Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

31
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

Jogos repetidos com informação incompleta


Pedro Azevedo

Na teoria dos jogos é ensinado que as pessoas que interagem no presente fizeram-no no passado e têm a expectativa de o voltar a fazer no futuro. Para que essa interacção aconteça, a informação é primordial. Informações vitais podem ser reveladas pela acção de um jogador, da mesma forma que um jogador pode inibir-se de praticar determinadas acções a fim de evitar essas revelações. Por exemplo, a colocação de Seba Coates a central é tudo menos inocente. Os jogadores adversários ficam convencidos que ele é um central e tarde demais compreendem que ele é efectivamente o ponta de lança da equipa. Por outro lado, o verdadeiro defensor é o jogador Paulinho, que é apresentado publicamente como um matador. Quer dizer, na verdade ele é literalmente um matador, no sentido em que nos mata do coração a cada novo falhanço, mas a sua função de central mais avançado no campo é muitas vezes ignorada por adversários e até incompreendida pelo público que acompanha os jogos, contribuindo assim para o sucesso da equipa. Outra história de engodo é a que se relaciona com o Matheus Nunes e visa unicamente desvalorizá-lo aos olhos dos adversários. Nesse sentido, a narrativa que foi montada para inglês ver dá-o como tendo sido formado numa padaria da Ericeira, o que contrasta com o prestígio da Academia de Alcochete. É de génio, porque toda a gente sabe que é difícil falar na Ericeira sem se fazerem ondas, ajudando assim a que o embuste pegue mais jogadores desprevenidos. Os adversários olham para o rapaz, ficam condescendentes, julgam até que podem fazer farinha (o que faz sentido com um padeiro) e, quando dão por eles, já estão a correr atrás do prejuízo. Com o Adán é igual. Circulou que ele andou pelos grandes madrilenos a coleccionar autógrafos de galácticos nos treinos, mas isso obedeceu a uma estratégia de longo prazo que visava surpreender tudo e todos quando chegasse a Alvalade. Não fosse isso e o Casillas e o Oblak a única carreira que teriam seria a dos autocarros que os levariam respectivamente a Chamartin ou ao Wanda. Assim, bem podem agradecer ao Adán. 

 

Os exemplos do Coates, Paulinho, Matheus e Adán não surgem aqui por acaso. É que eles esconderam o jogo e forneceram informações incompletas ou erróneas ao nosso adversário de ontem e assim muito ajudaram à nossa vitória. Senão vejamos: uma vez mais, a terceira consecutiva, o Coates voltou a ser decisivo e marcou.   O Paulinho esteve sempre muito preocupado com os contra-ataques adversários, defendendo o que podia e cabeceando para fora um excelente cruzamento do Nuno Santos a fim de não permitir uma eventual parada do guarda-redes do Vitória (ou bola no poste) que desse início a uma transição rápida que pudesse fazer perigar a nossa baliza. (São estes pequenos pormenores que o grande público não entende, e é por isso que o Paulinho é um jogador único e irrepetível e justifica cada cêntimo da sua transferência.) O Matheus arrancou sorrisos amarelos aos vimaranenses a cada nova arrancada, à medida que ia dinamitando as suas linhas com aquele ar de ser apenas mais um dia no escritório. E o Adán mostrou ser como o nadador salva-vidas que a maior parte do tempo está a trabalhar para o bronze mas faz-se ao mar com critério sempre que necessário.  

 

Besiktas, Moreirense, Vitória, os jogos repetem-se. Como dizia o Sérgio Conceição, antes de cada nova contrariedade, é fácil desmontar o Sporting. Pois claro, até La Palisse poderia dizer que é muito mais fácil desmontar um puzzle do que montá-lo (da forma que Amorim o faz). Mas difícil, difícil é parar o Sporting. Dada a informação aqui disponibilizada, talvez a solução passe pelos adversários subirem os seus defesas ao encontro do Coates e recuarem os seus pontas de lança para vencerem o confronto com o Paulinho. A ideia pode parecer estapafúrdia, mas merece ser tentada a partir do momento em que todas as anteriores falharam. Porque com Rúben Amorim a lógica é uma batata. E quem a mete (a batata) lá dentro é o Coates...

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Nunes

coates11.jpg

28
Out21

Good Bye Lenin (ou Maria Ivone)!


