Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

20
Set21

Tudo ao molho e fé em Deus

Levante e ria


Pedro Azevedo

Depois do contacto com uns neerlandeses com nome de desinfectante, os jogadores do Sporting rumaram até à Amoreira com o corpo cheio de tintura de iodo e de mercurocromo. E pensos. Penso, logo desisto (como o Mamede)? Nada disso, ou não fosse um jogo a contar para a Liga Betadine (famosa casa de apostas anti-sépticas), e os nossos valentes rapazes dispuseram-se a trazer ainda mais 3 pontos no corpo para garantir a vitória. 

 

Um jogo no Vale da Amoreira é sempre uma boa promoção do futebol das energias renováveis. Em particular, do vento (eólica), que habitualmente faz-se sentir com inusitada intensidade. Por isso, tanto podemos assistir a golos de baliza a baliza e de canto directo como a testes de aerodinâmica da Ferrari e de outras equipas de competição automóvel. Ferraris não se viram, desde logo porque o JJ nunca foi fã dos ares do Estoril e ainda anda a lidar com o excesso de peças em MaraSeixalnello, pelo que o Rúben Amorim aproveitou para vir experimentar os seus domesticamente vitoriosos minis. E o teste nem correu mal. Bom, se o Adán não tivesse oito braços como um polvo a coisa poderia ter dado para o torto, mas assim deu tempo para que tudo se compusesse. E levou tempo, ai se levou! Por exemplo, foram precisos um cabeçudo, uma rodinha e uma paulada até um corridinho do Paulinho ser interrompido por um estorilista com o pé pesado e fora do ritmo e a dança da sorte nos sorrir. Chegou então o tempo para o reencontro do Xico Geraldes com os Sportinguistas, acto que se proporcionou através do insistente contacto com as canelas dos mesmos. Houve logo quem lhe chamasse um ensaio sobre a cegueira...  

 

Por muito que soprasse o vento foi como se não mexesse um(a) Palhinha. E isso é o melhor que se pode dizer do João, que a seu lado teve o Porro, que marcou um golo, e o Paulinho, que se mexeu muito. O Adán também foi importante, decisivo num momento que poderia ter sido chave do jogo. Regressado, o capitão Coates devolveu serenidade ao trio defensivo. Todos juntos, formaram um quinteto largamente responsável pela nossa importante vitória de ontem.

 

Pois é, parece que estamos de volta. Ou, como diria Mark Twain, as notícias da nossa morte foram manifestamente exageradas. Caímos, é certo, mas ontem o vento indicou levante.

 

Tenor "Tudo ao molho...": João Palhinha

EstorilSporting.jpg

16
Set21

Tudo ao molho e fé em Deus

Antony and the “Johnsons”


Pedro Azevedo

Quando aos 20 minutos Rúben Amorim olhou para o relvado e viu Inácio pedir a substituição sentiu que algo de apocalíptico podia acontecer. Vai daí, pensou no Nazareno como salvador. Mas Jesus Cristo, diga-se de passagem que compreensivelmente, andava por essa altura absorto com outros flagelos de igual dimensão no mundo (a fome, o desemprego, os refugiados, a pandemia...), pelo que totalmente indisponível, razão que levou Amorim a ter de improvisar com o nazareno do (António) Salvador, o Esgaio. A opção de Esgaio para central não deixou de surpreender. É que, tendo em conta o que se vem ouvindo com alguma compaixão ou comiseração por parte dos adeptos leoninos, as exuberantes qualidades defensivas do avançado Paulinho recomendá-lo-iam prioritariamente para a posição. Acontece porém que o nosso treinador manteve a fé no Paulinho goleador (o Coates estava impedido de jogar) e viria a ser premiado pouco depois quando o guarda-redes do Ajax permitiu que a raposa (epíteto comum aos pontas de lança) entrasse na capoeira e visasse o frango. Por aí tudo bem, e o povo voltou a acreditar. Só que não é com Vinagre que se apanham moscas e o Antony, com ou sem os Johnsons, foi zumbindo e zumbindo sobre a nossa ala esquerda, sem que o Nuno Santos se preocupasse em evitar os sucessivos 1x1 que a sua musiquinha ia entoando. Haller que se faz tarde, o ponta de lança dos lanceiros, na sua época de estreia na liga dourada, agradeceu para praticamente sentenciar o título de melhor marcador desta edição da Champions. 

