Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

10
Ago22

Eterno


Pedro Azevedo

3A2B2BCE-D133-4906-8CA9-457C792130B0.jpeg

Quando um jogador é muito bom, mesmo que pertencente à um clube rival, ele passa a ser de todos os adeptos. Essa, aliás, é uma das raras ocasiões em que a clubite cede ao gosto pelo futebol, esmagada que fica pela excelência do futebolista. Foi exactamente isso que se passou com Fernando Chalana, a quem um dia Neves de Sousa (o seu a seu dono) apelidou de O Pequeno Genial, um apodo mais do que justo para quem surpreendeu o mundo como um meteoro no Euro-84 e inspirou futuros craques como Paulo Futre. Com o seu bigode farfalhudo e jeito de homem simples, humilde e bom, Chalana virou após esse Europeu um ícone, o Chalanix, consequência da sua transferência para Bordéus e da semelhança fisionómica com o herói gaulês criado pelo traço de Uderzo. Mas os seus melhores tempos haviam ficado para trás. Lançado na equipa principal do Benfica com 17 anos acabados de perfazer, Chalana cedo chamou a atenção pela imprevisibilidade do seu drible, finta estonteante que executava muitas vezes parado. Raras aliás eram as vezes em que os adversários não ficavam no chão, bastando-lhe o desarmante ulular dos braços para produzir esse efeito. Além disso possuía a visão de jogo de um "10", um entendimento do jogo muito superior ao habitual num extremo. Tudo alicerçado numa técnica apuradíssima que lhe permitia jogar com igual rendimento com qualquer um dos pés. Mestre na arte do engano no terreno de jogo, até nisso Chalana foi diferente: destro, levou a maioria das pessoas ainda hoje a pensar que era um canhoto natural. Um grande. E, como grande, eterno. 

09
Ago22

Uma pedrinha de gelo


Pedro Azevedo

Não tomo um whiskey há mais de 20 anos mas recordo-me que o novo sugeria a aplicação de uma ou duas pedrinhas de gelo. O facto veio-me à memória a propósito do jogo do Sporting em Braga. Por 3 vezes tomámos a dianteira no marcador, por 3 vezes o Braga acertou-nos o passo. O que é que nos faltou, então? Na minha opinião foram as tais pedrinhas de gelo. Porque o nosso jogo foi muito "heavy metal", sempre a rasgar, faltou-lhe temporizações, esconder a bola, situações que ajudassem o adversário a desgastar-se sem posse. Na verdade, no nosso plantel não abundam esses jogadores cerebrais que põem gelo no jogo. Certamente o Bragança, mas está lesionado. Porventura o Morita, mas saiu precocemente. Talvez o Pote, mas conviria o Ruben tê-lo recuado para a linha de médios. Sem esse tipo de solução individual, teria de ser a equipa a resolvê-lo colectivamente. Mas aí faltou uma maior aproximação entre os sectores. Terá sido do desgaste da intensidade do primeiro jogo da época? Ou será que a estratégia de esticar o jogo esboçada pelo Braga partiu a nossa equipa ao meio? Para quem viu no sofá, o Sporting pareceu amiúda um harmónio descompassado, muitas vezes todo aberto aquando dos ataques braguistas. E isso foi-nos fatal. 

Parece um paradoxo, não é (?), mas na Pedreira ao leão faltou uma pedrinha. De gelo. 

07
Ago22

Tudo ao molho e fé em Deus

Da Pedreira sem amor


Pedro Azevedo

A ida a Braga é uma forma de nos lembrarmos que o futebol português é uma Pedreira habitada por homens das cavernas que querem fazer-nos crer que acreditam na equidade e transparência das competições quando na verdade estão prisioneiros de um sistema antigo que confundem com a realidade. É como se numa dimensão paralela a Alegoria da Caverna encontrasse o Fred Flinstone e o seu amigo Barney, e o cenário fosse o de BedRock, um local onde se esboçam versões primitivas para inglês ver de conveniências modernas como - "Yabba-Dabba-Doo!" - a centralização dos direitos televisivos, e a brilhantina é feita de baba de dinossauro.  

 

Bom, mas isso é uma coisa. Outra coisa, bem mais assustadora, foi o Esgaio fresco ter mostrado a velocidade de uma tartaruga cansada. Ou o Paulinho não ter falhado nenhum golo pelo simples facto de nem uma vez ter chutado à baliza. Nada porém que amanhã os desportivos não componham entre elogios à versatilidade de um e qualidade sem bola do outro, atributos que assentariam indubitavelmente bem a... uma ginasta rítmica. Também não gostei de ver o nosso Oliver Tsubasa (Morita) ser rendido pelo Ugarte (de que até gosto) e disso se ressentiu a fluidez da nossa saída de bola. É o que dá uma "manga" (anime nipónico) curta, metáfora que se poderia estender a uma equipa que pareceu sempre menos solidária que em qualquer momento dos dois últimos anos do consulado de Rúben Amorim.

 

Perante tudo isto, valeu-nos um grande Matheus Nunes. O homem foi um Colosso! Primeiro desmarcando o Porro no primeiro golo com um passe milimétrico de 30 metros, depois levando o mundo às suas costas pela direita para depois cruzar para o único homem que havia ficado à esquerda finalizar. Para não enfatizar demais que logo no arranque da partida queimou 40 metros em sprint com a bola dominada até ser travado em falta à entrada da área braguista, ou que durante o resto do jogo deu sempre critérios às suas acções através, nomeadamente, de passes a variar o centro do jogo. 