Pedro Azevedo

Estes jogos da fase de grupos da Taça da Liga fazem-nos recuparar a memória do que era o futebol sem o VAR. Nesse sentido, assemelham-se àqueles documentários que hoje se fazem sobre a, outrora louvada pelos comunistas, antiga RDA, que exploram as incongruências do modelo de sociedade "socialista" de inspiração soviética. É claro como a água que haverá sempre saudosistas do antigo regime, orgulhosos adeptos dos irmãos Calheiros como dos automóveis Trabant, da escassez de títulos do Sporting ou da ausência de alimentos nas prateleiras dos supermercados de Berlim Leste. E há até quem procure reescrever a história e ignorar o controlo totalitário de outros tempos. Encontrando razões no tempo que se perde e falta de espontaneidade como no desemprego ou habitação precária actuais. Mas o muro finalmente caiu e nada voltará a ser como antes, ainda que alguns  "Ostalgies" (nostálgicos) que pululam por aí em programas de televisão pareçam falar para as massas como aquele filho que esconde da mãe, recentemente desperta de um coma pós-enfarte, a inabalável alteração entretanto produzida no status-quo. Tal como no filme de Wolfgang Becker, intitulado "Good Bye Lenin!". Só que os Sportinguistas viveram conscientes esse período negro, os "Ostalgies" é que estao a leste...

good bye lenin.jpg

27
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

Faca na Liga e postas de pescada


Pedro Azevedo

Como quase tudo o que se relaciona com o nosso futebol, a Liga Portugal é bipolar. Por um lado, anuncia defender o rigor, a integridade e a defesa do produto Futebol, por outro mantém em aberto uma "competição" que é objectivamente uma "faca na Liga". Senão vejamos: o que dizer de uma Taça onde se joga até ser madrugada, o árbitro se apresenta equipado com uns "flaps" aerodinâmicos sob a forma de uns autocolantes esvoaçantes - em modo "segurem-me, senão eu descolo daqui para fora" (como eu o compreendo...) - , o intervalo(?) induz-nos para as calendas gregas e os discursos do Fidel, não há guita para a vídeo-arbitragem e o emparelhamento das equipas em grupos e respectivo sorteio apenas visam uma "final four" onde os "3 grandes" estejam presentes? Acrescente-se um juíz que, apesar de talhante, não vê um "boi" à frente dos olhos e perdoa um penálti do tamanho de um Miúra ou de um Vitorino ao Famalicão, um campo de pasto mais apropriado à criação do gado Domecq e podem imaginar o pesadelo de que estamos a falar. Depois admiram-se dos adeptos voltarem as costas a este tipo de eventos. Já dizia o Schopenhauer que a soma do ruído que uma pessoa pode suportar está na proporção inversa da sua capacidade mental, e os adeptos são suficientemente inteligentes para não embarcarem em engodos onde sacristãos em Lisboa conseguem vêr uma formiga no cocuruto do Cristo-Rei enquanto o Cardinal, no Pragal (Almada), diz ao Lucílio que nada observou de anormal (rima e tudo).

 

É certo que em tempos esta "competição" serviu-nos para fazer umas cócegas ao ego, mas agora que até já somos campeões nacionais a coisa sabe-nos a pouco. Pelo que a única vantagem de aderir a isto é permitir rodar jogadores, o que aconteceu abundantemente ontem. Foi bom, na medida em que todos tivemos a confirmação da valia de Ugarte, um patrão que deixa o colarinho branco em casa e vai para o trabalho vestido como um operário. Muita categoria reunida num menino que tanto põe a bola a 30 metros como se envolve na luta por a conquistar, nunca deixando de procurar ser feliz nas aproximações em terrenos mais avançados. E de uma dessas aproximações resultou o nosso primeiro golo. A coisa pareceu pré-destinada quando o pé direito do uruguaio encaminhou a bola para junto do poste esquerdo da baliza do Famalicão, mas um minhoto interpôs-se e o esférico seguiu o rumo oposto e anichou-se no canto direito das redes. Voltando a Schopenhauer: "O destino baralha as cartas, e nós jogamos". E, escrevendo direito por linhas tortas, o Sporting adiantou-se no marcador. Depois houve o tal episódio da mão que o Mota não viu, que o comentador da SportTV justificou com o "ângulo fechado", o que pareceu um reparo paradoxalmente obtuso. Estabelece-se assim a seguinte proporção: quão mais agudo o ângulo (menos de 90º), mais obtuso o comentário; da mesma forma, quão mais obtuso (mais de 90º) o ângulo, mais agudo o comentário (como mais tarde se perceberia através da, perfeitamente audível, estridente emoção que se apoderou do comentador quando com o ângulo perfeitamente aberto não conseguiu perspectivar um claríssimo fora de jogo de um famalicense e julgou estar restabelecido o empate na contenda). 