 

Por essa altura, do nosso lado apenas o Matheus Nunes e o Porro mostravam competência para este nível de competição. Ainda procuraram dar-se como bóia de salvação ao resto da equipa, mas o Neto, o Esgaio e o Feddal metiam água por todos os lados, o Vinagre já era cadáver e a Pamela Anderson, o Hasselhoff e a restante patrulha do Baywatch há muito tempo que havia metido os papéis para a reforma. Adicionalmente, incapaz de se segurar fosse ao que fosse, baralhado nas sinapses pelas sucessivas e rápidas variações do centro de jogo impostas por Ryan Gravenberch, o motor do jogo neerlandês, o Palhinha andava completamente à deriva. Porém, com o Ajax a jogar o jogo pelo jogo e a não baixar linhas, a ingenuidade neerlandesa ainda fez acalentar a esperança e a ilusão dos adeptos. Assim, Palhinha e Feddal desperdiçaram boas oportunidades de reduzir diferenças antes do intervalo. 

 

No regresso dos balneários, o Amorim tirou o Vinagre e o Jovane e meteu o Matheus Reis (esquerda) e o Sarabia (direita). Mudou o bartender, mas o nosso flanco esquerdo continuou a ser um bar aberto para o Ajax saciar a sede de golos, com Antony e Mazraoui a criarem mais oportunidades para o Haller facturar. É certo que o Paulinho ainda marcou o que poderia ter sido o momentâneo 2-3 (e seu segundo golo na partida) e o Porro chutou ao poste, mas por essa altura já vigorava a Lei de Murphy, que fez inchar o pé do nosso ponta de lança para além dos limites regulamentares e impediu um grande golo, ou produziu um estranho efeito no ferro que o fez fundir mais a bola com as mãos do guarda-redes. 

 

Onde vai um, vão todos (ontem dizia alguém jocosamente que foram 5...) deve e vai continuar a ser o mote aglutinador. Mas o Sporting não pode abordar a grande montra onde tem a oportunidade de exibir os seus jogadores (e o clube) da forma que ontem se viu. Que começou na falta de uma estratégia que condicionasse o Antony sem que isso significasse abdicarmos dos nossos princípios de jogo, ou na não-transformação do sistema de 3-4-3 para 3-5-2 com a entrada de Daniel Bragança para o miolo (algo já testado no passado) e consequente fortalecimento do nosso meio campo (e respirar com bola, coisa que ontem não se viu). Adicionalmente, a ausência do capitão Coates foi por demais sentida, assim como a baixa de Pote, um jogador cuja inteligência teria certamente tirado partido do espaço entre-linhas que os neerlandeses permitiram durante a maior parte do tempo e não foi aproveitado por falta de discernimento dos nossos. Sendo que muitas vezes é nas derrotas que aprendemos as grandes lições da nossa vida que nos permitem evoluir, acreditemos na resposta dos nossos. O Rúben tem créditos. Lembram-se do pós-Lask Linz? Aí, leões!!!

 

Tenor "Tudo ao molho...": Matheus Nunes

ajax.jpg

15
Set21

A minha dúvida para hoje


Pedro Azevedo

Já que ninguém fala nisto, aqui ficam os meus cinquenta cêntimos para a discussão: irá Ruben Amorim manter a estrutura base do seu onze, optando por Jovane ou Sarabia na posição de interior direito, ou, alternativamente, mudará o sistema do 3-4-3 para um 3-5-2 e incluirá Daniel Bragança na equipa titular (libertando mais Matheus Nunes para as suas cavalgadas com bola)? 