 

Matheus foi muito bom, mas não chegou para todas as encomendas. Porque nenhuma equipa resiste a uma desatenção numa bola parada seguida de um défice de velocidade na lateral direita que faz pensar se o Gonçalo Esteves não teria sido mais rápido mesmo partindo da Amoreira. Também não é fácil jogar com um ponta de lança dito associativo, quiçá até distributivo, mas que continua a não ser cumulativo em termos de golos, podendo até considerar-se um elemento neutro na adição e absorvente na multiplicação (o zero), propriedades que os prémios nobel da matemática que se podem encontrar nos jornais portugueses certamente não deixarão uma vez mais de destacar.  

 

Ainda assim o Pote assinou o ponto e o Nuno Santos marcou um golo à Jordão no Euro-84. Ah, e como o futebol não é mímica, senão jogava sempre o Marcel Marceau, o introvertido do Edwards deixou-nos mais alegres do que o extrovertido do Trincão. Para o que também contribuiu o Rochinha, um rapaz com habilidade para encontrar espaço até numa cabine telefónica. 

 

Tenor "Tudo ao molho": Matheus Nunes 

bragasporting1.jpg

06
Ago22

Mr. Hide


Pedro Azevedo

Hidemasa Morita é até ver a grande contratação do Sporting para esta temporada. Calmo, com olhos de falcão, Mr. Hide distingue-se pela segurança dos seus passes rasteiros de primeira que sucessivamente vão quebrando as linhas do adversário. Dotado de uma técnica perfeita, Morita bem poderia ter adoptado o estilo exuberante de Oliver Tsubasa, o herói das "mangas" nipónicas dedicadas ao futebol. Mas não, o japonês é um jogador de equipa e por ela sobrepõe a discrição de processos ao brilharete individual. Como tal, até pode escapar ao olho menos atento do adepto puramente emocional, sempre tentado a louvar os malabaristas da bola, porém não nos iludamos: já dizia Cruijff que jogar simples é o mais difícil no futebol, e o Morita fá-lo, com quilos de classe, ou não fosse ele um craque, um senhor jogador do mundo do ludopédio. Atenção a Mr. Hide!!!

hidemasa morita.jpg

03
Ago22

Matheus e os Lobos


Pedro Azevedo

A última vez que vimos Matheus Nunes em campo foi contra o clube a quem deu uma nega, o Wolverhampton. Não deixa de ser até irónico que o luso-brasileiro se tenha tão declaradamente demarcado dos Wolves, sabendo-se de antemão que em condições similares a esmagadora maioria dos seus colegas de profissão trocaria a pele de cordeiro pela de lobo e logo levantaria problemas a fim de forçar a saída. Ora, eu não vejo isto suficientemente valorizado pela opinião escrita de adeptos do Sporting, que preferem criticar um suposto apagamento de Matheus em campo. Como a meu ver o seu menor rendimento tem tudo a ver com um sistema táctico de apenas dois médios centrais que o condiciona e desgasta sobremaneira - não é uma critica a Rúben Amorim, mas se há jogador cujo tremendo potencial ofensivo se desenvolveria muito mais rapidamente num sistema de 3 médios centro é o Matheus, que no contexto actual mais parece um puro-sangue emparedado numa cabine telefónica - , eu sinto que devo devidamente apreciar o homem que, vindo de uma favela, tomou a opção consciente de continuar num clube com história e pergaminhos europeus e que disputa os títulos nacionais em detrimento de embarcar na alcateia de lobos de um novo-rico do meio da tabela com sede em solo da Velha Albion (contrastes...). Deixando de ganhar, devido a essa opção, a módica quantia de 8 milhões de euros anuais. Não sei se para os mais distraídos isto faz alguma diferença, mas eu, que me lembro de um tal de Renato (entre tantos outros que podia dar como exemplo...), proveniente do Salgueiros, chegar a Alvalade e logo debitar que via o nosso clube como um trampolim para o Inter de Milão, sinto-me recompensado no meu orgulho Sportinguista por tão nobre atitude. Adiantando que, neste enquadramento, saber esperar é uma virtude e um sinal de inteligência e de confiança nas suas capacidades. Sinal esse que deve ser premiado. Pelo que o Matheus merece tudo, seja o tudo o City ou... o Liverpool, este último um clube com história e com um futebol mais dentro daquilo que são as qualidades do nosso número 8.  

 

P.S. É verdade, no sistema de dois médios centro o Matheus fez um grande jogo na Luz, mas não só o Benfica também alinhou no mesmo sistema (o que na Europa raramente se vê) como Weigl e João Mário marcaram-no com os olhos. 

matheus 8.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • JG

    Essas Academias hiper-padronizadas provocam um arr...

  • Pedro Azevedo

    Voltando ao Chalana, a sua memória transporta-nos ...

  • Pedro Azevedo

    Era apenas um jogador com uma personalidade de ant...

  • JG

    Um dos melhores que vi jogar. Apesar de actuar no ...

  • Paulo Dias

    Meu Caro PedroRespeitando na integra a sua opinião...