 

Se durante a primeira parte o Sporting escondeu a bola do Famalicão, na etapa complementar os leões preferiram controlar o jogo e reduzir os espaços. Ainda assim, couberam aos pupilos de Rúben Amorim as melhores oportunidades. Até que o Matheus Nunes libertou-se do espartilho e foi espalhar o caos na área dos minhotos. Por entre cruzamentos, remates e ressaltos, o Nuno Santos emergiu e com classe dilatou o marcador. Pouco depois entrou o Paulinho, e com ele nova esperança numa oportunidade de golo não desperdiçada. E desta vez o Paulinho não desperdiçou. Mas também não marcou, podendo talvez dizer-se que enjeitou, não rematando no timing correcto. Logo um senhor da SportTV aproveitou para umas postas de pescada. Segundo ele, o problema do Paulinho é o apoio incondicional do público. É o que se chama um ângulo obtuso sobre o tema do momento. Ora, andava eu pelos blogues a ler que a culpa da greve de fome do nosso avançado se devia aos "não-verdadeiros" Sportinguistas que criticavam a sua fraca produção em frente das balizas e afinal fiquei a saber que é do excesso de apoio que emana a maleita que o afecta. Não querendo fazer tábua rasa sobre o assunto, decidi desligar o televisor a fim de não pressionar o Paulinho com o meu incentivo. Estou agora ansioso por ler as crónicas dos jornais, ciente de que a coisa deve ter acabado numa cabazada de golos do homem de Barcelos. Tinha até planos para ir ver o Guimarães, mas se calhar fico em casa. É que com o estádio às moscas o Paulinho vai facturar. E o seu valor subir. Pelo que no dia em que já não houver um adepto nosso no estádio, vende-se o Paulinho para realizar algum capital, quem sabe transferindo-se então o nosso incondicional apoio para um sempre tão escrutinado qualquer produto da nossa Formação. Genial, o senhor da SportTV. (Queira o meu caro senhor desculpar-me, caso este meu incondicional incentivo ao seu desempenho perturbar futuras tiradas de génio da sua autoria.) 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Manuel Ugarte

 

P.S. Ah, e estamos agora mais próximos da "Final Four", ao contrário do Porto que já está fora. "O que passou-se?", dirão na sede da liga. Houston, we have a problem!? Se calhar, futuramente, é melhor a Taça da Liga avançar directamente para a Final Four pretendida, poupando-se os patrocinadores a estas contrariedades. À atenção do Dr Proença e do "rigor, integridade e defesa do produto Futebol".

ugarte scpfama.jpg

25
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

A importância de ganhar


Pedro Azevedo

Os jogos com as equipas pequenas e médias são os que tradicionalmente decidem campeonatos. Como tal, é decisivo ganhá-los. E, para ganhá-los, há que marcar golos ou, pelo menos, mais um golo que o adversário, cabendo geralmente ao ponta de lança a dose de leão da contabilidade dessa arte de abanar as redes. É certo que o adepto pode exasperar se aquele que é designado por ponta de lança não fizer jus a esse epíteto, mas no passado já tivemos pontas de lança goleadores como Liedson ou Dost e não deixámos de escorregar e de perder pontos em jogos que antecipadamente dávamos como favas contadas. Por isso, ganhar é sempre o mais importante, marque o Coates, o Paulinho roupeiro ou o Ambrósio do Ferrero Rocher. (Neste último caso, tipo disco pedido do "Quando o telefone toca..." com senha e tudo a condizer, o adepto partilharia o seu desejo com o Ambrosio da seguinte forma: - Ambrósio, apetece-me algo... - Sim, senhor, que tal um golo açucarado? O adepto assentiria, o Ambrósio far-lhe-ia a vontade e ambos, no fim, partilhariam um doce e cúmplice sorriso.)

 

Para além destes jogos tomados como fáceis muitas vezes darem razão à alegoria do David e do Golias, a recepção ao Moreirense em particular sucedia a uma partida desgastante do ponto de vista físico e emocional, de alta intensidade e concentração máxima, disputada na longínqua Istambul. Havia, como tal, razões ponderosas de gestão de plantel a considerar, bem como uma presumível preocupação acrescida da equipa técnica com o foco dos jogadores, algo sempre difícil quando se vem da Cerimónia dos Óscares para a festa de anos do Óscar.  

Assim, há que dizer que a prova foi superada. Não com distinção, até porque do outro lado não estavam exactamente 11 bidões e sim uma equipa que ainda num passado recente veio ganhar com alguma facilidade ao Estádio da Luz, mas de uma forma relativamente tranquila e com poucos sobressaltos, que no fim serviu para garantir os tão desejados 3 pontos. 