15
Set21

Espelho mágico


Pedro Azevedo

O jogo desta noite em Alvalade colocará frente a frente duas escolas de Formação de renome na Europa. Dois projectos semelhantes na sua concepção, porém diferentes na sua adequação prática. Isto porque os leões têm-se dedicado à vã glória de precocemente desperdiçar talentos que mais tarde se vêm a impôr ao mais alto nível noutros clubes, enquanto os lanceiros se destacam pela optimização das sucessivas fornadas de jogadores saídos das suas camadas jovens, aliando o sucesso desportivo com a sustentabilidade económica e financeira. Embora os mais recentes ventos de mudança indiquem que as coisas estão a modificar-se para melhor em Alvalade, este jogo com o Ajax deverá ser encarado também como o nosso encontro com a realidade. Porque o Ajax de Janny van der Veen, Rinus Michels, Cruijff, van Basten e outros deverá ser um exemplo duradouro para nós, o paradigma das convicções fortes e da consistência das ideias acima das conjunturas de curto/médio prazo. Por isso, mais do que um adversário, do outro lado teremos um espelho mágico, que nos dirá que a mais bela Formação reside em Amesterdão. Mais do que invejar tal ou ser roídos pelo ciúme, a nós caberá perceber que há um caminho pela frente cheio de obstáculos que cumpre continuar a percorrer. Se o fizermos, talvez um dia o espelho nos venha a dizer que a mais bela Formação estará localizada em Alcochete. E assim viveremos felizes para sempre, tal como nos contos de fadas. 

 

P.S. Os irmãos Grimm estão para o Grimi como o Germano está para o género humano. 

academia.jpg

12
Set21

Tudo ao molho e fé em Deus

O Dress-Code foi amarelo


Pedro Azevedo

Ontem em Alvalade houve jogo grande. Dia de festa pede "dress-code" e Nuno Almeida não hesitou em eleger o amarelo no relvado, obrigando leões e dragões a paritariamente se distribuírem com essa cor. Não se sabe se a ideia foi promover a solidariedade, mas no fim os Sportinguistas que assistiram ao jogo também ficaram um pouco amarelados. E porquê? Desde logo porque tiveram a confirmação de que nas recepções ao Porto vale tudo menos tirar olhos dentro da área portista. Já sabíamos que no passado um empurrão de Zaidu a Pote não havia dado grande penalidade, ontem ficámos a saber que um murro nos queixos também não dá. (Ou como um murro desferido por Pepe nos queixos de Coates se transforma num soco no estômago dos adeptos leoninos.) Bem sei, o Porto de Pinto da Costa e de Reinaldo Teles, mas também do guarda Abel e de Pepe, leva-nos muitos anos de avanço em experiência com a secção de boxe, não havia necessidade era de o VAR dar um "(upper)cut" nas imagens e um "knock-out" às regras do jogo. E depois ainda há quem fale no Fontelas e nos queira ver beneficiados pelas arbitragens... Eu estou a perceber o racional: o árbitro pinta abundantemente de amarelo, o VAR mistura com muito azul e o produto só pode ser verde, não é? 

 

O jogo? Há um bocadinho fui à janela e juro que vi o Porro ainda a correr. O homem é incansável e faz várias séries de 110 metros barreiras por jogo. Só que, no futebol, barreiras estáticas só aquelas da publicidade, da Betano ou lá o que é, as outras são dinâmicas e até investem contra as pernas. Mas ao Porro tanto se lhe dá. Venha fulano, beltrano, sicrano, Betano ou Marcano, é sempre para superar. Já o Nuno Santos é um hiperactivo, não consegue estar parado nem calado. Barafusta com os colegas, mói o juízo aos adversários, sua as estopinhas - é um agitador. Não peçam é a um espalha-brasas para depois ter frieza na hora da finalização. Para completar o trio mais proeminente de ontem à noite falta o Matheus. O Menino do Rio não se viu naqueles raides de área a área tão característicos seus. Não, em face da inferioridade numérica no meio campo, Matheus preocupou-se em garantir os equilíbrios defensivos e optou por ofensivamente sobrevoar os adversários. Num desses momentos avistou Porro a 40 metros de distância. Deu golo. Pouco depois, recuperou a bola e isolou imediatamente Nuno Santos para um lance que terminaria com a defesa da noite por parte de Diogo Costa. No fim, tocarem-lhe num gémeo. Bem sei, não se faz. Mas aquela coisa de aparentar que jogava por dois cheirava a esturro... 

