva.png

12
Jun22

O Mundial dos mundiais


Pedro Azevedo

Vem aí o Mundial do Qatar e Portugal estará presente numa fase final pela sexta vez consecutiva. Este facto, corriqueiro para as novas gerações, nunca fez sequer parte do imaginário de um jovem habituado a ver os outros em competição no maior certame do mundo de seleções. Nesse tempo o número de países presentes era bem menor (16) e os jogos ainda passavam na TV a preto e branco. Até que, já na minha adolescência, o Brasil me apareceu a sambar a cores na televisão. Por esse motivo, pela categoria e qualidade de jogo de muitas equipas presentes, nível superlativo de vários jogadores, drama, exotismo e magia de certos momentos, o Mundial de Espanha de 82, o primeiro com alargamento para 24 equipas, continua a ser para mim o melhor de sempre. Desde logo pela cor, mas também por ter juntado o génio de Zico, Sócrates, Platini, Rummenigge, Littbarski, Madjer, Conti, Boniek, Panenka, Kempes e Maradona, naquele que foi o último mundial dos jogadores, estes ainda razoavelmente libertos de pesados esquemas tácticos.  Foi também o mundial da raiva causada pela agressão bárbara de Schumacher a Battiston, do exotismo de um scheick do Kuwait ter retirado a sua equipa do campo ou da quebra de protocolo protagonizada pelo eufórico Sandro Pertini na tribuna de honra do Bernabéu. Nada disso, porém, ofuscou o nível altíssimo dos participantes. Como esquecer o último samba brasileiro protagonizado por Zico, Sócrates, Falcão, Leandro, Junior ou Eder? Ou o perfume africano dos surpreendentes Camarões de N'Kono e Roger Milla? Ou de uma Polónia que juntou numa mesma equipa craques como Boniek, Deyna, Lato ou Szarmach? E, claro, sem esquecer a França de Michel Hidalgo, com um meio campo de sonho onde um pequeno sósia de Asterix (Giresse) tocava em dueto com a gazela Tigana sob a batuta do maestro Platini. Mas houve mais, muito mais. Desde a cortina de ferro protagonizada por uma muito ucraniana União Soviética de Blokhine, Baltacha, Demianenko, Protasov ou Rats (e Dasaev), ou a Checoslováquia de Panenka e Nehoda, até à Áustria de Krankl, Prohaska, Pezzey e Schachner, passando pela Argélia de Madjer e Belloumi, a Escócia de Gemmill, Gray, Dalglish, Souness, Archibald ou Strachan, ou a campeã em título Argentina, de Kempes, Ardilles, Tarantini, Passarella e... Diego Armando Maradona. Todos ficando pelo caminho, que à final chegariam uma muito odiada Alemanha de serviços mínimos, apoiada no repentismo de Rummenigge e em dois laterais todo-o-terreno (Briegel e Kaltz), e a Squadra Azurra de Bearzot, o fleumático italiano sempre inseparável do seu cachimbo, qual Corto Maltese aventureiro que, contra tudo e contra todos, haveria de levar o barco a bom porto. Num Mundial que ficaria muito marcado pela elevadíssima qualidade de jogo da Canarinha, chega a ser injusto olvidar gente como Zoff, Scirea, Cabrini, Tardelli, Antognoni, Altobelli, Conti ou Rossi, os campeões. Este último, Paolo Rossi, ausente dos relvados durante dois anos após envolvimento no escândalo do Totonero, viria a ser a grande figura do Mundial. Uma história de sonho, de conto de fadas, ou não tivesse esse Mundial ficado na história pelos seus pózinhos mágicos. 

30
Mai22

“Hala Madrid… y nada más”