O Paulinho não marcou? Não. E teve 5 boas oportunidades para isso. Não sei se será possível estabelecer com o Paulinho uma linha de diálogo do tipo Ferrero Rocher e porventura (o mais certo) ele até poderá ser diabético em matéria de golo e ter um metabolismo que não aguenta níveis elevados de produtividade em frente das balizas, mas enquanto houver uma equipa em vez de 11 jogadores será sempre possível esconder as fragilidades de cada um e sublimar a força do todo. Todo esse onde nós, adeptos, também nos inserimos, levando ao colo o Paulinho aquando da sua saída do terreno de jogo. Para um dia, quem sabe, levar-nos ele ao colo, se bem que "colinho, colinho" é mais fácil presumir do outro lado da Segunda Circular. 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Reis (melhor exibição de leão). Coates foi, uma vez mais, decisivo (quem é que precisa de um ponta de lança quando tem um Coates escondido lá atrás?). Sarabia já podia ser o rei das assistências deste campeonato, assim concretizassem os seus inúmeros passes com conta, peso e medida para golo. Bragança distinguiu-se pelos bons pormenores com bola, ainda que defensivamente tenha sido leve na abordagem de alguns lances. Ugarte entrou com ganas e mostrou merecer mais minutos e Matheus Nunes ainda teve tempo para uma arrancada típica das suas. 

20
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

Coates alargou o outrora Estreito


Pedro Azevedo

O Bósforo é um estreito que divide os continentes europeu e asiático. Segundo reza a mitologia grega, o seu nome significa "passagem da vaca", em alusão a Io, sacerdotisa de Hera, que o atravessou a nado depois de Zeus, que por si se enamorou, a ter transformado numa novilha a fim de esconder a sua forma humana de Hera. Talvez o primeiro golo do Sporting possa ser atribuído à "vaca", dado ter contrariado a forte corrente até aí dominante, mas creio que nesta coisa de mitologias para a história prevalecerá a Sportinguista, que sempre associará esta passagem pelo Bósforo ao capitão Coates, o deus cujos super-poderes alargaram o Estreito e permitiram à comitiva leonina concluir com sucesso a sua expedição por terras turcas. (Doravante, chamar Estreito de Coates ao Bósforo seria uma bonita homenagem Sportinguista a este seu feito heróico, se estreito não constituísse uma contradição nos termos face ao a todos os títulos gigante uruguaio.)

 

Sendo certo que na alvorada do jogo o Paulinho até poderia ter adiantado o Sporting no marcador, a verdade é que os leões passaram um mau bocado nos primeiros 15 minutos. Durante algum tempo foi otomanos contra "oito manos", dado que os dois Matheus e Palhinha estiveram nesse período completamente fora do jogo. Depois, o golo de Coates acalmou um pouco a equipa, e mesmo o tento irregular dos turcos não a disturbou o suficiente porque El Patrón logo se encarregou de bisar como se de uma fotocópia se tratasse. E seria uma vez mais o uruguaio a cavar diferenças quando, novamente de bola parada, assinou uma sentença de morte para o keeper turco, pena temporariamente comutada pela mão de quem quis dar Vida aos otomanos. Desta vez sem remelas nos olhos, o tribunal videoarbitral presente em Istambul decidiu pelo castigo máximo. Em sequência, Sarabia executou a decisão de forma competente. Até ao intervalo haveria um novo susto, mas o fio da vida com que o deus Coates exemplarmente conduziu durante todo o jogo a linha de fora de jogo fez com que a brilhante execução do brasileiro Alex Teixeira de nada valesse ao Besiktas. Íamos assim para o intervalo com a sorte do jogo, que é como quem diz com a importância de ter Coates. 

 