 

O Sporting adiantou-se no marcador e podia ter chegado ao intervalo a vencer por 3-0 ou 3-1. As nossas oportunidades racaíram todas no pé esquerdo de Nuno Santos, Corona teve na cabeça a melhor hipótese portista. No entanto, o Porto viria a empatar numa jogada de inspiração de Luis Diaz, num lance que começou no nosso lado esquerdo entretanto todo mudado e continuou até ao lado oposto onde já não havia Jovane a ajudar Porro na contenção. Menor eficácia de um lado, maior qualidade individual do outro, no final os pontos dividir-se-iam. Na flash, o Conceição apareceu calminho e sem azia. Parecia um menino do coro, ou então era mesmo um menino do coro. Daí o colinho, claro.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Porro

classico2.jpg

11
Set21

Theatre of Dreams (só para alguns)


Pedro Azevedo

Com Ronaldo a bisar e Bruno Fernandes a marcar o golo da tarde, o Manchester United despachou (4-1) o Newcastle no agora ainda mais justificado "Theatre of Dreams" (Old Trafford). 


(À atenção de Fernando Santos e dos apologistas da teoria de que com Ronaldo na Selecção o Bruno Fernandes rende obrigatoriamente menos. Pelos vistos há quem veja nessa parceria um sonho, havendo outros em Portugal que insistem em querer ver um pesadelo, uma discussão que sempre me pareceu despropositada e digna de quem complica ao ver problemas nas soluções.)

 

11
Set21

Para Rúben Amorim


Pedro Azevedo

Escrevo propositadamente antes do jogo para vincar que a minha opinião não está dependente do nosso resultado contra o Porto. E faço-o para mostrar o meu apoio incondicional a Ruben Amorim e à forma como encara a constituição de um plantel. Bem sei que nós, adeptos, queremos sempre os cromos todos, o plano de contingência face à lesão simultânea de A e B, o mítico avançado cuja produtividade se expressa em golos, mais um defesa central, etc. Acontece que ao longo dos anos a tentativa de suprir todas as lacunas, associada ao despautério de aquisições sem nível para o Sporting, nos conduziu até a um buraco negro, de onde só se vislumbra sairmos se continuarmos a acreditar e a apoiar a política de Amorim. Este não inventou a roda - há anos que o Ajax trabalha assim -, mas soube conciliar a racionalidade dos custos com um projecto de aposta na Formação, perspectivando-se assim uma sustentabilidade futura. Por isso, os planteis são pouco profundos, a fim de se poder recorrer à Formação em caso de necessidade. Por que diabo havíamos de gastar dinheiro em jogadores das equipas B e Sub-23 para depois lhes fecharmos a porta de entrada na A?  Obviamente, havendo oscilações na qualidade entre gerações, nem sempre teremos uma substituição óbvia. Por exemplo, tenho dúvidas se Chico Lamba ou Skoglund algum dia poderão ser reais opções para as posições de central e de ponta de lança, razão pela qual Amorim poderá em certos momentos ser obrigado a promover adaptações e explorar a versatilidade de alguns elementos do actual plantel. Mas esses são os riscos inerentes a um projecto que não pode ser alimentado de gorduras que quando saturadas no banco ou na bancada provocam complicações no coração do clube/SAD (conta de exploração). Por isso, mesmo tendo eu algumas legítimas dúvidas sobre a eficácia de Paulinho ou o racional da dispensa de Pedro Marques (coisas de treinador de bancada), gostaria de aqui mandar um forte abraço ao treinador Ruben Amorim (sim, eu discordei dos valores envolvidos na sua contratação) e agradecer-lhe esta certeza que hoje tenho: enquanto estiver em Alvalade poderemos semore perder o próximo jogo , mas nunca perdemos (hipotecaremos) o futuro. Obrigado. 