Pedro Azevedo

16FE115E-C4AB-4F21-AB42-FE2A6D7D8A43.jpeg

A Champions League e o Real Madrid andam de mãos dadas desde que o jornal L'Equipe lançou as sementes da criação da extinta Taça dos Clubes Campeões Europeus. Era então o tempo dos astros Di Stefano e Puskas, mas também de Gento, o veloz ala espanhol, tão rápido que cedo se tornou o jogador que mais vezes (6) levantou a "Orelhuda", feito ainda hoje não igualado. Depois, entre outros porventura menos marcantes, houve os ciclos de Zidane e Figo e de Cristiano Ronaldo. Até que chegou a décima quarta, quiçá a mais sofrida de sempre, a fazer lembrar as "remontadas" dramáticas dos loucos anos 80 do Real, onde coabitavam o pequeno Juanito e o grande Santillana com a "Quinta del Buitre", esta última dedicada ao  "abutre" Butrageño e aos seus quatro "compagnons de route" (Michel, Sanchis, Martin Vasquez e Pardeza). Sem esquecer um mexicano malabarista de circo, acrobata da "chilena" e dos pontapés de moinho, que dava pelo nome de Hugo Sanchez. Juanito disse um dia que 90 minutos no Bernabeu podem ser muito longos, e esta época foi paradigma da visão do malogrado ícone do Real. Tudo começou numa reviravolta contra o PSG, continuou quando a eliminatória parecia perdida face ao Chelsea e terminou com a "remontada" epica que deu a vitória com o Manchester City. Por 3 vezes a velha mística do Real encontrou no sortilégio do Bernabeu o antídoto face ao novo-riquismo de clubes adubados com dinheiro proveniente do Qatar, Rússia ou Emirados. A vitória da patine. Todavia, havia ainda que derrotar o Liverpool, uma equipa temível e que, no dizer dos seus adeptos, nunca caminha sozinha. A condizer, os "Reds" fizeram deslocar uma extensa comitiva a Paris, a cidade encontrada pela UEFA para substituir a banida São Petersburgo. E atacaram desde o primeiro minuto. Porém, na final, se ao Real faltou o Bernabeu, sobrou Courtois. O belga foi um polvo na baliza dos merengues e com os seus tentáculos só a Salah tirou 4 golos cantados. No fim, o Madrid fez a festa. Como quase sempre. Dizem que é da mística, mas a mística é ganhar. E o Real fá-lo como ninguém. Mesmo quando claramente não é o mais forte. Ainda que Vini Jr vá a caminho de uma carreira galáctica e que Benzema tenha tido uma época de sonho. Ou que Modric, mesmo que no ocaso da sua carreira, continue a mostrar um futebol de filigrana. Sem esquecer Ancelotti, o Senhor Champions, um fleumático italiano, contradição nos termos que no Real mais do que resultou. Afinal, esse também foi o clube dos zidanes e pavones, que mais contradição quererão vós? 

30
Abr22

Tudo ao molho e fé em Deus

Xeque-mate


Pedro Azevedo

Eu ainda sou do tempo em que ir ao Bessa era mais ou menos como tentar atravessar o Cabo das Tormentas. Como consequência, invariavelmente acabávamos naufragados, excepto naquele ano em que o Sousa Cintra apresentou o "novo Eusébio", o Careca, o jogador com os apodos mais enganadores de que tenho memória, por não ser nenhum Pantera Negra nem sofrer de alopécia. Nessa temporada triunfámos por 3-0, exactamente o mesmo resultado com que os brindámos aqui há uns dias atrás. E com toda a naturalidade do mundo, diga-se, que por defeitos que queiram meter no Ruben Amorim - quem não os tem, eu também os aponto -, a grande verdade é que com ele passou a ser natural o Sporting vencer em qualquer relvado do território nacional. É verdade, e por isso é importante que ninguém se esqueça de tomar o Memofante. A não ser que se queira mudar tudo outra vez, correndo-se o risco de se ficar com umas trombas do tamanho de um elefante. Não, tal não seria prudente, diria até que seria suicidário, pelo que longos anos mantenham o Ruben Amorim, o da Boa Esperança, entre nós. Quem provavelmente não teremos no futuro é o Matheus Nunes, o eleito do Guardiola. Eu tenho pena, e lamento o que vejo escrito por aí. É que o Matheus não é um jogador qualquer, e no Bessa até desbloqueou o marcador. Com classe, tal como contra a Turquia. Infelizmente, o Matheus é um mal amado para uma certa estirpe de adeptos. Mas é um craque. E abriu o activo no Bessa, com classe. Sem ponta de lança, caçámos com o que havia mais à mão. Mobilidade e tal, estão a ver... Não houve Paulinho a servir de pivô nem. tão pouco Slimani à procura da profundidade, mas sem ponta de lança goleámos o Boavista. Um xeque-mate no reduto do xadrez, é bom de ver. Com rei (Amorim) e rock, está claro. 

Tenor " Tudo ao molho...": Edwards 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • José da Xã

    Quando uma empresa de Gás patrocina uma equipa de ...

  • Pedro Azevedo

    * Meu caro, está errado… * informá-lo

  • Carlos Calado

    Caro Pedro Azevedo,A sua análise só peca por não t...

  • Pedro Azevedo

    Meu cariz está errado. se eu não aceitasse o seu d...

  • LeãoSempre

    Não, amigo! Não tinha o intuito de responder mas s...