O segundo tempo foi completamente diferente. Não fora as dificuldades de comunicação entre os 3 homens da frente e as más decisões no momento da finalização dir-se-ia até que o marcador final poderia ter assumido proporções bíblicas para uns turcos certamente nada interessados em ficar ligados a algo de cariz religioso que não tivesse a ver com o Corão. O nosso domínio assentou então na entrada em jogo de Palhinha e de Matheus Nunes, que acertaram as marcações e conseguiram finalmente minorar os efeitos da inferioridade numérica no meio campo, uma realidade já anteriormente vista nesta Champions e que ontem só não produziu resultados mais nocivos por o adversário ter a dinâmica mas não ter a qualidade de um Ajax. E quando o treinador turco tirou o médio Alex Teixeira e substituiu-o por mais um avançado (Karaman), então o mar negro ficou definitivamente para trás e os leões puderam enfim chegar a bom porto. Ainda houve tempo para o Paulinho fazer uma gracinha, ele que ameaça especializar-se em marcar os golos mais difíceis e em falhar os mais fáceis. Sobre esse tema, estou convencido que o que está errado na avaliação deste jogador é vê-lo como um goleador. Quem assim pensa vai cumprir várias etapas de frustração, lance após lance vendo o transporte da bola até Paulinho condenado a um provável trabalho de Sísifo. Porém, se olharmos para o que labora dentro do campo e a forma inteligente como liga o jogo da equipa, então o nosso sentimento de afeição crescerá bastante em relação a ele. Pensem nisso! (Alternativamente, podem pedir ao Vosso médico de família para Vos receitar o Prozac, que a discussão entre prosaicos e "prozaques" não ficará por aqui.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Coates (who else?). Adán esteve excelente na mancha e Palhinha enorme na recuperação de bola no segundo tempo. Porro mostrou a garra de leão do costume. 

coates turquia.jpg

18
Out21

No Bósforo para acender o fósforo (luz ao fundo do túnel)


Pedro Azevedo

Amanhã jogaremos em Istambul, outrora Bizâncio, Nova Roma ou Constantinopla, as duas últimas denominações coincidentes com o período em que foi capital do Império Romano do Oriente. Conquistada aos romanos pelo Império Otomano no final do Século XV, Istambul receberia apenas no início do século XX  o nome pela qual no fundo sempre foi conhecida entre nativos: o equivalente, em português, a "ir para a cidade". A Istambul de hoje desenvolve-se ao longo dos dois lados do Bósforo, tendo-se estendido para o lado asiático através da anexação da Calcedónia, cidade da outrora Anatólia que os bizantinos em tempos conquistaram aos mégaros. É nesta bonita cidade que aproxima a Europa da Ásia que amanhã o Sporting jogará. A receber-nos estará o Besiktas, um clube do município com o mesmo nome, localizado na margem europeia do Bósforo e parte integrante da área metropolitana de Istambul. Os Águias Negras ("Kara Kartallar") são o terceiro clube turco em palmarés, apenas suplantados por Galatasaray e Fenerbahce, com 16 títulos de campeão nacional no seu palmarés. Todavia, nas competições europeias a sua prestação tem sido modesta, destacando-se apenas os quartos de final atingidos na Champions em 87 e o igual patamar alcançado em duas ocasiões na Liga Europa. Será também o reencontro com o ex-leão Valentin Rosier, titular absoluto numa equipa que tem no bósnio Pjanic (ex-Juventus) e no belga Batshuayi as suas maiores estrelas. Nada porém que deva desmoralizar os nossos leões, ou do outro lado não estivessem umas águias que motivam a exortação da memória de épicos confrontos históricos. Boa sorte, leões!!!

16
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

Regresso ao passado


Pedro Azevedo

Já não sou do tempo das Salésias, do Matateu, Vicente, Yaúca, ou, ainda mais remotamente, do Serafim, Vasco, Feliciano, Capela, Amaro, Jose Pedro Basaliza, Rafael, Scopelli, Tellechea, Di Pace ou Quaresma. Não, eu sou é contemporâneo do Restelo e do seu lindo recorte para o rio e o Cristo Rei, um estádio de uma beleza singular e onde ainda vi jogar uma bela equipa do Belém em que pontificavam o canhoto Paco Gonzalez, o meia Godinho e o ala Vasques, entre outras gerações de bons jogadores onde se incluíam o atacante Djão, o médio Gonçalves e o central goleador Luis Horta. Hoje, esse Belenenses ainda existe porque houve alguém que escolheu viver em vez de simplesmente sobreviver, por muito que isso tenha significado a queda nas profundezas das competições nacionais. Só que não caminha sozinho, como ontem abundantemente se pôde observar nas bancadas bem compostas do Restelo, ao contrário da homónima entidade (it's SAD, como diria um amigo meu inglês) que em tempos lhe usurpou o nome mas nunca a identidade. Por isso, o momento do jogo ocorreu singularmente já após este acabar, quando o speaker de serviço fez lembrar a importância de ter memória e da resistência em tempos de crise, marcando assim um grande golo em direcção a um futuro que se espera um dia poder ser de reconciliação com o passado glorioso de uma grande instituição centenária. A comunhão que em sequência se gerou um pouco por todo o estádio, unindo Belenenses e Sportinguistas, foi comovente e demonstrativa de que o ser humano é capaz do seu melhor quando (bem) orientado para causas justas e nobres. 