10
Set21

Os deuses do ténis devem estar loucos


Pedro Azevedo

Emma Raducanu tornou-se hoje na primeira senhora proveniente de um qualifying a atingir uma final do US Open. No jogo decisivo, a inglesa Raducanu (18 anos, nº 150 do ranking mundial ATP), nascida no Canadá e filha de um cidadão romeno e de uma cidadã chinesa, defrontará a canadiana Leylah Annie Fernandez (19 anos acabados de perfazer, nº 73 do ranking mundial ATP), filha de um equatoriano e de uma canadiana com ascendência filipina. A soma dos rankings das duas jogadores (223) será certamente um recorde em finais de torneios de Grand Slam, suspeitando eu que o somatório das suas idades (37 anos) estabeleça também um dos mínimos de sempre em finais deste tipo de torneios (que me recorde, apenas abaixo dos 36 anos envolvidos no duelo entre Monica Seles e Steffi Graf em Roland Garros, no ano de 1990).

raducanu-2.jpg

leylah fernandez.jpg

07
Set21

Três-azeri

Crónica da viagem de Portugal ao Azerbeijão


Pedro Azevedo

Portugal ganhou por três-azeri em Baku. Faz sentido! Um belo dia para quem se revê no Portugal que vai a campo, a nossa Selecção, mas também para os "haters" do Ronaldo e defensores da dependência negativa da Equipa de Todos Nós (na feliz expressão de Ricardo Ornellas) ao astro do United. Deverá aliás ter sido devido a essa dependência que alguns cruzamentos foram dirigidos directamente para Manchester. E o Ronaldo, de quarentena, nem abriu a janela para endereçar a bola para a baliza, o malandro! Na ausência do nosso capitão emergiu a classe do Bruno, o maestro da banda esta tarde no Azerbeijão. Cancelo também esteve acima da média, Moutinho e Palhinha tomaram conta do meio campo e não permitiram veleidades aos azeris. Destaque ainda para um grande golo de Bernardo e para a elevação e cabeceamento de Jota (terceiro golo) a fazer lembrar...Ronaldo. No final, mais 3 pontos, e a perspectiva de uma luta pescoço a pescoço com a Sérvia até ao fim do apuramento. 

07
Set21

Pessoa bem colocada encontra alta patente


Pedro Azevedo

Um amigo da prima do tio do presidente do Zenit, que é como quem diz "pessoa muito bem colocada" do clube de São Petersburgo, terá aparentemente questionado uma "alta patente" do Benfica, não se sabe se general ou apenas indivíduo de estatura superior, sobre Rafa. A alta patente não fechou a porta à negociação e alvitrou um preço que ninguém sabe qual foi, desde logo porque o único interesse da "notícia" é informar o mercado de que o Benfica recusou uma proposta de 30 milhões de euros pelo seu avançado. O que não teria sido de todo possível se a pessoa muito bem colocada não tem falado com a alta patente - se estivesse mal colocada, um metro a mais à frente ou atrás, talvez não se tivesse conseguido dar o encontro - , conforme fica bem patente na leitura de A Bola. Resta saber se essa pessoa bem colocada tem alguma coisa a ver com o amigo da prima do tio do presidente de um clube que alegadamente queria dar 60 milhões de euros pelo Carlos Vinícius, proposta imediatamente recusada por um Luis Filipe Vieira que no Seixal viu uma luz, ou neón, com 100 milhões de euros lá inscritos. (Era um pirilampo.)