O jogo? O Sporting tinha tudo a perder, o Belenenses já tinha ganho antes mesmo do jogo começar porque a mole humana que se deslocou ao Restelo assim o obrigava, dirigindo cada um dos seus resilientes adeptos para um alegre e não nostálgico regresso ao passado e fornecendo alento para a perseverança necessária para o reencontro com esse passado num futuro que se deseja o menos longínquo possível. Talvez por terem tudo a perder, os leões entraram de garras bem afiadas e marcaram  logo na alvorada do jogo: o regressado Pote rasgou a régua e esquadro a defesa azul, Vinagre centrou para a área e TT encostou serenamente ao segundo poste. Uma jogada geometricamente perfeita. Em perfeita sintonia com os de Belém, os leões mostravam também esta ser uma noite de reencontros: de Pote com os relvados, de Vinagre com a boa forma, de TT com os golos. Acordando cedo para o jogo, os pupilos de Amorim tardaram no entanto a matá-lo. Para tal muito contribuíram os inúmeros falhanços na cara do guarda-redes do clube da Cruz de Cristo, com Pote e TT em particular evidência. Assim, o intervalo chegou com o jogo ainda em aberto. 

O segundo tempo manteve a incerteza no marcador durante muito tempo. Não propriamente porque Os Belenenses incomodassem, mas porque o Sporting jogava francamente pior e complicava o que não parecia difícil. Com o jogo assim, temia-se que uma bola parada pudesse equilibrar a contenda, mas curiosamente acabaria por ser através desse quinto momento do jogo que o Sporting viria a ampliar o resultado. E por três vezes!  

No Sporting gostei particularmente de Gonçalo Esteves, um lateral/ala que não se limita a dar profundidade e vai à bolina (diagonais de 45 graus) procurar o jogo interior, e de Ugarte, um patrão que veste a pele de operário quando é preciso, aliando visão, técnica e disponibilidade física. Daniel Bragança mostrou a qualidade de passe a que nos habituou e Matheus Nunes, mesmo improvisado a ala, encantou pelas acelerações nos arranques que deixaram os azuis agarrados ao chão. Uma nota dissonantemente negativa para a lesão de Porro, ferido na região da tíbio-társica devido a uma tesourada aplicada por um amolador azul que ficou a assobiar para o lado perante a inércia do homem do apito. 

Tenor "Tudo ao molho...": Manuel Ugarte

 

14
Out21

Bragança e o modelo


Pedro Azevedo

Olho para Daniel Bragança e vejo um jogador que assentaria que nem uma luva numa equipa treinada por Pep Guardiola, onde o passe-repasse (o célebre tiki-taka) é a ideia por detrás do sistema. Pep foi treinado por Cruijff e dele absorveu os princípios da escola holandesa de jogo posicional (espaço e tempo como lógicas primordiais, pré-definição da distância ideal entre jogadores e linhas, forma de orientação da pressão alta, desdobramento atacante, defesa em campo pequeno e ataque em campo grande, etc...) criados por Jany van der Veen nas escolinhas do Ajax, que combinados com o método Coerver (Will Coerver, antigo treinador do Feijenoord) dos 10.000 toques na bola diários forneceram a base técnico-táctica para o que Reynolds e Michels viriam a apresentar na equipa principal dos lanceiros. Porém, Guardiola imprimiu o seu toque pessoal, o qual, não deixando de se ter mostrado eficaz, retirou espectacularidade ao conceito de Futebol Total originário dos neerlandeses. Isso está bem patente aquando da recuperação de bola, com as equipas de Pep a procurarem a organização em detrimento da transição rápida, algo que acabou por se tornar enfadonho para parte dos adeptos. [O próprio treinador veio mais tarde a alterar alguns dos seus conceitos de forma a ajustar algumas características individuais de jogadores (elementos rápidos como Sterling, por exemplo) ao modelo.]

 

Entretanto, uma nova ideia de futebol surgiu associada a Jurgen Klopp. Este, que partilha com Pep a ousadia na aposta em jovens, desenvolveu o Gegenpressing, onde pressionar o portador da bola na tentativa de a recuperar em 5 segundos é a palavra de ordem, seguindo-se a recomposição da organização defensiva caso a bola não tenha sido ganha, uma ideia de jogo assente numa transição defensiva muito agressiva (e não na cultura de posse de bola) que visa explorar o espaço nas costas para contra-atacar o adversário através de motos de alta cilindrada que Klopp habitualmente escolhe para a linha avançada (Salah, Mané, Jota), deixando ao critério de um falso avançado centro (Firmino) a gestão do momento de descer no terreno ou de procurar a profundidade, dois movimentos antagónicos, um que visa atrair defesas para libertar os restantes avançados, outro que procura esticar o jogo e o adversário de forma a que surja o espaço livre entre sectores para atacar a segunda bola. (No Sporting, Paulinho é mais forte a descer, mas Tiago Tomás supera-o na exploração mais eficiente da profundidade, pelo que não temos o jogador ideal que reúna exemplarmente essas duas características independentes da capacidade goleadora.)

 

Ora, a meu ver  a ideia de jogo de Rúben Amorim, independentemente do sistema de 3-4-3 (ou, mais concretamente, de 3-4-2-1) preconizado, aproxima-se mais da de Klopp do que da de Guardiola, razão pela qual a música que é pedida aos médios é mais do tipo heavy-metal do que do género balada. Assim, Matheus Nunes e Palhinha são imprescindíveis. Não se trata por isso de não reconhecer que Bragança é um grande jogador, o problema é encaixá-lo e potenciá-lo dentro da ideia de jogo do nosso treinador. Admito, por isso, que Bragança só venha a sair da sombra em jogos mais exigentes e que exijam outro povoamento no meio-campo, contra os outros 2 grandes ou na Champions. Seja como for, quem não gostaria de ter uma arma que a qualquer momento possa ser utilizada para alterar a nossa forma de jogar? É que o Daniel dá essa variabilidade ao nosso jogo que mais ninguém lhe pode dar (com a possível excepção do camaleónico Pote). 

bragança1.jpg

13
Out21

Um lux(o)!!!


Pedro Azevedo

Ronaldo ultrapassou ontem a barreira dos 800 golos em jogos oficiais, fazendo balançar as redes pela 801ª vez na sua carreira como sénior. Tornou-se assim no primeiro jogador da história do futebol mundial a superar essa marca redonda, deixando o rei Pelé, aquele que mais se aproxima, a uns já bem distantes 44 golos. Com os 3 golos que marcou ao Luxemburgo, obteve ainda o 58º hat-trick da sua carreira, o 10º se considerarmos apenas a sua prestação ao serviço da Selecção Nacional. Mas o mais extraordinário em Ronaldo é a sua sede insaciável pela superação. Ontem houve mais um episódio ilustrativo disso mesmo quando Cristiano ficou visivelmente contrariado após a brilhante execução de um pontapé de bicicleta por si próprio preparado ter sido negada pelos reflexos felinos do guarda-redes do Grão-ducado. Sempre à procura de novas oportunidades de figurar na história, até onde irá Cristiano Ronaldo? Que jogador extraordinário! (E que privilégio é poder ser seu contemporâneo.)

ronaldo lux.jpg

12
Out21

Nuno, o agitado


Pedro Azevedo

Nuno Santos é como o gás carbónico que se acumula junto à rolha de cortiça de uma boa garrafa de champagne. Agitada, esta derramará liquido profusamente, ganhando-se em espectáculo o que se perderá em desperdício. Porém, se aberta com esmero, o gás libertar-se-ia suavemente e o rendimento obtido seria melhor. Todavia, o efeito visual não seria igual, que há sempre quem tenha mais olhos que barriga.

nuno-santos-sporting-cp-1614681307-57876.jpg

12
Out21

À espera do bigue-bangue


Pedro Azevedo

Na época passada foi oito, seis, interior direito, ala direito e até central pela direita. Esta temporada já actuou também como interior esquerdo, revelando uma polivalência incomum no alto rendimento. Sendo certo que é como 8 que Matheus Nunes mais encanta devido à técnica refinada que lhe permite ir tirando adversários do caminho e ao seu cavalgante transporte de bola, não é menos verdade que é na posição de interior (especialmente do lado direito) que mostra ter golo. E é entre esse agradar aos olhos ou saciar o estômago que Rúben Amorim terá que preparar a poção da qual o Sporting tire o máximo rendimento. Acreditando eu na enorme margem de progressão do jogador, visível até na qualidade dos passes frontais de ruptura com que esta época vem mostrando uma faceta até aí desconhecida no seu jogo, preferiria que continuasse a jogar como médio de transição. Pedindo-lhe apenas que exercite mais o remate. É que o resto está tudo lá, só falta mesmo criarem-se as condições ideais para que a energia que coloca no jogo provoque o bigue-bangue que lhe dê uma nova vida sob o ponto de vista estatístico.