07
Set21

Sporting vence prémio


Pedro Azevedo

O Sporting venceu o prémio de "Melhor Projecto de Formação" atribuído pela Associação Europeia de Clubes. Tomaz Morais, director da Formação, enalteceu o "modelo centrado no jogador", uma abordagem holística (o todo maior do que a soma das partes) e científica aos jogadores e equipas, que abrange áreas como a táctica, técnica, tecnologia e ciência, realçando o facto de 11 jogadores formados na Academia de Alcochete terem sido campeões nacionais na última época. 

04
Set21

Manchester by the sea


Pedro Azevedo

Ronaldo retorna a uma casa onde já foi feliz para tomar conta de um Manchester United orfão de Sir Alex Ferguson. Com uma última vitória na Premiership a coincidir com a despedida do lendário treinador escocês, o United procura em Cristiano o ingrediente a mais a nível de exigência ou profissionalismo que o conduza à redenção. A seu favor jogam 3 títulos consecutivos no melhor campeonato do mundo (2007, 2008 e 2009), o último na época anterior a sair para o Real Madrid. Não sei se será possível aos Red Devils chegar ao título no final desta temporada, mas que seria como um conto de fadas, lá isso seria. Ou um roteiro para um tocante filme, com Ronaldo perto do epílogo(?) da sua carreira a deixar mais uma marca incontorrnável na história do Man U. Seria uma bela fita, ou não? Depois, só faltaria que voltasse a equipar de verde-e-branco, o que ainda apareceria antes dos créditos finais. 

ronaldo man u.jpg

03
Set21

O carteiro Pablo Sarabia


Pedro Azevedo

Formado nas escolas do Real Madrid e com passagens pelo também madrileno Getafe, Sevilha e Paris Saint-Germain, Pablo Sarabia é um virtuoso que usa a canhota como uma espada com que inteligentemente esgrime a diferença, estocada a estocada aproximando-se do âmago do adversário. Com uma recepção sempre orientada e a preocupação de rapidamente se posicionar de frente para a baliza adversária, Sarabia evidencia-se pela sua visão de jogo e velocidade com bola, qualidades que lhe possibiitam inúmeras assistências e golos. Nada egoísta, em terrenos perto da baliza procura sempre entregar a carta a Garcia, escolhendo com critério a solução com melhor probabilidade de golo, não se coibindo até de usar o seu pé direito, se essa for conjunturalmente a melhor solução de passe/remate. Em suma, não desprezando nunca o importante papel de Nuno Santos e de Jovane nas conquistas de Campeonato, Taça da Liga e Supertaça, estamos na presença de um jogador de grande classe, que certamente deliciará os nossos adeptos com pormenores de categoria. Se resistir ao vedetismo, respeitar as legítimas aspirações dos concorrentes ao seu lugar e se integrar no bom ambiente de balneário existente em Alvalade, então poderemos estar na presença de um caso muito sério, um candidato natural a melhor jogador da Liga. Médio de ataque ou extremo no sistema de 4x3x3, no esquema de Rúben Amorim deverá ocupar a posição de interior direito, passando Pote a ocupar uma franja de relvado compreendida entre a esquerda e o centro.

PabloSarabiaSporting.jpg

03
Set21

A ver jogar Portugal


Pedro Azevedo

Demasiados jogadores a pedirem a bola no pé e poucos a procurarem o espaço, eis a selecção portuguesa de futebol. Some-se a proverbial falta de objectividade no remate por parte da maioria dos jogadores lusos - demasiados toques na bola na hora de chutar à baliza, a anos-luz daquilo que vemos qualquer inglês ou alemão fazer - e estão explicadas as dificuldades encontradas por Portugal para bater uma frágil República da Irlanda.

 

Com apenas Diogo Jota e os laterais a desmarcarem-se, Portugal torna-se uma equipa previsível e muito dependente do génio da lâmpada que uma das suas inúmeras individualidades pode libertar. Tal torna-se ainda mais evidente quando o adversário estaciona o autocarro, condicionante que geralmente é suficiente para bloquear a engrenagem por as nossas variações do centro de jogo não serem suficientemente rápidas (ou devido à ineficácia do nosso jogo interior). 