mw-860.jpg

11
Out21

The sky is the limit


Pedro Azevedo

Há 3 anos jogava no Ericeirense, nos distritais da AF Lisboa. Após uma curta passagem pelo Estoril, suficiente para dar nas vistas na vitória dos da Linha sobre os leões em jogo a contar para a Taça da Liga (o do despedimento de Peseiro), ingressou no Sporting em Janeiro de 2019. Contratação para a equipa de sub-23, foi batendo à porta (fechada) da equipa principal até que Rúben Amorim o chamou no reatamento, pós paragem devido à Covid, do campeonato nacional (Junho de 2020). Desde aí o seu percurso tem sido fulgurante, já se tendo estreado na Champions e na selecção nacional portuguesa (com recusa à Canarinha pelo meio). Com um potencial enorme, até onde poderá chegar o Matheus Nunes? Uma coisa é certa, o tesoureiro do Sporting já esfregará as mãos de contentamento. Para nós, adeptos, fica o desejo de que continue a contribuir o máximo de tempo possível para o êxito desportivo do clube, à semelhança do ocorrido em 20/21 em que os seus golos frente a Benfica e Braga foram instrumentais para o sucesso no campeonato nacional. 

matheusnunnes1.jpg

03
Out21

Zicky Stardust...


Pedro Azevedo

zicky stardust.jpg

... e o mago Pany, decisivo na final (8 golos na competição). Com 7 jogadores do Sporting - João Matos, Erick, Paçó, Miguel Ângelo, Pauleta e os supracitados Zicky (apenas 20 anos, o mais novo luso de sempre numa fase final de campeonato do mundo) e Pany Varela - . Portugal sagrou-se, pela primeira vez na sua história, campeão mundial de futsal, troféu que acumula com o título europeu conquistado em 2018.  Foi também a despedida a nível de selecções do capitão Ricardinho, ele que com Bruno Coelho e Bebé formou um trio igualmente relevante nesta conquista lusa. Parabéns a todos os 16 selecionados e, claro, à equipa técnica superiormente comandada por Jorge Braz. 

03
Out21

Tudo ao molho e fé em Deus

De Arouca até Bragança


Pedro Azevedo

Os jogos com o Arouca não se disputam só no relvado e são sempre muito aguardados pelos adeptos. A coisa geralmente envolve animados encontros em túneis e casas de banho, experiências performativas com cigarros electrónicos e dissertações semânticas que pretendem evocar o melhor da literatura  de Bocage. Associados estão também mulrifacetados números de circo, desde as palhaçadas a cargo do Lito das cambalhotas até ao contorcionismo protagonizado por toda a dinastia dos Pinhos. Tudo isto é já um clássico destes embates, e sem isto o jogo em si tende a ser sensaborão independentemente dos golos que se marcarem no campo. Da sua ausência todos nos ressentimos (ou será que não?) ontem, consequência provável da pandemia e do lento desconfinar que ainda recomenda o uso de máscara e algum afastamento social. 

O centralão que governa o país há anos parece também ter contagiado o Ruben Amorim e este começou a aproximar gente dos extremos para posições centrais. Assim, o Coates, nosso Ministro da Defesa. viu-se subitamente assessorado por dois novos secretários de estado. Um deles, o Esgaio, ou não fosse nazareno, ficou com a pasta do mar. Não se pode dizer que não tenha cumprido com as suas obrigações protocolares, nomeadamente quando andou à pesca atrás de um arenque arouquense tão rápido que nem cheirou o isco.  

Por falar em ministérios, o do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social voltou a estar na berlinda. O seu titular, João Paulo ou Paulinho, é sem dúvida trabalhador, mas na hora da verdade puxa mais para a solidariedade e quem se ressente é a segurança dos sócios Sportinguistas. 

De Arouca até Bragança os beirões lá foram pondo o pé em ramo verde, mas a partir de Bragança (inclusivé) as coisas já não lhes correram tão bem. Depois apareceram as invasões francesas lideradas pelo general Sarabia e a capitulação foi quase total. Perto de Bragança, da casa de Matheus, também veio contribuição valiosa, com Nunes e Reis a destacarem-se em simultâneo. E o agitador Nuno Santos não lhes quis ficar atrás e deu a estocada final nas aspirações do desalentado Evangelista de Arouca, que já havia visto o evangelho começar a ser narrado pelo Matheus. 

Tenor "Tudo ao molho...": Sarabia 

sarabia.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Anónimo

    Caro Pedro,Talvez por mero acaso estou-me a lembra...

  • Pedro Azevedo

    Fantasma na ópera e eSCALAr para a Europa. Faz sen...

  • Pedro Azevedo

    Entretanto, o Famalicão deu-nos uma mãozinha…

  • João Gil

    O Sporting não vai chegar tarde à Europa. O Benfic...

  • JG

    Caro Pedro sem dúvida esses troféus são importante...