 

Não surpreende assim que o suspeito do costume tenha sido a solução para resolver o problema que os "leprechaun" irlandeses colocaram a uns gigantes lusos com os pés fartos do barro que Fernando Santos não há modo de libertar. Uma vez mais, foi Cristiano, em dois momentos de atleticidade tonitruante, que nos salvou, elevando-se nas alturas com a aura de um deus do Olimpo do ludopédio. O que choca, ou talvez não se considerarmos o país onde vivemos, é ver Ronaldo dado como acabado e atacado nos media e redes sociais. A tal questão da dependência negativa, dizem eles. Na quarta-feira viu-se... Temo, porém, que um dia lá para a frente ainda venhamos a lamentar a ausência dessa tal tão danosa dependência. Creio até que nesse dia seremos definitivamente independentes... de ilusões. 

 

P.S. Dos 111 golos (180 jogos) de Ronaldo, 59 (62 jogos) foram marcados depois de completar 30 anos.

ronaldo irlanda.jpg

01
Set21

Excelente operação de mercado (*)


Pedro Azevedo

A confirmar-se a opção obrigatória de compra do passe de Nuno Mendes pelo "Qatar Saint-Germain" - questões relacionadas com o cumprimento do fair-play financeiro da UEFA terão ditado os termos em que foi anunciado o negócio - , o Sporting realizou uma excelente operação de mercado. Não que Nuno Mendes não fosse, muito provavelmente, o jogador com mais classe e potencial do plantel, mas porque simultaneamente seria, ainda que possa parecer paradoxal, o mais facilmente substituível em virtude de a sua posição no terreno não integrar a coluna vertebral da equipa. Além do mais, o Sporting acautelou antecipadamente a sua saída ao contratar Rúben Vinagre. Este não dará as mesmas garantias a nível de Champions - não defende tão bem, seja por fora ou, principalmente, por dentro - , mas servirá perfeitamente para um campeonato nacional onde o Sporting terá de assumir o ataque na maioria dos jogos, aspecto onde Vinagre até é provavelmente mais forte do que Nuno Mendes (temos ainda Matheus Reis, Esgaio e a possibilidade de integração de Nazinho ou Gonçalo Costa, além de que Nuno Santos e Gonçalo Inácio podem circunstancialmente no decorrer dos jogos ocupar a posição). Concomitantemente, os leões ganham também um inimaginável reforço. Falo-vos de Sarabia, um internacional espanhol com escola de Real Madrid que ultimamente actuava no clube da Cidade Luz e esteve presente no Euro 2020. Excelente no último passe e com uma razoável relação com o golo, o espanhol será o homem ideal para emparelhar com Pote no jogo entre-linhas afluente a Paulinho. (Teremos oportunidade de brevemente o analisar ao raio-x aqui em Castigo Máximo.)

 

Em termos financeiros, assumindo a cláusula obrigatória de compra, também se poderá considerar uma muito boa operação. Nesse sentido, aos 7 M€ de taxa de empréstimo deverão ser adicionados os 40 milhões da opção, que a verificar-se o pressuposto da sua obrigatoriedade poderão permitir a antecipação dessa receita através do factoring, libertando assim a tesouraria no curto-prazo. Adicionalmente, Sarabia chega a Alvalade a custo zero, por empréstimo de 1 ano, com os franceses a assumirem o seu ordenado (alguma discrepância no que ouvi não permite estimar com exactidão este valor, oscilando as fontes entre os 7,6 M€ e os 3,8 M€ brutos).

 

Em suma, um excelente negócio tanto pela venda como pela oportunidade de negócio que constituiu Sarabia, mercado esse que só não será tão bom caso não se verifique a obrigatoriedade de compra do passe de Nuno Mendes pelos gauleses. É que nessa situação a situação de tesouraria do clube continuaria muito constrangida no curto-prazo. 

 

(*) A verificar-se o supracitado pressuposto

NunoMendesPSG.jpg

PabloSarabiaSporting.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes